São Paulo, 08 de Dezembro de 2016

/ Finanças

Os custos de empréstimos são os maiores desde março de 2011
Imprimir

Os juros do crédito subiram nas linhas de financiamento voltadas a pessoas físicas e empresas e refletem o aumento da taxa Selic

O ritmo de alta da taxa básica de juros Selic já chegou ao crédito. A taxa de juros média dos financiamentos para o consumidor foi a maior em quatro anos, segundo levantamento do Banco Central (BC).

As empresas, por sua vez, também tiveram aumento de custos e menos liberações de crédito para o capital de giro pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Segundo o BC, a taxa média de juros nas linhas de crédito com recursos livres (captados por bancos) subiu de 39,1% ao ano em janeiro para 40,6% ao ano em fevereiro. Isso corresponde, ao mês, a uma elevação da taxa média de 2,79% para 2,88%.

O patamar de fevereiro é o maior da série histórica iniciada em março de 2011. 

Quando o BC separa as estatísticas por perfil de tomador e de linha de crédito, o custo do crédito ficou mais pesado para o consumidor. 

A taxa média do crédito para a pessoa física passou de 52% em janeiro para 54,3% em fevereiro, também recorde na série iniciada em março de 2011. A elevação foi de 2,3 pontos percentuais (p.p.).

Já para as empresas, os juros subiram menos, ou 0,90 p.p., e passaram de 25,2% ao ano para 26,1% ao ano no mesmo período. 

André Perfeito, economista-chefe da Gradual Investimentos, diz que o aumento na taxa Selic está se traduzindo em juros mais elevados para a obtenção de crédito. 

"Possivelmente tem também uma postura mais cautelosa dos bancos, com elevação do spread [diferença entre o custo de captação e empréstimo] bancário médio, a fim de evitar eventuais perdas", diz. 

Para o economista, a quase estabilidade na taxa de inadimplência no crédito livre no segundo mês do ano, que foi de 4,4%, em relação aos 4,5% de janeiro é uma boa notícia e reflete que os tomadores de crédito, especialmente os consumidores, estão mais cautelosos em se endividar, com receio de perda de emprego, dada a perspectiva de recessão econômica este ano.

No mês passado, a inadimplência das empresas permaneceu estável em 3,5% e a dos consumidores, em 5,4%. Os dados não mostram alterações no índice de calotes nas linhas de crédito com recursos livres e direcionados (subsidiados pelo governo).

Perfeito diz que se a taxa de desemprego avançar de forma mais significativa, o índice de inadimplência pode começar a subir. 

"O consumidor está mais cauteloso do que inicialmente se pensava. Isso não quer dizer que não poderá ter elevação da inadimplência. Talvez isso fique mais claro no segundo semestre, quando o desemprego pode subir mais", afirma.

Por outro lado, o endividamento das famílias brasileiras começou 2015 em alta. Segundo o BC, essa relação passou de 46,21% em dezembro para 46,35% em janeiro, a taxa mais elevada desde outubro de 2014. A instituição começou a fazer o levantamento em janeiro de 2005.

O cálculo do endividamento leva em consideração o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. A instituição utiliza os dados da PNAD (Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar) e da PME (Pesquisa Mensal de Emprego), ambas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Além disso, também leva em consideração informações relativas aos cartões de crédito.

CHEQUE ESPECIAL E ROTATIVO

Uma linha de alto custo que também teve a taxa ajustada para cima foi a do rotativo (pagamento mínimo) do cartão de crédito. Os juros médios dessa modalidade subiram de 334,6% ao ano em janeiro para 342,2% ao ano em fevereiro. 

Na prática, isso significa cobrar juro de 0,4138% ao dia. Se um consumidor estivesse devendo R$ 1 mil no começo do mês, ao final já deveria R$ 1.127.

No caso do crédito parcelado do cartão de crédito, o juro subiu de 106,3% ao ano para 112,6% ao ano de janeiro para fevereiro. 

