Gestão

ACSP debate associativismo como instrumento de liderança


No último sábado (05/08), dirigentes da entidade e empresários da entidade se reuniram para discutir como é possível vencer os desafios comuns do setor


  Por Mariana Missiaggia 06 de Agosto de 2017 às 19:02

  | Repórter mserrain@dcomercio.com.br


Com o objetivo de estimular as lideranças empresariais e desenvolver a atividade econômica da cidade de São Paulo, representantes da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) se reuniram no último sábado (05/08), em São Paulo, para o 12º seminário das sedes distritais da entidade.

O encontro foi aberto por Alencar Burti, presidente da ACSP e da Facesp [ao centro, na foto], ladeado pelos vice-presidente João Bico (à esq.) e Giacomo Cataldi.

Durante o evento, Marcel Solimeo, economista-chefe da entidade, resgatou a origem do associativismo, e citou uma das primeiras conquistas da ACSP, em 1895. Na época, a instalação de uma alfândega seca na cidade de São Paulo, que era uma antiga aspiração dos comerciantes paulistas, se deu por intermédio da entidade.

Até então, a burocracia exigia que os empresários fossem até Santos para assinarem a documentação que liberaria as mercadorias importadas.

"Temos que resgatar essa consciência de que fazemos parte de uma história", disse Solimeo. "Superar contextos e fortalecer a atuação do varejo no País depende de um empresariado unido"

SOLIMEO: RESGATANDO UMA HISTÓRIA DE CONQUISTAS ASSOCIATIVAS

Reinaldo Passadori, especialista em comunicação, esteve presente no evento para apresentar a palestra “Quem não comunica, não lidera” e discorreu sobre o importância do associativismo como instrumento de liderança.

Para Passadori, o associativismo é um dos caminhos mais eficientes para buscar a superação de dificuldades e a obtenção de benefícios comuns.

PASSADORI: A IMPORTÂNCIA DE FORJAR LÍDERES

Na opinião do especialista, isso fica ainda mais evidente em tempos de crise e também defende que tanto a população quanto as organizações se tornam mais fortes à medida que compartilham sonhos e interesses.

"As grandes mudanças que ocorreram no mundo surgiram de grandes mobilizações, que definiram estratégias e atuaram coletivamente para alcançá-las", diz.

"O atalho para a competitividade está na capacidade de o empresariado fazer a sua visão ser considerada pelo governo e pela sociedade. E a intensidade disso está diretamente ligada à integração entre as empresas e suas entidades de representação".

PAPEL DAS DISTRITAIS

No caso da ACSP, Giacinto Cosimo Cataldo, vice-presidente da entidade e coordenador das Sedes Distritais, explica que as 15 distritais espalhadas pela capital, criam espaço para o debate e fortalecimento dos negócios, facilitando o empreendedorismo, com ações locais.

Além disso, assim como a ACSP, essas sedes trabalham com a missão de mudar a estrutura tributária do País, desburocratizar processos, formalizar negócios, protagonizar transformações, e especialmente, trabalhar em parceria com as subprefeituras para atualizar a infraestrutura de vários pontos da cidade.

Roberto Mateus Ordine, vice-presidente da entidade, traçou um histórico do Diário do Comércio, que completou 93 anos em julho passado e sua evolução para as plataformas digitais.

ORDINE:TRADIÇÃO E INOVAÇÃO NO DC

O jornalista Nelson Blecher, superintendente editorial, exibiu aos presentes o novo design do jornal e as seções que marcarão a próxima fase da publicação, que, segundo afirmou, tornarão a leitura mais atraente, além de proporcionar uma visão completa da riqueza editorial nas áreas de economia e administração.

NOVOS NEGÓCIOS

João Bico de Souza, vice-presidente da ACSP e coordenador do Comitê de Novos Negócio da entidade, também falou sobre o que está sendo feito para a descoberta e prospecção de novas propostas de negócios  e serviços prestados pela entidade  para fortalecer o empreendedorismo.

CBMAE - Há quase um ano, a ACSP oferece o serviço de solucionar conflitos entre empresas e seus fornecedores ou clientes, por meio da Câmara Brasileira de Mediação e Arbitragem Empresarial (CBMAE).

O índice de acordo chega a 80% e leva em média 40 dias para ser finalizado - muito rápido se comparado aos anos que se leva na justiça comum, de acordo com Souza. 

Portal de Licitações - Pensando em dar subsídio para as empresas associadas, a ACSP está criando um novo departamento que orientará os empresários sobre como participar de um processo de licitação, solucionando dúvidas e divulgando oportunidades. 

"Muitos poderiam fazer bons negócios com licitação e não sabem".   

Cooperativa de Crédito - Outro projeto da ACSP é criar uma nova alternativa de crédito para os empresários, a partir de uma espécie de cooperativa.

O vice-presidente diz que a intenção é oferecer todos os serviços que já existem na rede bancária tradicional, porém, com taxas de juros inferiores ao que é cobrado no mercado.  

"Estamos nas mãos dos bancos. É um absurdo pagarmos 15% de juros de conta garantida ao mês", diz. 

FOTOS: Daniel Gomes Aguilar/DDS Mult-Visão