São Paulo, 01 de Outubro de 2016

/ Finanças

Inflação do aluguel sobe 0,76% em janeiro
Imprimir

Alta foi influenciada pelo aumento de preços administrados e alimentos. Índices seguirão pressionados neste ano por causa de ajustes e crise hídrica

Adotado como indicador de reajuste de contratos de aluguel, o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 0,76% em janeiro, uma aceleração ante o mês de dezembro, quando a variação foi de 0,62%. No acumulado de 12 meses, a alta do IGP-M foi de 3,98%.

No ano passado, o IGP-M teve variação de 3,69%, bem abaixo da inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que terminou o período em 6,41%. 

O IGP-M também subiu menos do que os 6,76% do IPC (Índice de Preços ao Consumidor) da Fundação Getúlio Vargas (FGV). 
O fato é que o IGP-M não tem sido um bom índice para reajustar os contratos de aluguel. 

“Antigamente o IGP-M acelerava mais e subia tanto que os inquilinos não conseguiam arcar com o reajuste”, explica André Braz, economista da FGV/Ibre (Instituto Brasileiro de Economia).

Veja outros Indicadores Econômicos.

Segundo ele, os advogados têm o hábito de adicionar aos contratos mais de uma opção de índice de inflação para reajuste, o que minimiza essa distorção. 

Ao longo do tempo, o IGP-M foi bom para alguns locatários, pois subia mais do que o IPCA. Mas a última vez que isso aconteceu foi em dezembro de 2011, quando o IGP-M subiu 7,82% no ano ante a variação anual de 5,84% do IPCA.

“O IGP-M é um índice influenciado por preços internacionais de commodities agrícolas, cotados em dólar, e assim, não tem relação com o aluguel. O IPC da FGV reflete mais”, afirma Braz.  

PRESSÃO CONTINUA EM 2015

O aumento mensal do IGP-M em janeiro foi influenciado pela alta dos preços administrados e dependerá nos próximos meses do comportamento dos preços de alimentos, que geralmente sobem e descem de acordo com a estação, mas que este ano podem não cair por causa da seca. 

Boa parte do aumento do IGP-M foi influenciada pela alta do IPC/FGV, que subiu 1,35% no mês, a taxa mais alta desde fevereiro de 2003. Em dezembro, a variação desse índice foi de 0,76%. 

O IGP-M é formado a partir de uma média de três índices calculados pela FGV, dos quais o IPC tem participação de 30% no cálculo.

Os outros dois são o IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo, que tem participação de 60%) e o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção, com peso de 10%). No mês, o IPA desacelerou para 0,56%, ante os 0,63% de dezembro. O INCC subiu de 0,25% para 0,70%, de dezembro a janeiro, por causa do aumento de salários no setor de construção.

Em 12 meses, o IPC acumulou uma variação de 7,27%, com uma alta expressiva em janeiro. Isso ocorreu por causa da concentração de reajustes nos preços administrados, que foram atípicos, como os ocorridos nas tarifas de transporte público e de energia elétrica. 

“Apesar de ser um ajuste único esses aumentos vão influenciar a inflação do ano inteiro, pois são elevações que não têm volta”, afirma Braz, ao compará-los com os alimentos in natura, que sobem e descem de acordo com o desempenho das safras.

O economista diz que, em fevereiro, os índices de inflação poderão ser mais acomodados, com menor peso de reajustes pontuais que ocorreram em janeiro, como o de mensalidades escolares. 

No entanto, ainda haverá pressão de outro preço sazonal, o de alimentos in natura (hortaliças, legumes e frutas), que neste ano pode não voltar a baixar por causa da crise hídrica. 

PERSPECTIVAS
O economista não arrisca um número para o fechamento do IGP-M em 2015. No entanto, o relatório de mercado Focus, elaborado semanalmente pelo Banco Central a partir de projeções de analistas de instituições financeiras, mostra que a expectativa é de variação de 5,66% no IGP-M neste ano. 

O Comitê de Política Monetária (Copom), em ata publicada hoje, diz que avalia que os efeitos do comportamento dos preços no atacado sobre a inflação ao consumidor dependerão das condições atuais e prospectivas da demanda e das expectativas dos formadores de preços em relação à trajetória da inflação. 

O próprio Copom reconheceu no documento que a inflação medida pelo IPCA só vai convergir para a meta de 4,5% ao ano em 2016. Na ata, o comitê também diz que os esforços para controlar a inflação ainda não se mostram suficientes.

"Infelizmente, a frase sugere a intenção de fazer mais de um ajuste na taxa Selic, enquanto o mercado esperava apenas um aumento de 0,25 ponto percentual na próxima reunião", afirma Emílio Alfieri, economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Braz, da FGV/Ibre, diz que a inflação de 2015 provavelmente fechará acima do teto da meta de 6,5% ao ano, o que impedirá o governo de baixar os juros no curto prazo. Ele avalia que os ajustes em curso estão na direção certa para combater a inflação. O economista espera que a inflação medida pelo IPCA fique em torno de 5,4% em 2016.

“É muito difícil tomar uma medida que, ao mesmo tempo, diminua a inflação e acelere o crescimento da economia. Na maioria das vezes há efeitos negativos e, às vezes, é preciso dar um passo atrás para dar dois para frente”, diz. 

Para ele, um efeito negativo dos ajustes pode ser uma elevação na taxa de desemprego, o que pode desacelerar a inflação de serviços, que encerrou o ano com alta de 8%. “O aumento nos preços de serviços foi consequência de bons índices de emprego. A pessoa com emprego demanda serviços que não pode arcar quando está fora do mercado de trabalho. Por isso, se aumentar o desemprego pode haver uma desaceleração nos preços de serviços. Só não está claro se será neste ano ou no próximo”, afirma. 



Índices de preços registraram inflação acima das expectativas no último trimestre, em intensidade inferior ao padrão sazonal, enfatiza relatório do Banco Central

comentários

A expectativa para os próximos 12 meses repetiu o mesmo resultado de agosto, de acordo com sondagem da FGV

comentários

É o que prevê a FGV para setembro ao revisar para baixo o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) da Fundação Getulio Vargas (FGV)

comentários