São Paulo, 28 de Abril de 2017

/ Gestão

É possível melhorar a qualidade de vida do pessoal sem sobrecarregar os custos
Imprimir

Conheça alguns benefícios e comodidades que podem tornar o ambiente de trabalho mais saudável e estimular a dedicação dos funcionários à empresa

O bom senso sugere que funcionário feliz faz a empresa mais eficiente. Pesquisas comprovam a premissa. De acordo com levantamento da lista "130 Melhores Empresas Para Trabalhar", realizada pela consultoria Great Place To Work em 2014, o número de demissões voluntárias entre as empresas que se preocupam em manter um bom clima organizacional é de apenas 10%. Ao mesmo tempo, o faturamento dessas empresas cresceu, em média, 14,8% no ano passado. 

Para manter um ambiente de trabalho saudável, essas empresas se preocupam, por exemplo, em oferecer horário flexível de trabalho, incentivos à saúde e atividades físicas e alinhamento de valores, como transparência e respeite entre gestores e subordinados. Todas essas ações ajudam a reter os bons funcionários dentro da empresa. 

“Se numa organização o funcionário não tem nada de positivo, a única coisa que vai pesar será o salário”, disse Ruy Shiozawa, presidente do Great Place To Work Brasil, em entrevista para Endeavor. “Se a empresa ao lado oferecer 10% a mais, o funcionário vai embora.”

Shiozawa recomenda que o empreendedor pense num conjunto de práticas para atrair e manter o funcionário. “Nesse caso, o salário passa a ser um pedaço e o funcionário passa a pensar várias vezes antes de sair da empresa.”

Conheça alguns benefícios e comodidades que podem aumentar o bem estar entre os funcionários: 

PROGRAMAS DE BEM ESTAR E SAÚDE 

Trazer comodidades para dentro da empresa facilita a vida do empregado e faz com que ele não precise fazer acrobacias na agenda para buscar qualidade de vida. É comum encontrar no mercado prestadores de serviços que atendem em empresas. Há opções como professores de educação física, manicures, massagistas e instrutores de yoga e dança. “Esses serviços não são tão caros e agradam bastante”, afirma Adriana Fillipelli, fundadora da consultoria de recursos humanos Fillipelli.

A gerente de recursos humanos Hellen Zanotto, de 28 anos, passou por uma mudança em seu estilo de vida ao aderir o programa de incentivo à corrida da desenvolvedora de softwares paulista Target Sistemas. Há dois anos, a empresa contratou uma assessoria esportiva para dar orientações e montar treinos para os empregados. 

HELLEN ZANOTTO, DA TARGET SISTEMAS (ANTES E DEPOIS): INCENTIVO DA EMPRESA TRANSFORMOU O ESTILO DE VIDA DA FUNCIONÁRIA 

Hellen, que trabalha na empresa há quatro anos, levava uma vida bem sedentária. A jovem, de 1,60 metro, pesava 73 quilos, bem acima do ideal. Aos poucos, Hellen tomou gosto pelo esporte com a ajuda de colegas mais experientes – os sócios da Target são corredores há muitos anos. 

Hoje, após dois anos de treinamento, ela está 23 quilos mais magra. “Corro e faço musculação duas vezes por semana”, diz ela. “Também faço tratamento com uma nutricionista.” Uma das conquistas da nova vida é fazer viagens de aventura. “Agora tenho pique para fazer caminhadas na mata e explorar cachoeiras.” 

A adesão ao programa de corrida da Target é voluntária. Atualmente, seis funcionários participam da consultoria. O custo médio é de 100 reais por pessoa. A empresa paga metade. O restante é por conta do empregado.   

Especialistas sugerem que, caso o empreendedor não tiver condições de arcar com os custos, a empresa pode ser apenas uma facilitadora do serviço. “A empresa pode disponibilizar uma sala, montar grupos de interessados e agendar a visita do prestador de serviço”, afirma Augusto Puliti, da DMRH. “No entanto, o valor do atendimento é pago individualmente pelo próprio funcionário.” 

É recomendado que a empresa nunca pressione o funcionário a fazer as atividades. Em caso de esportes e exercícios físicos, a empresa pode pedir que o empregado apresente exame médico e use roupas e calçados adequados para evitar lesões físicas. 

A TARGET SISTEMAS CONTRATOU UMA ASSESSORIA ESPORTIVA PARA AJUDAR OS FUNCIONÁRIOS A INGRESSAREM NO MUNDO DAS CORRIDAS

JORNADA DE TRABALHO FLEXÍVEL 

Mais tempo para se dedicar a família, à saúde, aos estudos e ao lazer – sem contar o tempo perdido no trânsito nas grandes cidades – levam os funcionários a valorizarem uma jornada de trabalho flexível. 

De acordo com um estudo da Mom Corps, consultoria americana de recursos humanos, 73% dos empregados americanos acham que a flexibilidade é um dos fatores mais importantes na hora de escolher um emprego. Quase metade deles (42%) está disposta a abdicar de uma porcentagem do salário para ter mais horas livres. E 39% responderam que deixariam um emprego caso não fosse flexível. 

