São Paulo, 25 de Maio de 2017

/ Economia

Outubro mostra tendência de melhora no endividamento familiar
Imprimir

A cautela do consumidor frente ao cenário de menor crescimento econômico repercute no nível de famílias paulistanas endividadas

O índice de outubro caiu 9,1 pontos percentuais em relação a igual período do ano passado, segundo pesquisa mensal da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio SP). No mês, 45,3 % das famílias entrevistadas disseram ter algum tipo de dívida, patamar também inferior aos 47,8% apurados em setembro. 

A quantidade de famílias com contas atrasadas foi a menor desde janeiro de 2012, com 10,7% apontando a situação, recuo de oito pontos percentuais sobre um ano antes e de um ponto percentual na comparação com setembro. A percepção de menor crescimento econômico, com inflação e juros em alta e menor geração de empregos no país, levou o consumidor a colocar o pé no freio. De acordo com o comunicado do Fecomércio/SP, "nos últimos meses, o conjunto desses fatores tem deixado o consumidor mais cauteloso na obtenção de novos financiamentos, reduzindo gradativamente o nível de endividamento das famílias".

O cartão de crédito continua como a principal fonte de dívida, utilizado por 63,1% das famílias analisadas, seguida pelo financiamento de carro (22,4%), carnês (15,6%) e financiamento de casa (15,1%).

Por Marcela Ayres/Reuters



Famílias de renda mais alta, que recebem acima de R$ 9.600 mensais, estão antecipando a queda do indicador, de acordo com a FGV

comentários

Já sob impacto da crise, a taxa de inflação projetada para 2017 caiu de 3,93% para 3,92%, de acordo com o boletim Focus, do Banco Central

comentários

A estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 4,01% para 3,93%, de acordo com boletim semanal do Banco Central

comentários