São Paulo, 08 de Dezembro de 2016

/ Finanças

BC quer redução de prazo para liquidação de cartão pré-pago com varejo
Imprimir

Não é justificável que modelos pré-pagos tenham prazo de liquidação para o recebedor final maior que aquele necessário para processar a transação, diz relatório do Banco Central

O Banco Central cobrou do mercado de cartões a diminuição de prazo de liquidação para os modelos pré-pagos para os prestadores de serviço e comércio. Para o regulador, é necessária a revisão desse período de liquidação de modelos de moeda eletrônica, segundo o Relatório de Vigilância do Sistema de Pagamentos Brasileiro, que contém as estatísticas de varejo e de cartões de 2014.

"Não é justificável, do ponto de vista da eficiência econômica, que modelos pré-pagos tenham prazo de liquidação para o recebedor final maior que aquele necessário para processar a transação", trouxe o documento, divulgado nesta quinta-feira, 11, pelo BC. O tema é polêmico entre os agentes do mercado e, segundo o próprio BC, é mais um fator que deve continuar a ser debatido entre a instituição e o setor.

No relatório, o BC lembra que a emissão de moeda eletrônica consiste na conversão de moeda física ou escritural em moeda eletrônica no "exato momento" em que a moeda é emitida e na proporção de um para um. Dessa forma, de acordo com o regulador, a quantidade de moeda eletrônica emitida deve corresponder à totalidade do valor recebido, e a emissão deve ocorrer no exato momento em que esses recursos forem recebidos pelo emissor e aportados na conta do usuário final recebedor, ficando disponíveis para sua utilização.

"Entretanto, sabe-se que muitos modelos pré-pagos funcionam disponibilizando recursos de forma prévia ao recebimento de recursos no qual são dados 'descontos' na emissão de moeda eletrônica - a chamada 'taxa negativa'", escreveram os técnicos do BC no documento. Para a entidade, além de violar o conceito de conversão, a prática confunde o que é o serviço prestado e qual é o preço cobrado por esse serviço, que deve ser desvinculado dessa conversão.



Redução maior foi discutida na reunião do Copom, mas ainda depende da queda na resistência de alguns componentes do índice de preços, segundo Ilan Goldfajn, presidente do BC

comentários

Para o economista José Roberto Mendonça de Barros, num ambiente de recessão econômica, o ideal seria colocar os juros "abaixo da taxa neutra"

comentários

De acordo com o Banco Central, a recuperação da atividade econômica da região dependerá da melhora das expectativas dos agentes econômicos e da reação dos mercados de trabalho e do crédito

comentários