São Paulo, 26 de Setembro de 2016

/ Economia

Varejo paulistano encara ressaca de Carnaval
Imprimir

Vendas da primeira quinzena de fevereiro recuaram 8,6% e a inadimplência subiu 9,6% no período segunda a ACSP

As vendas do varejo da capital paulista recuaram 8,6% na primeira quinzena de fevereiro quando comparadas a igual período do ano passado. As informações são da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A economia fraca tem influência nesse resultado, mas seu real impacto foi mascarado pelo efeito do Carnaval, que neste ano aconteceu mais cedo.

O varejo da cidade de São Paulo costuma ser prejudicado pelo Carnaval, período no qual ocorre o deslocamento da população da capital para o litoral e o interior. Como no ano passado o Carnaval ocorreu em março, a comparação entre fevereiro deste ano e fevereiro de 2014 fica distorcida. 

 “Conforme esperado, o movimento no comércio da capital na quinzena foi prejudicado pelos primeiros dias de Carnaval. Os consumidores começaram a deixar a cidade na sexta-feira, 13/2”, reforça Rogério Amato, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). 

A queda foi grande tanto para as vendas à vista quanto para aquela a prazo. As vendas à vista recuaram 10,1% nos primeiros quinze dias do ano, comparando com igual período do ano passado. A queda das vendas a prazo – que costumas ser de maior valor -, tendo esse mesmo parâmetro de comparação, foi de 7,1%.

Na comparação com a primeira quinzena de janeiro, a queda das vendas à vista nos primeiros quinze dias de fevereiro foi de 7,5%, enquanto o recuo das vendas a prazo foi de 10,5%. 

INADIMPLÊNCIA 

Já os Registros de Inadimplentes, que mostram o volume de carnês em atraso pelo consumidor, avançaram 9,6% na primeira quinzena de fevereiro ante a de janeiro. Segundo Emílio Alfieri, economista da ACSP, é normal a inadimplência iniciar o ano em patamar baixo e depois evoluir. “O consumidor costuma pagar a primeira parcela das dívidas de final de ano em dia em janeiro. Mas aí vem o Carnaval, e as contas começam a atrasar”, comenta o economista.

Já na comparação com a primeira quinzena de fevereiro de 2014, a inadimplência recuou 9,2%.

O levantamento da ACSP é baseado em amostra de dados de clientes da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). 

 

 



Ritmo de crescimento é inferior aos 17% de 2015, segundo o Índice Cielo. Mesmo assim, desempenho é superior à média do varejo total no período, que foi de 4%

comentários

Com quedas cada vez menos intensas, o varejo paulistano começa a reagir, mesmo operando no vermelho. Na primeira quinzena de setembro, o recuo foi de 5,3%

comentários

De janeiro a julho, as vendas totalizaram 8.022 unidades, um volume 25% abaixo do mesmo período do ano passado, revela levantamento do Secovi

comentários