São Paulo, 19 de Janeiro de 2017

/ Finanças

Alta da Selic amplia vantagem de renda fixa sobre poupança
Imprimir

Fundos de renda fixa com taxas de administração de até 2% ao ano passam a render mais do que a poupança seja qual for o prazo de resgate

A elevação em 0,5 ponto porcentual da taxa básica de juros (Selic), pelo Comitê de Política Monetária - para 13,25% ao ano -, ampliou a atratividade dos fundos de renda fixa em relação à poupança, tornando-os mais vantajosos do que a caderneta em quase todos os cenários.

De acordo com levantamento da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), fundos de renda fixa com taxas de administração de até 2% ao ano rendem mais do que a poupança seja qual for o prazo de resgate. À taxa de 2,5%, a renda fixa apenas se iguala ao rendimento da poupança no curtíssimo prazo, e volta a perder em aplicações acima de seis meses. Com a nova Selic, a caderneta só é vantajosa em relação a investimento de até um ano em fundos com taxa de administração igual ou superior a 3%.

"Essa alta da Selic vai trazer ainda mais vantagem para renda fixa sobre a poupança, que já vinha perdendo espaço e rentabilidade com a situação econômica", diz Miguel Ribeiro de Oliveira, diretor de Estudos Econômicos da Anefac. Com menos sobras no bolso por causa da inflação alta e com a atratividade de outras aplicações, no primeiro trimestre, as retiradas da caderneta foram superiores às entradas em R$ 23,2 bilhões.

A poupança rende 0,60% ao mês e 7,44% ao ano (6,17% mais a Taxa Referencial). Assim, um investimento de R$ 10 mil vai valer, ao fim de 12 meses, R$ 10.744. Segundo a simulação da Anefac, com a nova Selic, o mesmo valor aplicado em um fundo com taxa de administração de 2,5% pagaria mais ao investidor, totalizando R$ 10.770 em um ano. Sobre o investimento em poupança não há incidência do Imposto de Renda, diferentemente dos fundos.

A competitividade da renda fixa está atrelada à taxa de administração, que tem relação direta com o montante aplicado. "A poupança será vantajosa apenas para aplicações de balcão, de até R$ 5 mil em média, pelas quais os bancos cobram taxas de 3% ou mais", diz Oliveira.

CRONOGRAMA

Para o diretor da Anefac, essa não deve ser a última elevação da Selic. "Como estamos em um ambiente de inflação alta, e ela deve continuar pressionada no curto prazo, isso pode levar o Banco Central a continuar subindo o juros", observa. "Para acompanhar essa alta, o pequeno investidor pode apostar nos fundos DI; outra opção são os fundos atrelados a índices de preço para se proteger da inflação."

Para Michael Viriato, coordenador do Laboratório de Finanças do Insper, o investidor deve diversificar a carteira. "O mercado espera mais dois aumentos, mas em menor intensidade, e o fim do ciclo de alta é um bom momento para comprar os títulos prefixados, pois você trava a taxa de juros", observa. "Se o investidor precisa de dinheiro no curto prazo, pode ir para CDBs e fundos DI."



Em 2016, a aplicação teve a preferência de 76% dos brasileiros que têm algum dinheiro guardado, mas o percentual já foi de 88% em 2012, ano que registrou os menores juros da história

comentários

Johnny Wei, diretor de operações da LTM, diz que programas permitem incrementar as vendas sem onerar as finanças da empresa

comentários

Crise e desemprego levaram poupadores a fugir da aplicação, que teve a segunda maior retirada em 21 anos e ficou atrás apenas de 2015, segundo o Banco Central

comentários