São Paulo, 27 de Setembro de 2016

/ Finanças

Inflação reduz o retorno da maioria das aplicações
Imprimir

Aplicações financeiras e ritmo de preço dos imóveis não acompanharam a alta dos preços em janeiro. No acumulado de 12 meses, só ouro, CDI e dólar ofereceram ganho real (acima da inflação) ao investidor

Além de reduzir consideravelmente o poder de compra, a inflação está devorando a rentabilidade de quem poupa e investe. 
Em janeiro, a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 1,24%, mais do que o rendimento da maioria das aplicações financeiras e do que o ritmo de aumento dos preços dos imóveis.

 Apenas quem investiu em ouro (no próprio metal físico ou em contratos negociados em bolsa) obteve retorno real (descontada a inflação). No mês passado, o ouro valorizou 7,50% e, assim, ao descontar a inflação, proporcionou um ganho real de 6,18%. 

LEIA MAIS: Veja como calcular o retorno real de suas aplicações

Segundo levantamento da consultoria Economatica, as demais aplicações financeiras perderam do índice de alta dos preços. 
O CDI (Certificado de Depósito Interbancário, taxa praticada entre bancos), por exemplo, teve retorno nominal de 0,93% no mês passado. 

Se excluirmos a inflação de 1,24%, o CDI teve uma queda real de 0,31% em janeiro. A taxa é referência para o rendimento da maioria das aplicações de renda fixa.  

A caderneta de poupança rendeu nominalmente 0,59% em janeiro. Mas ao descontar a inflação, a aplicação mais popular do Brasil teve uma perda real de 0,64%. 

Esse foi o maior prejuízo da caderneta desde janeiro de 2003, quando a queda real de rentabilidade foi de 1,23%, segundo estudo da Economatica. 

Os maiores prejuízos, em termos reais, ocorreram em aplicações atreladas a moedas e na renda variável. No mês passado, a perda real do euro foi de 7,88%. Para quem estava posicionado em dólar, houve um prejuízo real menor, de 1%. 

Ao considerar o peso da inflação, a perda real de quem aplicou no Ibovespa (índice das ações mais negociadas e de maior valor de mercado na bolsa de valores) foi de 7,35%. 

EM 12 MESES, GANHO REAL PARA OURO, CDI E DÓLAR 

Apesar de apenas o ouro ter oferecido rentabilidade real no mês passado, no período de 12 meses acumulados até janeiro o CDI e o dólar conseguiram gerar retorno acima da inflação, ainda que pequeno. 

Segundo levantamento da Economatica, nesse intervalo de tempo o ouro ofereceu a melhor rentabilidade nominal, de 12,85%. O ganho real, ou seja, descontado a inflação, foi de 5,33%. 

Depois do metal - que é muito procurado por investidores conservadores em tempos de incerteza na economia - o CDI ofereceu o segundo melhor retorno real, de 3,52%. Sem considerar a inflação, a taxa rendeu 10,91%. 

Quem tem aplicações atreladas ao dólar também teve retorno real de 2,42%, ante uma rentabilidade nominal de 9,73%. 

A poupança, neste período, empatou com a inflação, rendendo 7,14% em 12 meses e, desta forma, proporcionando nenhum ganho real. Os piores retornos em termos reais nesse período foram o do Ibovespa, com queda de 8,09%, e do euro, que gerou prejuízo de 14,16%. 

IMÓVEL: SEM PRESSA PARA COMPRAR

Quem gosta de investir na venda de imóveis também viu a rentabilidade encolher. Em janeiro, o aumento médio no metro quadrado de imóveis anunciados foi de 0,39%, segundo o índice FipeZap Ampliado, que abrange os preços anunciados em 20 cidades brasileiras. 

Em termos reais, ou descontando a inflação medida pelo IPCA de 1,24, o preço do imóvel teve uma queda de 0,84% no mês passado. No acumulado de 12 meses até janeiro, a alta nos preços dos imóveis foi de 6,29%, o que representa uma redução real de 0,79% no período. 

Isso porque a inflação acumulada em 12 meses até janeiro foi de 7,14%, bem acima do teto da meta estipulada pelo governo de 6,50% para o período de um ano.

Eduardo Zylberstajn, coordenador do FipeZap, diz que o comportamento dos preços dos imóveis neste começo de ano não é surpresa. “O cenário no mercado imobiliário não deve mudar no curto prazo porque não há espaço para aumentos. O ambiente é de incerteza na economia e a retomada da atividade deve demorar”, afirma.

Zylberstajn diz que a inflação alta piora a condição de quem quer comprar imóvel, pois diminui o poder de compra e afeta a confiança. “Há uma percepção de deterioração do mercado de trabalho e isso traz cautela ao consumidor, pois a decisão de comprar imóvel é relevante do ponto de vista financeiro”, diz. 

Para o coordenador, está difícil formular uma projeção para o comportamento dos preços de imóveis, mas ele diz não ver fôlego para a retomada de aumento dos preços. 

“Acredito que é possível que o preço tenha mais quedas reais e até mesmo nominais. Mas não será uma redução aguda, de 20% ou 30%. O fato é que os preços devem seguir comportados e quem quer comprar para morar não precisa ter pressa”, afirma. 

LEIA MAIS: Com juro maior, financiamento de imóvel exige mais comparação

 



Índices de preços registraram inflação acima das expectativas no último trimestre, em intensidade inferior ao padrão sazonal, enfatiza relatório do Banco Central

comentários

A expectativa para os próximos 12 meses repetiu o mesmo resultado de agosto, de acordo com sondagem da FGV

comentários

É o que prevê a FGV para setembro ao revisar para baixo o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) da Fundação Getulio Vargas (FGV)

comentários