São Paulo, 23 de Janeiro de 2017

/ Finanças

Três aplicações para evitar neste ano
Imprimir

Rentabilidade menor do que a inflação e taxas altas são características comuns de aplicações que se tornam micos na cesta de investimentos dos pequenos poupadores

O ciclo de aumento da taxa básica de juros Selic, que hoje está em 12,75% ao ano, elevou os ganhos da renda fixa e este é o momento de observar se há dinheiro parado em aplicações que estão dando prejuízo.

É preciso observar se o rendimento está baixo demais, a ponto de não repor a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) que, em fevereiro, foi de 1,22%.

Outra questão que faz da aplicação um mico são as taxas de administração e de carregamento, que reduzem ainda mais o retorno na hora da retirada. 

Especialistas em finanças pessoais elegem os três micos que podem estar na cesta de investimento dos pequenos aplicadores, e explicam porque sair deles o quanto antes. Eles também sugerem um destino melhor para que o dinheiro possa crescer neste ano de desafios. 

POUPANÇA

A caderneta rendeu apenas 0,59% em fevereiro, bem menos do que a inflação do mês passado, que foi de 1,22%. 
“Vivemos no país da renda fixa e nada leva a crer que isso mude. Dos 50 principais países do mundo, o Brasil tem a maior taxa de juros. Então é preciso aproveitar isso. O retorno da caderneta não está garantindo o poder de compra”, diz Samy Dana, professor de finanças da EAESP-FGV (Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas).

Por comodismo, muitos investidores deixam o dinheiro na caderneta. Afinal, é uma aplicação popular, simples, isenta de Imposto de Renda (IR) e que permite o resgate a qualquer momento. 

Essa simplicidade faz da caderneta a melhor aplicação para iniciar o hábito de poupar e acumular até conseguir uma boa taxa para investir em outros instrumentos mais rentáveis.

Mauro Calil, especialista em investimentos do banco Ourinvest, diz que uma alternativa para quem tem a partir de R$ 1 mil na poupança é pesquisar os fundos referenciados DI (Depósito Interbancário) com possibilidade de resgate diário e taxa de administração de no máximo 1%. 

“Uma aplicação nessas condições é melhor do que a poupança. A rentabilidade dos fundos, mesmo com taxas e impostos será de 0,65% a 0,70% ao mês”, sugere Calil. 

TÍTULOS DE CAPITALIZAÇÃO 

“Esse é um mico permanente, independentemente do cenário para a taxa de juros, porque não é investimento e sim sorteio”, diz Calil. A aplicação do dinheiro em títulos de capitalização em casos poucos não corrige nem a inflação do período, segundo o especialista. 

O atrativo dos títulos é a possibilidade de ganhar muito dinheiro em um sorteio. Só que, segundo Calil, o banco acaba aplicando o recurso e ganhando juros em cima disso. “O fato é que acaba sendo uma forma de captar, receber juros e repassar pouco ou quase nada para quem comprou o título de capitalização”, diz. 

No lugar da ilusão de ganhar muito em um sorteio, o pequeno aplicador que colocou recursos nesses títulos deve avaliar investir em outras aplicações. 

Jansen Costa, planejador financeiro certificado com o CFP (Certified Financial Planner), diz que é possível aplicar mesmo com pouco dinheiro, ou a partir de R$ 30, em títulos do Tesouro Nacional.  

No entanto, dificilmente os bancos indicam esse caminho, pois têm interesse em vender produtos próprios. Para aplicar nos títulos públicos, o pequeno aplicador deve abrir conta em uma corretora – há casas que não cobram taxas – para comprar os títulos. No entanto, há incidência de Imposto de Renda sobre o rendimento no resgate. 

Nesse momento, deve escolher entre títulos pós-fixados (pagam a variação da Selic no vencimento e resgate) e prefixados (com rentabilidade definida no ato da compra). 

“Neste momento indico títulos pós-fixados, que correm menos risco de perder o valor caso a pessoa precise resgatar o dinheiro antes do vencimento. Outra dica importante na hora de investir é verificar se há a possibilidade de resgatar o dinheiro em caso de emergência”, diz. 

PREVIDÊNCIA E SEGUROS

Quando se fala em previdência e seguros de vida, é importante lembrar que o objetivo principal de ambos é a proteção contra a falta de dinheiro na terceira idade e da família diante de imprevistos que podem acontecer ao titular do plano. 

Mas na hora de conversar com o gerente do banco, invariavelmente ele oferece produtos de proteção como aplicação financeira, como um porto seguro para deixar o dinheiro.

E aí ocorre uma distorção que prende o pequeno aplicador: se ficar arrependido não pode sacar todo o montante por causa dos impostos no resgate, e acaba tendo um rendimento baixo, pois paga taxa de administração e de carregamento. 

“Quem procura uma aplicação para deixar por um ano não deve colocar em plano ou fundo de previdência. É uma estratégia errada porque a tributação é alta”, diz Calil.

Só se aplica em plano de previdência se o objetivo for mesmo ter uma renda na aposentadoria ou mesmo a intenção de sacar depois de 10 anos ou mais, quando a tributação pode ser de 10%. “Fora este caso não vale a pena porque o rendimento tem sido baixo, de 0,8% ao mês dependendo do tipo de plano, que pode ser mais atrelado à renda fixa ou à bolsa”, diz.

Os especialistas avaliam que as pessoas acabam aceitando a previdência como uma aplicação financeira porque não olham para todos os detalhes – apenas para a possibilidade de abater 12% no Imposto de Renda (IR), que é uma vantagem do PGBL (Plano Gerador de Vida Livre). “É uma ilusão porque na hora do resgate, o imposto incidirá sobre toda a soma guardada na previdência e não só sobre os rendimentos”, afirma.

O especialista explica que se a pessoa tem um valor superior a R$ 5 mil e pode esperar para resgatar em um ano há opções mais interessantes para aplicar o dinheiro sem pagar IR e nem as taxas de administração e carregamento. 

É o caso das LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) e LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio), que rendem um percentual do CDI (Certificado de Depósito Interbancário, taxa praticada entre bancos) e são asseguradas pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). 
No entanto, ele dá um alerta para quem vai pesquisar: “Como os juros estão altos, evite entrar em aplicação de renda fixa com retorno menor que 0,9% ao mês”, diz. 



Em 2016, a aplicação teve a preferência de 76% dos brasileiros que têm algum dinheiro guardado, mas o percentual já foi de 88% em 2012, ano que registrou os menores juros da história

comentários

O ministro da Fazenda representará o Brasil no Fórum Econômico Mundial, que acontece na Suíça

comentários

Johnny Wei, diretor de operações da LTM, diz que programas permitem incrementar as vendas sem onerar as finanças da empresa

comentários