São Paulo, 27 de Setembro de 2016

/ Finanças

A empresa está inadimplente? Então pare e planeje
Imprimir

Estas são as orientações para quem quer tirar as contas da empresa do vermelho. Mais um “p” que pode ajudar é a pesquisa para reduzir custos

A combinação de inflação resistente, juros altos e crédito restrito exerce uma pressão forte sobre o caixa das pequenas empresas.

E se, com tudo isso, elas estiverem vendendo menos e operando sem planejamento financeiro, facilmente caem na espiral da inadimplência – o atraso no pagamento de contas superior a 90 dias. 

O cenário para este ano não é favorável, principalmente com o consumo desaquecido e a possibilidade de aumento de impostos.

É hora de apertar o cinto e, neste momento, especialistas recomendam que o pequeno empresário pare e faça um planejamento financeiro para quitar os débitos. Quem está no azul deve fazer o mesmo com o objetivo de evitar esse tipo de dificuldade. 

Além disso, é preciso ter paciência para pesquisar as melhores alternativas de negociação de forma a evitar os juros altos, que transformam a dívida em uma bola de neve. Ou seja, quanto mais rola, maior fica.

A inadimplência das empresas no período acumulado de janeiro a novembro foi de 6,1% em 2014, bem superior ao percentual de 2,5% de dezembro registrado em 2013, ou mesmo ao de novembro do ano retrasado, de 1,9%, de acordo com dados da Serasa Experian. 

LEIA MAIS: Inadimplência das empresas cresce pelo quarto ano seguido

Luiz Rabi, economista da Serasa Experian, explica que 95% dos registros de dívidas em atraso que formam o indicador de inadimplência de pessoa jurídica são de micro e pequenas empresas. 

Segundo Rabi, quando o empresário entra em dificuldades para honrar os compromissos financeiros, primeiramente deixa de pagar prestadores de serviços ou fornecedores pouco estratégicos para a atividade dele. 

“Quando começa a dever para bancos e fornecedores essenciais ao negócio, geralmente a empresa está em uma situação bem complicada, porque fica sem crédito”, afirma. 

Apesar de ainda não ter o número da inadimplência das empresas em dezembro, o economista aponta que o resultado de 2014 não deve ser muito diferente do apurado até novembro.

“Tudo indica que a inadimplência das empresas deve encerrar o ano em patamar próximo a do consumidor, que em dezembro do ano passado ficou em 6,3%”, diz Rabi. 

E uma coisa está ligada à outra. Quando o consumidor começa a atrasar pagamentos, as pequenas empresas entram no jogo e deixam de receber. Consequentemente, passam a ter problemas para também honrar seus compromissos financeiros. 

Dados da Boa Vista Serviços SCPC mostram que a inadimplência do consumidor subiu 2,3% no ano passado e, neste ano, pode chegar a 3%. 

No ano passado, o percentual de consumidores que renegociaram e pagaram dívidas, e desta forma saíram do registro de inadimplentes, caiu 3% em relação a 2013, o pior resultado da série histórica anual da Boa Vista Serviços SCPC, iniciada em 2006.

De acordo com a empresa, os fatores que pesaram para este indicador foram o menor ritmo de concessão de crédito e a estabilidade da inadimplência.

Joseph Couri, presidente do Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (Simpi), lembra que, em novembro, 39% de empresas desse perfil, de 308 pesquisadas pela entidade, sofreram calote.

Deste universo, 32% deixaram de receber até 30% do faturamento. Por outro lado, 24% das pequenas indústrias ficaram inadimplentes, deixando de pagar, principalmente, impostos (18%), despesas (15%), bancos e financeiras (10%) e fornecedores (9%).

“Essa resposta é múltipla. A mesma empresa pode ter deixado de pagar mais de uma alternativa”, afirma Couri. 

A pesquisa mostra que 18% das pequenas empresas tomaram empréstimos, das quais 11% para quitar dívidas e pagar despesas. Quando obtiveram financiamentos em bancos acessaram, principalmente, o empréstimo pessoal e o cheque especial. 

O presidente do Simpi afirma que a estratégia de sobrevivência dependerá de cada caso.

“Vale olhar para os custos. Se a empresa está em um imóvel de mil metros quadrados e encontra outro do mesmo tamanho, pela metade do preço, deve ir. Será preciso cortar gastos e rever os prazos, diminuindo o de recebimento de clientes e alongando o de pagamento com fornecedores”, afirma. 

 

 

PLANEJAMENTO É A CHAVE

Para Fernando Cosenza, diretor da Boa Vista SCPC, a percepção é a de que as empresas que estão em situação de inadimplência enfrentam um problema semelhante ao dos consumidores: a falta de planejamento.

O primeiro motivo para a pessoa física ficar inadimplente é o desemprego, seguido pelo descontrole financeiro.

"Mas em ambas as situações, que são sintomáticas, a causa é a falta de planejamento, ou seja, a boa gestão de receitas e despesas, considerando uma poupança para imprevistos”, afirma.

Cosenza diz que quem tem uma poupança para emergências não fica inadimplente se tiver de comprar uma geladeira inesperadamente, para substituir a que quebrou, ou se perder o emprego.

Nas empresas, a falta de planejamento financeiro pode ser ilustrada pelo uso de linhas de crédito com limite pré-aprovado, como o cheque especial e o cartão de crédito, para fazer capital de giro ou mesmo pagar despesas fixas. 

“Para acessar esses créditos não necessita preencher formulários e esperar uma resposta do banco. É um recurso prático de ser usado e, por ser fácil, tem maior custo”, diz. 

O empreendedor que não tem tempo, reforça o diretor da Boa Vista, tem de fazer um esforço para planejar a utilização de linhas de menor custo, mesmo que a aprovação do banco demore um pouco.

Além disso, é preciso avaliar o prazo de pagamento e o valor das parcelas de um empréstimo para adequá-las ao fluxo de caixa. 

Cosenza diz que o cartão de crédito e o cheque especial devem ser as últimas alternativas de crédito a serem consideradas, não só pelas empresas mas também pelas pessoas físicas. No caso do cartão, a melhor utilização implica pagamento da fatura à vista. 

Segundo dados do Banco Central, a inadimplência das empresas com todas as linhas de financiamento que não contam com subsídios do governo (com recursos livres) foi de 3,5% em novembro. 

Mas a inadimplência das empresas nas despesas com cartão de crédito foi de 43,5%, considerando as operações no rotativo (pagamento mínimo), parcelamentos com juros e saques.

Em outras palavras, as empresas respondiam por 43,5% do saldo de débitos em aberto de cartões em novembro. “O número assusta, mas é elevado por causa do alto peso dos juros nessa modalidade”, comenta Rabi, da Serasa. 

 



Sete em cada dez entrevistados não pagaram parcelas de empréstimos em dia, seguidos por inadimplentes em cartão de loja

comentários

Geração de caixa tem sido suficiente para pagar apenas 58% das despesas financeiras

comentários

Sérgio Amaral, nosso embaixador nos EUA, que acompanha o presidente Temer em sua primeira visita, busca investimentos americanos nos setores de infraestrutura e energia

comentários