São Paulo, 05 de Dezembro de 2016

/ Finanças

Em dois meses de 2015, títulos protestados crescem 14,9%
Imprimir

O maior volume de calotes se deu entre as empresas, na comparação com igual bimestre do ano passado, segundo apurou a Boa Vista SCPC

O volume de títulos protestados nos primeiros dois meses do ano cresceu 14,9% em relação ao mesmo período de 2014, segundo a Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

Tanto os protestos de títulos de pessoas jurídicas quanto os de pessoas físicas cresceram. Entretanto, foram as empresas as responsáveis pelo maior crescimento (+24,5%) no número de calotes. No caso das pessoas físicas, o aumento foi de 9,5%.

Na comparação de fevereiro de 2015 com o mesmo mês de 2014, os títulos protestados das empresas aumentaram 8,5% e 25,3% os de consumidores, totalizando uma alta de 14,8%.

O valor médio dos títulos protestados para o mês de fevereiro de 2015 foi de R$ 3.658. Para as pessoas físicas o valor correspondeu a R$ 1.800 e R$ 4.934 para as pessoas jurídicas.

Em fevereiro de 2015, os títulos protestados de empresas representaram aproximadamente 60% do total dos protestos no país. A região Sudeste contribuiu com a maior parcela dos títulos protestados (53,8%), seguida das regiões Sul (22,1%), Nordeste (10,7%), Centro-oeste (8,5%) e Norte (5,0%).

O Sudeste também foi a região que registrou o maior valor médio (R$ 6.242) dos títulos protestados em fevereiro. A média nacional para pessoa jurídica foi de R$ 4.934.

O indicador de títulos protestados mostra a evolução da quantidade de registros de débitos decorrentes de protestos de títulos, informados por cartórios de protestos no referido mês.



O horário para pedir resgate das aplicações também será ampliado. Mudanças começam no próximo sábado (03/12)

comentários

Para quem pode, este é um bom momento para investir, segundo Marcos L. de Callis (foto), do Banco Votorantim, que ao lado de outros especialistas participaram do FE4 Fórum Empreendedor na Associação Comercial de São Paulo

comentários

Valor é 3,1% maior do que o registrado em agosto, de acordo com o Tesouro Nacional

comentários