São Paulo, 29 de Junho de 2017

/ Economia

Os negócios da quebrada - Entrevista com Luciana Aguiar
Imprimir

Sócia-diretora da Plano CDE, consultoria especializada em estudos das classes C, D e E

Por que aumentou o empreendedorismo nas favelas?

Dentro da população de baixa renda sempre existiu um grupo de pessoas que trabalha por conta própria. Nas classes D e E, essa proporção é de 30% e, na classe C, de 20%. Sempre existiu, portanto, o empreendedor por necessidade. 

O que existe hoje é um movimento importante das empresas e da sociedade que estão olhando com mais atenção para as oportunidades deste mercado, para ofertar os produtos. Este é um público que passou a ter maior visibilidade.

Por quê?

É um desafio entregar produtos e serviços para este público. Hoje, 85% da população brasileira moram em áreas urbanas, e a base da pirâmide está nas periferias de grandes centros ou em bairros onde o acesso é mais difícil. 

A oferta de serviços públicos nas favelas é irregular, muitas pessoas que moram nas favelas não têm endereço e, por causa disso, elas não possuem acesso a crédito.

As empresas da área de finanças, por exemplo, estão colocando correspondentes bancários nas favelas, empresas que trabalham com vendas diretas, recrutando revendedoras porta a porta.

Os empreendedores das favelas acabam sendo canais importantes de distribuição de produtos e serviços. As pessoas de alta renda de fora passaram até a ir visitar as comunidades e a utilizar os serviços oferecidos nessas comunidades.

A renda das pessoas na faixa dos 40% mais pobres aumentou cerca de 6% ao ano nos últimos anos. Isso mostra que existe um mercado consumidor importante nas favelas, e para esses empreendedores que moram lá as oportunidades de negócios ampliaram.

A oportunidade de ter negócio por conta para quem não tem emprego formal é evidente, e com o aumento da renda, você estimula ainda mais isso. É um círculo virtuoso.
 
O mix de produtos de um mercadinho, muitas vezes em um espaço pequeno, mostra o enorme conhecimento do consumidor, e a grande varejista, muitas vezes, tem dificuldade de fazer este desenho. Os empreendedores de comunidades conhecem as pessoas, sabem para quem eles podem dar a caderneta, dar acesso a crédito, pois conhecem bem o público.

Qual o impacto da inflação e do desaquecimento da economia neste grupo de empreendedores? 

O impacto será para o país como um todo, para todas as classes sociais. Só que este empreendedor chegou antes, ele conhece melhor o mercado, e pode até se sair bem.  

Qual é o principal desafio para os empreendedores das comunidades?

O empreendedor da favela tem conhecimento de causa, porém, tem menos apoio para tocar o seu negócio, menos acesso a crédito, assistência técnica, formação como empreendedor. Ele tem dificuldade para ganhar escala, e este será um desafio que ele tem de lidar, com as habilidades que ele tem. 



Cozinheira e jurada do Masterchef, ela conta como superou obstáculos: as sociedades que fracassaram e uma dívida superior a R$ 2 milhões

comentários

Entenda como uma pequena empresa do interior do Rio Grande de Norte se tornou uma das líderes no segmento de café, com faturamento de 3,6 bi em 2016

comentários

Com orientação, casais empreendedores podem ter sucesso também nos negócios

comentários