São Paulo, 11 de Dezembro de 2016

/ Economia

Vagas nas empresas voltam a crescer depois de três meses
Imprimir

Setores como serviços e comércio foram responsáveis pelo aumento do saldo líquido de emprego, segundo estatísticas do Ministério do Trabalho e Emprego

Depois de três meses de queda no saldo de empregos, 19.282 vagas foram abertas no mês passado, de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego.

O setor de serviços foi o responsável pela maior geração de vagas formais de trabalho em março, com um saldo positivo de 53.778 postos. O comércio gerou 2.684 novas vagas no mês passado.

Os destaques negativos ficaram com a construção civil, que fechou 18.205 vagas, e a indústria de transformação, com menos 14.683 postos. No mês passado, a agricultura foi responsável pela redução de 6.281 vagas.

O comportamento positivo do setor de serviços foi a grande surpresa que contribuiu para o resultado positivo, de acordo com Rafael Leão, economista-chefe da Parallaxis Consultoria.

"Como podemos ver na abertura por setores, praticamente todos encerraram postos de trabalho, com destaque para a indústria e construção civil, que são as que mais têm sofrido com a desaceleração da atividade econômica recente", afirma.

Segundo o consultor, a criação de vagas em serviços pode ser momentânea, em função de uma conjuntura um pouco mais específica relegada a esse setor, mas que ao longo dos próximos meses deve também ser impactado pela desaceleração da atividade brasileira de modo geral", afirma. "O setor pode estar se mostrando um pouco mais resiliente, mas deve ceder como os demais ao longo do ano.
 



Neste ano, o comércio abriu menos vagas, pois o bom velhinho foi excluído de shoppings, lojas e festas de confraternização de empresas multinacionais

comentários

Sistema reduz em 30% o custo das empresas com salários, em troca da manutenção dos postos de trabalho

comentários

Quem afirma é Pedro Passos (foto), presidente do conselho da Natura. Em evento, ele defendeu a simplificação tributária e a reforma trabalhista

comentários