São Paulo, 08 de Dezembro de 2016

/ Finanças

Preço do imóvel residencial cai em nove cidades
Imprimir

Índice FipeZap mostra desaceleração no preço médio de imóveis residenciais em relação à inflação pelo segundo mês consecutivo

O ano começou com desaceleração nos preços dos imóveis, que estão subindo abaixo da inflação, segundo o índice FipeZap, que acompanha os valores de residenciais anunciados em 20 cidades. Em nove delas, porém, houve queda nominal de preços.

Em fevereiro, o valor médio do metro quadrado de 20 cidades subiu 0,17%, abaixo da inflação esperada para o mês de 1,07%. Esta projeção para a inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) é de analistas que participam do relatório de mercado Focus, do Banco Central (BC). 

O IPCA de fevereiro será divulgado nesta sexta-feira (06/03) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Fevereiro foi o segundo mês consecutivo no qual o índice apresenta queda real. Nos dois primeiros meses deste ano, o FipeZap subiu 0,55% frente a uma inflação de 2,32% no mesmo período. Com isso, ao descontar a inflação, a queda no preço foi de 1,73%. 

Em um período de 12 meses até fevereiro, o preço médio do metro quadrado anunciado subiu 5,87%, percentual também inferior ao IPCA acumulado até janeiro, que foi de 7,14%. 

SAIBA MAIS: Você está preparado para comprar um imóvel?

Raone Costa, economista da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) diz que, no mês passado, a variação nos preços de imóveis residenciais foi a menor da série histórica do índice. “Para se ter uma ideia do ritmo de desaceleração do indicador, este recorde tinha sido atingido em janeiro”, afirma. 

Os preços médios de imóveis nas grandes capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte ajudaram a manter o índice FipeZap positivo nominalmente em fevereiro. 

Em São Paulo, o aumento foi de 0,55% e a cidade tem o segundo maior valor médio de metro quadrado da pesquisa, de R$ 8.493. O maior preço médio é o do Rio de Janeiro, com o valor de R$ 10.650 por metro quadrado. Nesta cidade, a elevação no preço em fevereiro foi de 0,31%. 

LEIA MAIS: Porque este pode ser um bom ano para comprar imóvel

QUEDA NOMINAL
Costa diz que em 45% das cidades pesquisadas - nove de um total de 20 - o preço caiu nominalmente em fevereiro. Neste caso, se fosse considerada a inflação do período, a redução no valor do metro quadrado seria ainda maior. 

Foi o caso de Florianópolis, onde os preços caíram 1,27%, seguido por Niterói (-0,82%), Brasília (-0,52%), Curitiba (-0,49%), Porto Alegre (-0,33%), Salvador (-0,26%), Fortaleza (-0,26%), Recife (-0,04%) e Goiânia (-0,06%). 

No acumulado de 2015, os preços caíram nominalmente em Brasília, Porto Alegre, Curitiba, Florianópolis e Niterói. “Nos dois primeiros meses de 2014 o índice FipeZap subiu 1,3% e houve redução de preço apenas em Brasília”, afirma. 

“A série de preços de imóveis subiu muito antes de chegar a esse patamar de acomodação. É normal que agora fique abaixo da inflação. O que também pesa é a condição pior para a renda e o crédito e o cenário para a economia neste ano”, diz Costa. 

O economista diz não acreditar em queda nominal do índice FipeZap. “Mas isso vai depender do que vai acontecer na economia e se vamos de fato entrar em recessão neste ano”, diz. 



Aumento de até 20% nos custos encarece o menu. Cerca de 60 mil estabelecimentos devem fechar até 2017, de acordo com previsão da Food Consulting

comentários

O IPP mede a evolução dos preços de produtos sem impostos e fretes, da indústria extrativa e de 23 setores da indústria de transformação

comentários

O bairro paulistano de Moema é o que reúne a maior quantidade, seguido por Campo Belo, Morumbi, Perdizes e Higienópolis

comentários