Outro destaque foi o cheque especial para o consumidor, cuja taxa subiu de 209% ao ano em janeiro para 214,2% ao ano em fevereiro. Assim, o juro mensal passou de 9,86% para 10%.  

O custo do crédito pessoal passou de 46,6% ao ano em janeiro para 47% ao ano em fevereiro. Ao mês, a taxa média passou a ser de 3,26% em fevereiro ante 3,24% em janeiro. 

Até no crédito consignado, o qual o banco tem garantia em caso de inadimplência, houve elevação. A taxa passou de 26,4% ao ano para 26,8% ao ano, de janeiro para fevereiro. Assim, os juros médios mensais passaram de 1,97% para 1,99%. 

O consumidor que busca crédito para a compra de automóvel também está pagando mais. A taxa anual passou de 23,8% para 24,8% de um mês para outro. 

Mesmo na taxa média de juros do crédito total, ou seja, incluindo os recursos direcionados, houve elevação na taxa de juros média, que passou de 24,9% em janeiro para 25,6% em fevereiro.

REDUÇÃO DE CAPITAL DE GIRO NO BNDES 

Os financiamentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para empresas cresceram 0,8% de janeiro para fevereiro deste ano, somando um total de R$ 599,302 bilhões. No primeiro bimestre, a expansão foi de 0,7% e, em 12 meses, de 14,2%.

Tulio Maciel, chefe do Departamento Econômico do BC, ressaltou que a carteira do BNDES praticamente determina a evolução do mercado de crédito direcionado para as empresas, que atingiu R$ 815,063 bilhões no mês passado. 

Em fevereiro sobre janeiro, houve queda de 5,2% nas linhas de capital de giro, mas alta de 1% no financiamento ao investimento e de 1,8% nas modalidades para o setor rural por parte do banco de desenvolvimento.

"A queda de capital de giro está associada ao menor ritmo de expansão da economia", disse Maciel, ressaltando que esse segmento é a modalidade que representa quase 50% do crédito das empresas. Para pessoas físicas, o crédito do BNDES avançou 1,7% no mês passado.

O BC projeta uma expansão menor do crédito total neste ano, de 11% e não mais de 12% como previa em dezembro. A estimativa para 2015 se aproxima dos resultados do ano passado, quando o crédito cresceu 11,3%.

"A evolução das carteiras até agora e as percepções sobre a atividade econômica e o próprio mercado de crédito justificam a baixa", diz Maciel.

De acordo com o BC, a expansão do crédito dos bancos privados nacionais em 2015 deve ser menor do que o imaginado inicialmente. A projeção é que o segmento terá alta de 7% no crédito este ano, ante estimativa anterior de 9%. Em 2014, o crédito dos bancos privados nacionais cresceu 6,4%. 

O BC manteve a projeção de crescimento de 14% para o crédito dos bancos públicos em 2015, e também de 7% para os bancos privados estrangeiros. 

Para Everton Gonçalves, assessor econômico da ABBC (Associação Brasileira de Bancos), a modalidade de crédito que deverá continuar 'apanhando' mais no mercado é a destinada a compras de veículos.

De acordo com o BC, o crédito para compra de veículos caiu 1% em fevereiro e já acumula no bimestre queda de 1,2% ao passo que o crédito para habitação pessoa física cresceu 1,2%, serviços 0,2%, indústria 0,8% e agropecuária 0,9%.

* Atualizado em 19:50



Redução maior foi discutida na reunião do Copom, mas ainda depende da queda na resistência de alguns componentes do índice de preços, segundo Ilan Goldfajn, presidente do BC

comentários

As estimativas para o Produto Interno Bruto (PIB) passaram de retração de 3,49% para queda de 3,43%. Esta estimativa interrompe uma sequência de oito semanas consecutivas de projeções negativas no Relatório Focus

comentários

Para o economista José Roberto Mendonça de Barros, num ambiente de recessão econômica, o ideal seria colocar os juros "abaixo da taxa neutra"

comentários