São Paulo, 28 de Junho de 2017

/ Economia

Varejo paulistano encara ressaca de Carnaval
Imprimir

Vendas da primeira quinzena de fevereiro recuaram 8,6% e a inadimplência subiu 9,6% no período segunda a ACSP

As vendas do varejo da capital paulista recuaram 8,6% na primeira quinzena de fevereiro quando comparadas a igual período do ano passado. As informações são da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A economia fraca tem influência nesse resultado, mas seu real impacto foi mascarado pelo efeito do Carnaval, que neste ano aconteceu mais cedo.

O varejo da cidade de São Paulo costuma ser prejudicado pelo Carnaval, período no qual ocorre o deslocamento da população da capital para o litoral e o interior. Como no ano passado o Carnaval ocorreu em março, a comparação entre fevereiro deste ano e fevereiro de 2014 fica distorcida. 

 “Conforme esperado, o movimento no comércio da capital na quinzena foi prejudicado pelos primeiros dias de Carnaval. Os consumidores começaram a deixar a cidade na sexta-feira, 13/2”, reforça Rogério Amato, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp). 

A queda foi grande tanto para as vendas à vista quanto para aquela a prazo. As vendas à vista recuaram 10,1% nos primeiros quinze dias do ano, comparando com igual período do ano passado. A queda das vendas a prazo – que costumas ser de maior valor -, tendo esse mesmo parâmetro de comparação, foi de 7,1%.

Na comparação com a primeira quinzena de janeiro, a queda das vendas à vista nos primeiros quinze dias de fevereiro foi de 7,5%, enquanto o recuo das vendas a prazo foi de 10,5%. 

INADIMPLÊNCIA 

Já os Registros de Inadimplentes, que mostram o volume de carnês em atraso pelo consumidor, avançaram 9,6% na primeira quinzena de fevereiro ante a de janeiro. Segundo Emílio Alfieri, economista da ACSP, é normal a inadimplência iniciar o ano em patamar baixo e depois evoluir. “O consumidor costuma pagar a primeira parcela das dívidas de final de ano em dia em janeiro. Mas aí vem o Carnaval, e as contas começam a atrasar”, comenta o economista.

Já na comparação com a primeira quinzena de fevereiro de 2014, a inadimplência recuou 9,2%.

O levantamento da ACSP é baseado em amostra de dados de clientes da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). 

 

 



Depende. Em primeiro lugar, o comerciante deve conhecer e calcular todos os custos envolvidos nas vendas realizadas em cada meio de pagamento

comentários

Este ano será marcado pela tentativa das cervejarias, mais do que nunca, "roubar" mercado das rivais

comentários

É o que revela o Boletim de Vendas da Associação Comercial de São Paulo. O desempenho foi beneficiado pelo cenário de inflação e juros em queda; salário real em alta e a liberação dos recursos do FGTS

comentários