São Paulo, 28 de Maio de 2017

/ Gestão

As 10 marcas mais influentes do Brasil
Imprimir

Samsung derruba o Google e encabeça a lista das marcas mais fortes do país segundo a Ipsos Marketing e da Ipsos Connect

O Google perdeu o trono de marca mais influente no mercado brasileiro. Esse é um dos resultados da segunda edição do The Most Influential Brands, pesquisa da Ipsos Marketing em parceria com a Ipsos Connect, que revela quais as marcas que fazem a cabeça dos consumidores em 16 países.

Entre os atributos que definem como as marcas podem influenciar influenciar os consumidores estão a Relevância, a Confiança, a Liderança, a Presença, a Cidadania Corporativa e a capacidade de gerar movimentos na internet. 

VEJA TAMBÉM: 7 maneiras criativas para divulgar sua marca nas redes sociais

Foram feitas 1.000 entrevistas, com entrevistados de todas as regiões do país, das classes A, B e C, entre 18 e 55 anos.
Por aqui, quem liderou a última pesquisa foi a fabricante de celulares de dispositivos móveis Samsung – que tirou o Google do primeiro lugar, onde estava no levantamento divulgado no ano passado. Neste ano, a gigante do Vale do Silício aparece em terceiro lugar. A Nestlè passou do quinto para o segundo lugar. 

No estudo publicado em 2014, a Natura estava em segundo lugar – neste ano, a fabricante de cosméticos foi parar no sétimo lugar. Quem também despencou do ano passado para cá foi a Johnson&Johnson, que caiu da quarta para a nona posição. 

ASSISTA: "Você tem de aproveitar as oportunidades que os anos de crise geram"

As novidades no ranking deste ano ficam por conta de Gillete, Microsoft e Sadia. Quem sumiu da lista neste ano foi a Colgate e a Brastemp, que apareceram no último levantamento. 

 

 



Conheça a metodologia para definir e mensurar metas e objetivos estratégicos realistas, disseminada entre grandes varejistas americanos, que já chegou ao Brasil

comentários

Levantamento revela que as versões femininas de produtos são vendidas a preços 12,3%, em média, superiores aos similares masculinos. Intrigados, pesquisadores investigam o que poderia explicar essa discrepância

comentários

Nos Estados Unidos se discute um fenômeno chamado cord cutter (cortar o cabo), que dá nome a um tipo de usuário que deixa de pagar pela TV por assinatura

comentários