São Paulo, 28 de Setembro de 2016

/ Finanças

Mutirão da Boa Vista para renegociar dívidas vai até 15 de dezembro
Imprimir

A ação é gratuita e tem a participação de empresas dos setores bancário, financeiro e varejista

Desde quarta-feira, 19, até 15 de dezembro a Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito) realiza um mutirão online da campanha "Acertando suas Contas", para renegociação de dívidas pela internet. O serviço é gratuito e funcionará durante 24 horas, todos os dias, por meio do portal www.acertandosuascontas.com.br. De acordo com a empresa, mais de dois milhões de propostas para pagamento de dívidas estão disponíveis durante a campanha.

Estão participando do mutirão online empresas dos setores bancário, financeiro e varejista, entre elas Ativos S/A, Banco BMG, Banco Cifra, Banco Santander, Casas Bahia, CREDZ, Omni, PAN, Recovery, Riachuelo e Via Varejo. Outras empresas, contudo, poderão aderir à campanha durante sua realização. A Boa Vista SCPC afirma que, dependendo da política interna da companhia e da situação da dívida, cada empresa poderá oferecer descontos sobre os juros e ainda a possibilidade de parcelamento do saldo devedor.

Já a ação presencial da "Acertando suas Contas" será possível entre os dias 2 e 6 de dezembro. Na capital paulista, ela acontece no estacionamento do shopping Metrô Itaquera. Além de São Paulo, a campanha acontece em seis cidades, sendo cinco delas no interior do Estado (Campinas, Rio Claro, São José do Rio Preto, São José dos Campos e Registro) e em Campo Grande (MS). Nestas localidades, a Boa Vista SCPC conta com a parceria das associações comerciais, empresariais e industriais locais.



Em agosto, a alta foi de 1,5% em relação a julho. Esse foi o primeiro resultado positivo em 16 meses

comentários

No acumulado do ano, porém, o total chegou a 2,31% - o maior nível da série histórica iniciada em 2006, afirma a Boa Vista SCPC

comentários

Se não fossem as operações de reestruturação de dívidas, a inadimplência teria encerrado o semestre em 4,4%, informa Banco Central

comentários