São Paulo, 25 de Julho de 2017

/ Economia

Os negócios da quebrada - Entrevista com Krishna Faria
Imprimir

Coordenador nacional de Negócios Sociais do Sebrae

Por que cresce o empreendedorismo nas favelas?

Primeiro, por conta do aumento do poder de compra das classes menos favorecidas. Desejo de consumo é inerente ao ser humano e, como essas pessoas tiveram ascensão financeira, criou-se um movimento dentro das comunidades para atender este consumidor com maior poder aquisitivo.

O emprego formal não conseguiu absorver essas pessoas, e o que resta para esta comunidade é o empreendedorismo por necessidade. Existe o empreendedorismo por vocação, mas é mais por necessidade.

28% dos moradores das comunidades querem abrir negócios, segundo pesquisa da Data Popular. O que significa isso?

Isso mostra a força dentro do universo empreendedor e de emprego e renda dentro das comunidades. Além do fato de que essas pessoas estão empregadas, pode haver também movimento de gente do asfalto para ir às favelas.

Minha impressão é que o poder de compra da comunidade está fazendo com que as pessoas enxerguem que há potencial de oferta, e faz com que elas empreendam. Se o volume de dinheiro é maior na favela e se posso abrir um negócio ali e vou ter cliente, vou abrir um negócio.

Grandes players do mercado têm atentado para o poder de consumo dessas comunidades, e isso gera oportunidade de empreender, abre oportunidades de serviços.

Aumentou o número de instituições financeiras e lojas (Casas Bahia, por exemplo) em comunidades de baixa renda. 

No Rio, surgiu um carteiro que entrega cartas em locais em que os Correios não chegam. O morador que compra pela internet pode receber os produto em casa. Isso foi encarado como uma oportunidade de negócio, e o empreendedor consegue entregar produtos em parceria com os Correios. Ele serve como um canal de consumo dos moradores da comunidade.

Qual a expectativa para os empreendedores nas favelas?
 
Se a economia retomar o crescimento, é provável que a tendência se confirme de expansão do empreendedorismo nas favelas. Se a economia continuar estagnada, é possível que o empreendedorismo perca um pouco do dinamismo. O empreendedorismo, por si, está atrelado a riscos altos.

Se for para injetar capital sem garantia de prosperidade, do ponto de vista de risco é melhor optar pelo emprego convencional. O empreendimento está atrelado ao risco. É preciso ver até que ponto de vista de risco é melhor ou não optar pelo emprego convencional. 

O que é empreendedorismo social, de impacto social?

É quando a pessoa quer contribuir com transformações de situações desfavoráveis. Tenho uma missão que pretendo resolver, combatendo de alguma forma a pobreza e a desigualdade, transformando a vida das pessoas da base da pirâmide. Isto é, já abro o negócio com uma intenção para resolver um problema social, que visa lucro também.

O grande desafio dos negócios sociais é colocar no mesmo grau de importância a transformação social, o lucro. Está crescendo bastante o número de empresas com impacto social. Em 2011, eram 144 empresas pesquisadas no Brasil.

O próprio empreendedorismo de impacto social vem numa vanguarda, porque os governos, de forma geral, não conseguem, por limitação de orçamento, resolver os problemas sociais que os países apresentam.

O empreendedorismo de impacto surge como proposta complementar para contribuir, gerar emprego e renda, e a empresa consegue contribuir para resolver um problema social.

Para o governo é mão na roda, é um papel complementar. Não é exclusividade de o governo resolver os problemas sociais. A minha aposta é que esta situação é irreversível, independentemente do que ocorra com a economia.

E se a economia estiver mal, a tendência é de os problemas sociais se acentuarem, e isso abre mais espaço para o empreendedorismo de causa social. E se melhorar, vai ter mais dinheiro e atividade para o setor continuar crescendo.

Não vejo um cenário para que o empreendedorismo de impacto social diminua, especialmente na área de educação, saúde, turismo, artesanato, alimentos. O empreendedorismo sem impacto social já é mais sensível a flutuações do mercado.



Cozinheira e jurada do Masterchef, ela conta como superou obstáculos: as sociedades que fracassaram e uma dívida superior a R$ 2 milhões

comentários

Entenda como uma pequena empresa do interior do Rio Grande de Norte se tornou uma das líderes no segmento de café, com faturamento de 3,6 bi em 2016

comentários

Com orientação, casais empreendedores podem ter sucesso também nos negócios

comentários