“As empresas devem buscar adaptações para respeitar as características e diversidade dos funcionários”, afirma Adriana Fillipelli. 

FUNCIONÁRIOS DA INVOLVES TÊM JORNADA FLEXÍVEL DE TRABALHO E PODEM TIRAR FOLGAS SEMANAIS

A empresa catarinense Involves, que desenvolve aplicativos móveis para gestão de vendas, tem um programa formal de jornada flexível e banco de horas. Muitos funcionários da empresa são jovens desenvolvedores. “É comum que eles cheguem à empresa após o almoço”, afirma André Krummenauer, de 27 anos, diretor de inovação da Involves. 

Para não deixar que o benefício se transformasse em anarquia, a empresa implantou uma jornada fixa de 40 horas semanais e banco de horas limitado à mesma carga horária. Na prática, isso significa que o funcionário pode trabalhar no horário que quiser, desde que cumpra sua jornada semanal mínima e tenha permissão do gestor – em dias de entregas de projetos o horário é mais rigoroso. “Quem trabalha a mais pode inflar o banco de horas para folgar um dia ou período ou emendar feriados e férias”, afirma Krummenauer. 

Mas, cuidado. Nem sempre o benefício é viável para todos. “O pessoal que trabalha no suporte ao cliente deve ter pontualidade, pois precisamos cumprir o acordo de nível de serviço com o consumidor.”

Para não ter problemas jurídicos trabalhistas, os sócios da Involves negociaram o sistema com o sindicato da categoria. “Firmamos um acordo que determina, por exemplo, que o funcionário marque o ponto usando a rede da empresa e que tire entre uma e duas horas para refeições”, diz Krummenauer. 

Nos Estados Unidos é comum a semana comprimida de trabalho. Nesse tipo de jornada, o funcionário tem a opção de trabalhar uma ou duas horas a mais por dia e folgar um dia por semana ou a cada 15 dias. O método também faz parte de um guia de orientações do Banco Mundial destinado a empresas de regiões metropolitanas – incluindo São Paulo – sobre como aumentar a qualidade de vida e a mobilidade urbana dos funcionários.   

Outra opção pode ser a implantação de home office para funcionários que não precisam comparecer à empresas todos os dias. Tecnologia para isso já existe e é acessível. Softwares na nuvem e ferramentas de comunicação como Skype, por exemplo, possibilitam o trabalho remoto em diferentes áreas. 

“Nesses casos, o controle do trabalho se dá pela entrega de resultados e não pela quantidade de horas trabalhadas”, afirma Eduardo Bahi, consultor de carreira da Thomas Case & Associados.

INCENTIVO À CULTURA 

Embora seja menos relevante que os demais benefícios citados nesta reportagem, a empresa pode oferecer o Vale-Cultura como um agrado a mais para os funcionários. Lançado em setembro de 2013, o benefício faz parte de um programa criado pelo Ministério da Cultura para aumentar o acesso de empregados com carteira assinada a produtos e serviços culturais. 

Na prática, o vale-cultura é um cartão magnético parecido com um vale-refeição. Mensalmente, o cartão recebe uma cota de R$ 50, pago pela empresa, para ser usado na compra de ingressos de cinema, teatro, museu, shows e outros espetáculos. Também pode ser usado para adquirir produtos como CDs, livros, revistas e instrumentos musicais. 

Para oferecer o benefício, a empresa precisa realizar um cadastro no site do Ministério da Cultura. Funcionários que recebem até cinco salários mínimos têm prioridade. Neste caso, o desconto em folha é opcional para o empregador – e deve ser de até 10%. Para os trabalhadores que ganham mais de cinco salários mínimos o desconto é obrigatório e varia de 20% a 90%.

O benefício não garante dedução fiscal às micro e pequenas empresas. Porém, o valor não é tributado. Empresas com faturamento igual ou superior a R$ 78 milhões – tributadas pelo lucro real – podem deduzir os gastos em até 1% sobre o Imposto de Renda. De acordo com dados do governo, cerca de 340 mil empregados usam o benefício. Em um ano, o valor movimento no setor de cultura foi de R$ 47,7 milhões. O comércio de livros, jornais e revistas representou 74% do consumo. 

No entanto, os números estão bem abaixo das estimativas iniciais do Ministério da Cultura, que previa atender 860 mil pessoas, gerando um consumo de mais R$ 500 milhões até o final do ano passado.

Leia mais sobre como reter bons funcionários aqui.



Boa localização, 94 caixas para evitar filas, estacionamento com 1,2 mil vagas, resposta ágil às reclamações da clientela, financiamento da compra e preço baixo levam o Andorinha a crescer na Vila Nova Cachoeirinha

comentários

A Confraria da Barba, rede fundada por executivos de grandes empresas, é pautada em gestão eficiente, com indicadores de desempenho, uso de tecnologia e inovações sutis, mas que fazem a diferença junto à clientela

comentários

Guia lançado pelo Sebrae mostra como usar a internet para analisar dados sobre clientes, concorrentes e feiras

comentários