São Paulo, 27 de Setembro de 2016

/ Finanças

Você está pronto para abrir o capital de sua empresa?
Imprimir

Ter controles financeiros e contábeis bem organizados e transparência na hora de passar informações ao mercado é ponto crucial – e ainda uma barreira para o pequeno empresário

Quanto mais dados, melhor a avaliação, principalmente quando se trata de tomar financiamento de bancos ou sócios. Nesse momento, a qualidade e a transparência das informações que os empreendedores têm a respeito de seus negócios contam muito para que obtenham melhores condições na tomada de recursos. 

Para os micro e pequenos empresários, para os quais a regulação já facilitou a abertura de capital na bolsa no ano passado, a transparência no fluxo de informações continua sendo um problema, principalmente se o empreendedor não tem o perfil de um Relações com Investidores (RI).

LEIA MAIS: Bolsa atrai também as pequenas e médias empresas

Esse profissional, que trabalha geralmente em empresas de capital aberto, reúne o conjunto global de informações da empresa – que passam pelo financeiro, estratégia de gestão, controladoria e até comunicação.

“Há uma quantidade pequena de PMEs na bolsa, assim como há poucas empresas de capital aberto no Brasil. O RI é fundamental para que as companhias melhorem sua gestão, e por isso lançamos um livro com história de empreendedores”, diz Geraldo Soares, presidente do IBRI (Instituto Brasileiro de Relações com Investidores). 

A entidade lançou, em conjunto com a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), o livro Relações com Investidores - Da Pequena Empresa ao Mercado de Capitais em evento na BM&FBovespa. 

A avaliação de especialistas é que o empreendedor precisa de formação e de uma mudança de postura, que deve ter como alvo a expansão de sua empresa por meio da abertura de capital. 

O Sebrae Nacional em parceria com a BM&FBovespa deve lançar até o fim deste ano um curso para capacitar o empresário de pequeno porte para a abertura de capital. Até lá, é possível adotar as dicas abaixo para melhorar a atitude perante possíveis sócios. 
 

O PODER DA INFORMAÇÃO 

Maria Auxiliadora de Souza, gestora do Núcleo de Desenvolvimento de Pequenas Empresas do Sebrae Nacional, diz que o empreendedor ainda trabalha a questão das informações financeiras com uma postura cartorial, ou seja, de que isso é de poder dele e não deve ser compartilhado. 

“O desafio é que ele tenha boas práticas de governança e de gestão financeira, até mesmo para capitalizar o negócio em fundos de capital semente e venture capital”, diz. 

Segundo ela, o trabalho do Sebrae está ainda concentrado no empreendedor que precisa negociar com bancos para obter o melhor crédito para o andamento do negócio, ou seja, ele está numa etapa bem anterior à associação com fundos ou a de abertura de capital. 

“Ajudamos ele a preparar a empresa, para que tenha ferramentas de gestão e possa escolher seu próprio caminho. Para se ter uma ideia, a nossa atuação está concentrada no crédito formal. Ensinamos o empresário a sentar para negociar porque hoje ele mais pede do que negocia. Precisa falar de igual para igual”, diz. 

Ricardo Rosanova, RI da Helbor Empreendimentos, incorporadora imobiliária, afirma que a empresa desde o início adotou uma postura de transparência e de governança. Nesse processo, chegou a abrir informações estratégicas aos potenciais sócios. A empresa, que é um dos cases do livro do IBRI, abriu o capital em 2007, quando captou R$ 250 milhões.

“Quando abrimos estratégias aos investidores, eles questionaram muito o nosso pensamento, que era diferente dos concorrentes. Então, quando fizer isso, você será confrontado e deve ter disposição e convicção ao abrir a informação para fazer valer sua palavra”, diz Rosanova. 
 

 

 

OUÇA CABEÇAS DIFERENTES

Sidney Chameh, presidente da ABVCAP (Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital) e sócio-gestor da DGF Investimentos, afirma que a taxa de investimento dos fundos de capital de risco em pequenas empresas é de 1%.

