São Paulo, 11 de Dezembro de 2016

/ Gestão

Como as mudanças do presente podem impactar sua empresa no futuro
Imprimir

Saiba como identificar as tendências de consumo que podem ser determinantes para orientar o planejamento estratégico das companhias

Imagine se um dirigente de empresa pudesse saber quais serão os hábitos de consumo de seus clientes em 2025. Ou conhecer quais produtos serão extintos na próxima década. Antecipar o futuro, em tese, daria à empresa um trunfo competitivo em relação aos concorrentes. 

A boa notícia é que isso é possível sem a necessidade de se recorrer a uma bola de cristal. Há uma ciência capaz de ajudar as empresas a identificar tendências no presente que podem ser determinantes para o futuro da organização: o futurismo.

“Ao observar e entender as mudanças que acontecem hoje na sociedade, o empreendedor tem mais embasamento para desenvolver o planejamento estratégico que vai nortear as ações da empresa em longo prazo”, afirma Rosa Alegria, especialista em prospecção estratégica e sócia da consultoria de tendências Perspektiva. 

Numa época de incertezas, prever um panorama econômico tende a ser ainda mais difícil. Porém, passa a ser muito mais necessário. “O sucesso no futuro depende das inovações que o empreendedor desenvolve no presente”, diz Rosa. “Mas é preciso ter métodos.”

Conversamos com a especialista para saber como o empreendedor pode identificar algumas tendências atuais para preparar a sua empresa para o futuro. Veja: 

POR ONDE COMEÇAR 

De acordo com Rosa, o primeiro passo é diversificar as fontes de informação. Paralelamente à leitura de jornais diários e tradicionais programas de televisão, o empreendedor deve recorrer a revistas e sites especializados. Rosa indica, por exemplo, as revistas americanas Fast Company e Wired. “Blogs também trazem temas relevantes que ainda não chegaram à grande mídia." 

Outra fonte de informação preciosa são registros de patentes. Esses documentos trazem especificações técnicas de produtos que estão em desenvolvimento e só vão chegar às lojas anos mais tarde. 

O empreendedor também precisa ir às ruas. O proprietário de uma loja de vestuário deve passear pela cidade para ver como as pessoas estão se vestindo, mesmo que não pertençam ao seu público-alvo.

Um exemplo bem comum para entender essas relações são os jeans rasgados. Há algumas décadas, a peça era usada por jovens como forma de protesto frente ao consumismo. Hoje, peças bem parecidas se destacam em catálogos de grifes de moda. 

ROSA ALEGRIA: PARA TER SUCESSO NO FUTURO, É NECESSÁRIO INOVAR AGORA

A especialista também recomenda a visita às chamadas lojas-conceito de grandes marcas, como a recém-inaugurada pela Dafiti, na rua Oscar Freire, em São Paulo. Na loja, o cliente escolhe as peças que deseja provar usando um tablet. Em seguida, os itens são levados para o provador. Ao finalizar a compra, o cliente nem precisa carregar sacolas – os produtos podem ser enviados para a sua casa no mesmo dia. 

Durante a pesquisa não pode haver preconceitos ou limitações. Um empreendedor do varejo também deve conhecer tendências do setor de serviços – e vice e versa. Os assuntos também devem ser amplos. Qual o impacto que mudanças em blocos econômicos ou aprovação do casamento gay podem causa no seu negócio?

Talvez, a matéria-prima utilizada na fabricação dos produtos vendidos na sua loja seja importada e parte de seus clientes seja casais homoafetivos. 

O QUE FAZER COM AS INFORMAÇÕES

Com base nas pesquisas, o empreendedor deve fazer relações com a sua área de atuação. Uma metodologia indicada por Rosa consiste em cinco passos:

• Identificar as mudanças: o que está acontecendo de diferente na demografia, economia, meio ambiente e tecnologia. 

• Analisar os possíveis impactos na empresa: de qual forma essas mudanças afetam a organização. 

• Projetar cenários: quais desdobramentos e inovações que essas mudanças poderão proporcionar.

• Criar uma visão para a empresa: como a empreendedor imagina a atuação da sua empresa no futuro.

• Iniciar o planejamento estratégico: o que fazer para atingir os objetivos desejados considerando o novo panorama. 

Segundo Rosa, que irá ministrar um workshop sobre o tema em junho (leia abaixo), as pequenas e médias empresas que não se preocupam com pesquisa de tendências, seja por desconhecimento ou falta de recursos, costumam pular etapas e fazem apenas o planejamento estratégico. “Nesses casos, o risco de não atingir os objetivos tende a ser alto.”

SERVIÇO
Workshop de Prospectiva Estratégica 
Data: 15 e 16 de junho
Horário: Das 9h às 18h
Local: Espaço Gaia. Rua Maysa Figueira Monjardim, 67. Vila Mariana – São Paulo 
Mais informações: (11) 9 9974-4342 / rosa.alegria@terra.com.br



Quem dá as dicas é a rede paranaense Gazin, com 238 lojas, que se sagrou a melhor empresa do varejo para se trabalhar. O índice de engajamento dos funcionários atinge 96%, bem acima da média nacional

comentários

Um dos pioneiros na implementação da nota fiscal eletrônica no Brasil, Tibério Valcanaia está à frente de empresas especializadas em desenvolver sistemas de gestão online que ajudam o pequeno varejo a ser mais competitivo

comentários

A substituição de executivo-chefe que atingiu idade limite continua a ser um momento crítico para as grandes empresas. O Bradesco de Luis Carlos Trabuco (foto) é o mais recente caso de mudança no limite de idade para o cargo

comentários