São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Finanças

2014 será conhecido como o ano da renda fixa
Imprimir

Com boa rentabilidade, aplicações devem manter uma trajetória consistente com os juros altos. Também tiveram bom desempenho algumas categorias de ações e multimercados

O ano ainda não acabou, mas as aplicações de renda fixa e atreladas a índices de preços devem ser os destaques de 2014, segundo dados da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais). De janeiro a novembro, os fundos da modalidade índices (que refletem indicadores da entidade que acompanham títulos públicos indexados à inflação) acumularam um retorno bruto de 13,02%, e as aplicações de renda fixa devolveram ao aplicador 10,62%. Apenas no mês passado, na comparação com outubro, os retornos brutos foram de 1,49% e 0,99%, respectivamente.

Carlos Massaru, vice-presidente da Anbima, disse hoje à imprensa que este ano foi de recuperação da rentabilidade sobre 2013. Na pauta para 2015, a entidade aguarda as medidas da nova equipe econômica e espera que algumas discussões saiam do papel, como o fim do come-cotas (adiantamento do Imposto de Renda descontado dos cotistas duas vezes ao ano). "A agenda do mercado de capitais será relevante no próximo governo. E a questão tributária deve entrar nesse contexto", afirmou. 

Outros bons resultados, puxados pela trajetória de alta da Selic, tiveram os fundos de curto prazo, com retorno no mês de 0,84% em novembro e de 9,76% no ano, e os referenciados DI, com ganho mensal de 0,85% e de 9,93% no ano. Hoje, os aplicadores do segmento Corporate, representado por empresas (grandes e pequenas), estão mais posicionados nessas aplicações. De um patrimônio líquido total de R$ 2,687 trilhões da indústria de fundos brasileira, os clientes pessoa jurídica detém R$ 398 bilhões aplicados. Deste valor, cerca de 28% estão em fundos referenciados DI e 27% na renda fixa. Outros 19% estão em fundos multimercados. 

 

Aplicações que acompanham índices de preços foram os destaques do período

O segmento corporate (empresa) foi o cliente que ajudou a deixar a captação líquida dos fundos (diferença entre aplicações e resgates) negativa em novembro, no valor de R$ 11,9 bilhões. Segundo a Anbima, os saques foram liderados pelos fundos multimercados do segmento corporate (empresas). O fundo DI também teve captação líquida negativa em novembro, de R$ 5,2 bilhões e R$ 2,3 bilhões, também puxada por este segmento. 

Massaru diz que 2014 foi difícil em termos de captação, mas que o fim do ano tende a ter um menor movimento. “Por parte das empresas, há resgate para o pagamento do décimo-terceiro salário. Do lado da pessoa física, gastos maiores e uma reserva para as obrigações tributárias de começo de ano. Elas acabam acessando os fundos por causa da liquidez. Nessa época e até a entrega das declarações de imposto de renda, há procura maior por fundos previdenciários por causa dos abatimentos de impostos”, afirmou Massaru. E esse movimento já apareceu nos números de novembro. O fundo que registrou maior captação líquida foi o da categoria Previdência, com entrada líquida de recursos de R$ 4 bilhões, o nono resultado positivo consecutivo.

É sempre bom lembrar que a rentabilidade passada das aplicações não corresponde ao rendimento que elas fornecerão no futuro. Mas se observarmos a perspectiva para a renda fixa, o horizonte é positivo. O executivo da Anbima disse que a volatilidade dos fundos que acompanham títulos atrelados aos índices de preços é grande, mas a percepção é que a inflação deve caminhar para o centro da meta e o juro permanecer em dois dígitos no ano que vem, o que pode trazer um retorno interessante para os ativos das aplicações. “Mas é bom lembrar que nas aplicações que acompanham a inflação a volatilidade continuará existindo, mas menor para quem mantém a aplicação até o vencimento”, afirmou.  

RENDA VARIÁVEL 
Entre as aplicações que embutem mais riscos, os fundos que tiveram destaque na renda variável, em novembro, foram os de ações da categoria Livre, com retorno de 1,79%, o Ibovespa Ativo (1,7%) e os que acompanham ações de Sustentabilidade e Governança (1,71%). No ano, o melhor desempenho foi do fundo de ações da categoria Dividendos, com 5,39%. 

Massaru lembrou que os fundos multimercados também apresentaram um desempenho interessante, principalmente o que faz parte da categoria Macro, com retorno mensal de 2,28% e de 7,56% no ano. Já o multimercado Estratégia Específica devolveu maior rentabilidade no ano, de 13,82%, e de 1,78% no mês. Já o fundo do tipo Trading superou esses retornos, com 2,76% no mês e 15,89% no ano. 
    



Redução maior foi discutida na reunião do Copom, mas ainda depende da queda na resistência de alguns componentes do índice de preços, segundo Ilan Goldfajn, presidente do BC

comentários

Taxa ficou maior do que a cobrada nas operações para os aposentados do INSS, que é de 2,34% ao mês

comentários

"Risco palpável de que não ocorra uma retomada oportuna da atividade econômica deve permitir intensificação do ritmo de flexibilização monetária", afirma ata do Copom

comentários