Nessa etapa, a falta de informações atrapalha, mas a postura também. "A empresa precisa escolher o fundo que vai investir e não apenas ser escolhida. É importante lembrar que um fundo de private equity implica na troca natural de sócios e na gestão. Mesmo sendo sócio minoritário, o fundo pode vender 100% da empresa quando precisar sair", afirma. 

Chameh afirma que o pequeno empresário geralmente tem de lidar com mais de uma função no negócio, e isso torna o processo complicado. Mas uma dica do executivo é que ele pense bem se está pronto a dividir o espaço com um sócio. 

“Ele também precisa ter um sonho muito grande. Não é crescer só 20% em três anos. O investidor de fundos quer um retorno muito maior do que esse, porque assume um risco superior. Hoje, ele olha também para o empresário que está em um mercado de potencial”, afirma. 

GOVERNANÇA E COMPLIANCE

Para Fernando Mantese, gerente da área de capital empreendedor do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), para cada etapa do ciclo de vida de uma empresa há uma solução adequada, que nem sempre é a abertura de capital.

As pequenas empresas, exemplifica, iniciam o negócio com recursos próprios, o que traz como desvantagens o fato de ser escasso e gerar perda do custo de oportunidade do dinheiro. 

Depois, buscam o crédito de bancos, que é de alto custo, exige garantias e previsibilidade no fluxo de caixa para pagar a dívida, tem limites, mas permite dedução no Imposto de Renda. 

Numa terceira etapa, quando precisam de alavancagem para expandir o negócio, recorrem a sócios. Essa escolha também permite liquidez, fazer a sucessão no caso de empresas familiares, profissionalização da gestão e divisão do risco do negócio. 

O desafio, nessa fase, é estruturar a governança corporativa, primeiro montando um conselho de administração. Mas não para aí.

É preciso ter a disposição para dividir o processo decisório. O segundo grande obstáculo, diz Mantese, é estruturar o compliance, ou seja, todo o fluxo de informações contábeis, tributárias, trabalhistas e auditoria.

“Nessa etapa, notamos que há uma carência de planejamento, controle, de plano de negócio e projeto de investimento”, afirma.

SEJA SEU PRÓPRIO RI

O bom nível de informação e de transparência nas empresas acabam sendo exercidos pelo profissional de RI. Em muitos casos, o próprio empreendedor, ainda pequeno, acaba exercendo esse papel, seja na busca de crédito, de sócios e da expansão via abertura de capital. 

Thiago Rocha, RI da Senior Solution diz que o ideal é que essa atividade comece desde o primeiro dia de uma empresa. O fundador da empresa de tecnologia com foco no setor financeiro já tinha essa visão e começou a auditar os balanços em 2002 e em 2005 montou um conselho de administração. “Ele fez isso na época que ainda tomava empréstimo nos bancos”, diz Rocha. 

Ele conta que os donos buscaram o investimento de venture capital, o que não deu certo na primeira vez. Mas não desistiram.

Estruturaram as informações, lançaram produtos e voltaram a conversar com o fundo investidor. Em 2012, já tinham um profissional de RI, que teve o desafio de estruturar os fluxos, para que todos na empresa tivessem a mesma informação, sem ruído, antes de ir a mercado.

Em 2013, a empresa abriu capital na bolsa, e captou R$ 57 milhões, recurso utilizado em estratégia de aquisições. “A atividade de RI em uma pequena empresa é desafiadora, mas vale a pena”, diz Rocha. 

 



Possibilidade pode ajudar a ampliar a oferta de vagas no mercado de trabalho

comentários

Sebrae solicita que Secretaria da Fazenda de SP reveja decisão de acabar com fornecimento de programas gratuitos para emissão de nota fiscal eletrônica

comentários

Guilherme Afif Domingos (foto), presidente da entidade, diz que projeto para combater efeitos do desemprego será levado a outras regiões do país

comentários