São Paulo, 07 de Dezembro de 2016

/ Finanças

Inadimplência das empresas cresce 7,9% no primeiro trimestre
Imprimir

É o que revela indicador da Boa Vista SCPC. Na passagem de fevereiro para março, a demanda por crédito das pequenas e médias empresas cresceu 7,4%, de acordo com a Serasa

A inadimplência das empresas aumentou 7,9% em todo o país no primeiro trimestre de 2015, em comparação ao mesmo período de 2014, de acordo com dados da Boa Vista SCPC.

Na comparação com o trimestre imediatamente anterior, o avanço foi de 3,1%, expurgados os efeitos sazonais. E no acumulado dos últimos quatro trimestres a elevação é de 5,7%, o ritmo mais forte desde o quarto trimestre de 2012 (7,5%).

 "Após dois anos de relativa estabilidade, a inadimplência das empresas enfrenta um novo período de aceleração, principalmente pelo cenário de forte incerteza econômica com retração industrial, perspectiva de estabilidade do comércio, forte desaceleração do crédito, níveis altos de inflação, entre outros fatores", dizem os analistas da Boa Vista em nota.

A expectativa da empresa é de que, ao longo de 2015, o fluxo de empresas inadimplentes continue com tendência de alta e encerre o ano acima do patamar observado em 2014.

 O indicador de inadimplência das empresas da Boa Vista mede a variação de ocorrências de registro de inadimplência para CNPJ no trimestre, considerando apontamentos de cheques devolvidos (2ª devolução), títulos protestados e registros de débitos vencidos e não pagos.

CRÉDITO

A demanda das empresas por crédito subiu 6,7% em março ante fevereiro, na série sem ajuste sazonal, informou a Serasa Experian, nesta quarta-feira, 22. Na comparação com março de 2014, houve alta de 18,1% no Indicador de Demanda das Empresas por Crédito, enquanto, no primeiro trimestre, a expansão ficou em 9,7% sobre os três primeiros meses do ano passado. O movimento de alta se deve exclusivamente à maior procura das Micro e Pequenas Empresas (MPEs), único segmento que registrou expansão no mês passado.

 Na passagem de fevereiro para março, a demanda por crédito das MPEs cresceu 7,4%. Na comparação interanual, o crescimento foi de 20,5%. No acumulado dos três primeiros meses do ano, o avanço ficou em 11,2%. Entre as empresas de médio porte, foram registrados recuos de 4,8%, 14,3% e 12,0% nas mesmas bases comparativas. Nas grandes empresas as retrações foram de 6,1%, 9 7% e 4,8%, respectivamente.

 O fato de o carnaval neste ano ter sido em fevereiro, enquanto em 2014 caiu em março, também explica o aumento da demanda por crédito no período, explicam os economistas da Serasa Experian. "Assim, foram 22 dias úteis em março de 2015 contra 18 em fevereiro de 2015 e 19 em março de 2014". De acordo com cálculos da instituição, o ajuste por dias úteis levaria a um recuo de 12 7% na demanda das empresas por crédito na comparação mensal e a uma elevação de 2,0% na relação interanual.

 Segundo a Serasa, analisando o primeiro trimestre, que não teve diferença de dias úteis como o mês de março, o crescimento da demanda por crédito "pode significar que, diante da maior seletividade e rigor creditício junto às instituições financeiras, dado o atual quadro econômico mais adverso, as micro e pequenas empresas estariam buscando outras fontes alternativas de financiamento, como o crédito mercantil, por exemplo".



O horário para pedir resgate das aplicações também será ampliado. Mudanças começam no próximo sábado (03/12)

comentários

De acordo com a CNC, 57,3% das famílias possuíam algum tipo de dívida no mês. O resultado é o menor desde julho de 2012

comentários

Avaliação é do economista Eduardo Giannetti da Fonseca (foto), que prevê crescimento de 1,5% a 2% da economia brasileira em 2017

comentários