São Paulo, 26 de Junho de 2017

/ Finanças

O brasileiro está acertando as contas
Imprimir

Levantamento da Boa Vista SCPC mostra que em abril um grupo grande de consumidores deixou os registros de inadimplência

O indicador de recuperação de crédito do consumidor - obtido a partir da quantidade de exclusões dos registros de inadimplentes - subiu 6,4% em abril na comparação com março. A informação é da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). 

Na comparação com abril do ano passado, houve alta de 2,8%. No acumulado dos quatro primeiros meses do ano houve queda de 1,9% tendo como parâmetro igual período de 2014. Em 12 meses, a retração é de 3,8%.

"A queda registrada pelo indicador de recuperação de crédito do consumidor (no acumulado em 12 meses) reflete, além da menor intensidade das transações no mercado creditício, uma maior deterioração do cenário macroeconômico, especialmente do mercado de trabalho", dizem os economistas da Boa Vista em relatório.

Segundo eles, apesar do mercado de crédito ainda permanecer com um bom desempenho, pode ocorrer uma ligeira deterioração nos próximos meses, o que deverá trazer novo resultado negativo na recuperação de crédito. A expectativa é que o indicador termine o ano com queda de 2,0% na comparação com 2014.

VAREJO

Considerando apenas o setor de varejo, o indicador de recuperação do crédito do consumidor caiu 3,6% em abril ante março e recuou 17,8% na comparação com abril do ano passado. Na divisão geográfica, o índice geral subiu em todas as regiões em abril, na margem (Sul +8,7%, Sudeste +7,0%, Centro-Oeste +5,0%, Norte +4,6% e Nordeste +4,3%).

O indicador de recuperação de crédito é elaborado a partir da quantidade de exclusões dos registros de dívidas vencidas e não pagas informados anteriormente à Boa Vista pelas empresas credoras. 



Entre elas, aumento na inadimplência das contribuições previdenciárias, sonegação de 70% existente na arrecadação do regime rural e índice de sucesso de apenas 1% na recuperação da dívida previdenciária

comentários

9% das mensalidades atrasaram mais de 90 dias em 2016, o maior percentual desde 2010. O desemprego é um dos responsáveis pela alta

comentários

Faturamento das lojas para o período atingiu R$ 44 bilhões, de acordo com a Boa Vista SCPC

comentários