São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Economia

Pessimismo aumenta e inflação preocupa consumidores
Imprimir

Quatro de cada cinco brasileiros estão pessimistas com a economia, segundo levantamento da FGV. É a 17ª rodada consecutiva da pesquisa que identifica piora no clima econômico

A percepção dos consumidores em relação à situação atual da economia voltou a piorar em junho e quatro a cada cinco brasileiros avaliam o momento corrente como ruim, de acordo com dados da Sondagem do Consumidor divulgada pela FGV (Fundação Getulio Vargas), nesta sexta-feira, 26. Já a perspectiva com o futuro melhorou um pouco, embora o número de pessimistas ainda supere o dos que aguardam melhora para os próximos meses.

De acordo com Emílio Alfieri, economista da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), o dado dá continuidade a um processo de perda geral de todas as confianças - do consumidor, do empresário, da construção, e do comércio porque todas estão correlacionadas, e em declínio generalizado.  

“Isso decorre dos ajustes cambial, fiscal e monetário da economia brasileira. O fiscal ainda é o mais difícil – estão tirando as desonerações e aumentaram as tarifas - como água em 24% e energia em 55%.“

Segundo Alfieri, esses encargos drenam a renda disponível do consumidor, que de acordo com o último dado do IBGE diz que a renda do consumidor caiu 5%. “Ou seja, ele ganha menos e paga mais. Não sobra dinheiro para comprar à vista, e falta confiança para comprar a prazo”, diz Alfieri.

LEIA MAIS: Nem a zona de comércio mais rica de São Paulo escapa da crise

LEIA MAIS: Coleção de inverno encalha e lojas fecham as portas no Bom Retiro

SATISFAÇÃO DESABA

Após dois meses de estabilidade, o indicador que mede o grau de satisfação com a situação da economia local desabou em junho. A queda foi de 15,5% frente ao mês anterior, resultado que puxou o recuo de 1,4% na confiança do consumidor no período. Isso porque a proporção dos que avaliam o momento econômico como ruim atingiu 79,1%, o maior nível da série, iniciada em setembro de 2005. As análises positivas são apenas 4,2%.

As expectativas para o cenário econômico nos próximos meses, por sua vez, melhoraram pelo quarto mês consecutivo. O indicador de otimismo com a evolução da situação econômica nos seis meses seguintes subiu 2,5%. Mesmo assim, ele ainda se mantêm em nível muito baixo historicamente, destacou a FGV.

“A dificuldade para controlar os preços fez a equipe econômica reforçar o compromisso do governo com a convergência da inflação para o centro da meta de 4,5%. O CMN (Conselho Monetário Nacional) decidiu reduzir de 2 para 1,5 ponto porcentual a margem de tolerância da meta de 4,5% para 2017 - ou seja, o teto da meta passa a ser de 6%, e o piso, de 3%.” 

Alfieri diz que o pessimismo piora o clima da atividade econômica, mas por outro lado, pode ser considerado um “remédio amargo” para que a inflação possa retornar a meta do ano que vem.  

"E provavelmente, essa decisão vai requerer mais altas das taxas de juros do Copom, e não deve parar por aí. A perspectiva é de que as vendas irão desacelerar ainda mais, a confiança vai cair mais, e a partir do começo do ano que vem, a inflação deve começar a ceder e com isso, a Selic volte a cair moderadamente, e a confiança melhora. Mas, o caminho é ainda longo”, diz Alfieri. “Se isso não der certo, haverá consequências sociais, econômicas e políticas.”

LEIA MAIS: 150 confecções fecharam as portas em São Paulo neste ano

LEIA MAIS: Loja de bijuterias no centro de São Paulo anuncia falência

RECORDE DE PESSIMISMO

A proporção de consumidores que preveem melhora da economia cresceu de 17,1% para 18,1% entre maio e junho. Já a parcela dos que consideram que irá piorar caiu de 39,9% para 39,0%. "Este foi o 17º mês em que são registrados mais consumidores pessimistas do que otimistas com o rumo da economia nos seis meses seguintes. Antes deste período, iniciado em fevereiro do ano passado, o recorde havia sido de apenas seis meses, entre outubro de 2008 e março de 2009", disse a FGV.

Em junho, três das quatro faixas de renda acompanhadas pela instituição registraram queda na confiança, mas o resultado mais negativo veio das famílias com ganhos mensais acima de R$ 9,6 mil. Nessa faixa, o recuo foi o dobro da média, com baixa de 2,8%.

* Foto: J. F. Diorio/ Estadão Conteúdo

* Com informações do Estadão Conteúdo



Na última reunião plenária do ano realizada pela ACSP, os empresários lamentaram as baixas de 2016, mas demonstraram expectativas positivas para o próximo ano

comentários

Redução maior foi discutida na reunião do Copom, mas ainda depende da queda na resistência de alguns componentes do índice de preços, segundo Ilan Goldfajn, presidente do BC

comentários

A redução nos preços dos materiais e serviços ajudaram a desacelerar a inflação na construção em novembro

comentários