São Paulo, 27 de Maio de 2017

/ Economia

Votação das novas alíquotas do Simples fica para 2015
Imprimir

Governo pretende entregar para a Frente Parlamentar das Micro e Pequenas Empresas , na próxima semana, o Projeto de Lei que cria novas tabelas para o regime tributário, mas votação fica para o próximo ano

A votação das novas tabelas do Simples Nacional, que trazem alíquotas mais brandas para as empresas, só deverá acontecer no próximo ano. A expectativa do governo, em especial a do Ministro das Micro e Pequenas Empresas, Guilherme Afif Domingos, era levá-las para apreciação de deputados e senadores ainda este ano, mas o momento conturbado no Congresso frustrou suas intenções. 

Ontem (4/12), Afif esteve reunido com Joaquim Levy, ministro da Fazenda indicado, e concluíram que o momento não era o melhor. Ainda assim, as novas tabelas serão encaminhadas, na forma de um Projeto de Lei, para deputados da Frente Parlamentar das Micro e Pequenas Empresas, que decidirão o melhor momento de colocá-lo em pauta. Afif se comprometeu a entregar, até a próxima terça-feira (9/12), o Projeto ao Deputado Guilherme Campos (PSD-SP), que preside a Frente. 

Vale lembrar que em julho – quando a atualização do regime simplificado foi aprovada por unanimidade no Congresso – o governo se comprometeu a entregar ao legislativo, até dezembro, a reformulação das tabelas.

Elas agora são sete. Cinco para empresas que faturam até R$ 3,6 milhões, uma para empresas que faturam até R$ 7,2 milhões e outra para aquelas que faturam até R$ 14 milhões. Além disso, para as empresas que faturam mais do que o teto tradicional do Simples (R$ 3,6 milhões), o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) não será recolhido. 

O texto aprovado em julho começou a ser regulamentado. No Diário Oficial da União desta sexta-feira (5/12) consta a resolução 117 do Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN), que oficializa a lista de novas categorias que poderão optar pelo regime simplificado a partir de janeiro de 2015, além de definir em R$ 3,6 milhões o teto de enquadramento para empresas exportadoras, mesmo limite tradicional para empresas que atuam no mercado interno.

A HORA CERTA DE ENTRAR NO SIMPLES

O conselho de Ernesto das Candeias, consultor jurídico do Sindicato dos Contabilistas de São Paulo, é fazer um bom planejamento tributário antes de se candidatar ao Simples. “Enquanto não sair a nova tabela, a regra é se manter dentro do lucro presumido”, diz.

Fazer esse tipo de planejamento não é fácil, mas pode ajudar a reduzir o tamanho da mordida da Receita Federal no faturamento. As expectativas de lucro, de faturamento, de contratações e desligamentos precisam estar alinhadas e serem bastante realistas. Segundo Wilson Gimenez Jr., vice-presidente administrativo do Sescon-SP (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo), não tem fórmula mágica nem unanimidade. “Existe um modismo de que o Simples é sempre o melhor regime tributário, mas nem sempre é assim.”

Uma análise do faturamento e dos custos com pessoal já é um bom começo. Gimenez sugere uma conta fácil. “Se a sua folha de pagamento for superior a 13% do seu faturamento e sua empresa estiver adequada às atividades ligadas ao Anexo VI, o Simples possivelmente ainda não compensa”, diz. 

O setor empresarial também aguarda um melhor escalonamento tributário entre as empresas Simples e as enquadradas ao lucro presumido. Gimenez explica que a ampliação do teto do faturamento para R$ 7,2 milhões anuais em vendas domésticas seria de grande ajuda para o setor industrial. “São empresas com faturamento expressivo e margem de lucro mais baixa, porque o custo da operação é muito alto”, diz. 

(com colaboração de Bárbara Ladeia)

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil



Projeto que tramita na Câmara dos Deputados pretende impedir que empresas saltem de faixa de tributação sem que obtenham aumento real do faturamento

comentários

Identificação Civil Nacional foi criada com o objetivo de unificar mais de 22 documentos. Medida deve evitar prejuízos causados por fraudes

comentários

De acordo com pesquisa do Sebrae, de cada 10 empresas que estão nesse sistema de tributação, oito se mantêm ativas após o segundo ano

comentários