São Paulo, 27 de Julho de 2017

/ Gestão

Ambev decide repassar a inflação aos preços
Imprimir

Companhia deve investir no segmento premium para que a receita líquida tenha maior crescimento que a inflação

O diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Ambev, Nelson Jamel, afirmou que a companhia continua a manter sua estratégia no Brasil de repassar aos preços dos produtos a inflação e qualquer aumento de impostos. Ele participou de teleconferência com analistas e investidores na semana passada.

O executivo foi questionado sobre a entrada em vigor em maio do novo modelo tributário para o setor de bebidas frias. "Não comentamos sobre nossa estratégia de preços porque é uma informação sensível, mas a estratégia continua a se ter os preços em linha com a inflação e somado a mais algum aumento de impostos", disse Jamel.

LEIA TAMBÉM: Por que as lições de Lemann e seus sócios são valiosas para sua empresa

Analistas afirmam que o último aumento de preços realizado pela Ambev ocorreu no quarto trimestre de 2014 e já teria antecipado algum possível efeito de aumento de carga tributária sob o novo modelo. Apesar do comentário, Jamel destacou pouco antes que a estratégia principal da companhia para fazer com que a receita líquida cresça acima da inflação é a aposta no segmento de cerveja premium.

"O que vemos é o crescimento do preço em linha com a inflação e aumento da receita líquida impulsionado pelo mix de produtos premium", disse o executivo. "Os resultados que obtivemos no primeiro trimestre nos dão razão para acreditar que essa é uma boa fórmula", completou.

LEIA MAIS: Quer viver de cerveja? Então tome decisões sóbrias

O executivo disse ainda que as cervejas premium corresponderam a 8% do volume de cerveja no Brasil no primeiro trimestre. De acordo com ele, a expectativa da companhia é de que esse número cresça. "O modelo de negócios que construímos é para ir ainda mais além no segmento premium, ele vai continuar liderando nosso caminho", afirmou.



A redução ocorreu em oito das nove capitais que fazem parte da pesquisa da Abecip

comentários

Índice registrou queda de 0,31% de maio para junho, de acordo com o Dieese. Redução de 1,3% no transporte influenciou o resultado

comentários

Os maiores recuos foram registradas no Rio de Janeiro (-5%), Brasília, Vitória e em Belo Horizonte (-4%), de acordo com o Dieese

comentários