São Paulo, 29 de Maio de 2017

/ Economia

O que os empresários devem esperar dos próximos anos
Imprimir

Carlos Kawall, ex-secretário do Tesouro e economista-chefe do Banco Safra, afirma que aperto econômico será um teste para o país provar que pode vencer

Em 2003, o Brasil estava no buraco. Hoje, está bem longe do abismo. Já 2015 será um ano para o país provar que pode vencer. A declaração, um tanto alentadora para quem acompanha as ciclotimias da economia brasileira, é de Carlos Kawall, economista-chefe do Banco Safra e ex-secretário do Tesouro (2006), em evento na ABRE (Associação Brasileira de Embalagens),  sinaliza um cenário menos pessimista ou de retomada gradual na confiança da economia.

O próximo ano, segundo ele, será de inevitável ajuste macroeconômico, que passa pela moderação do consumo privado e o do governo. De elevação de preços da gasolina, do ônibus e da energia elétrica, que diminuirão a renda disponível em circulação. E também do fim da desoneração do IPI dos automóveis e da linha branca, e da redução dos incentivos de crédito concedidos pelo BNDES com aportes do governo para diminuir a dívida pública. Unidos, esses fatores devem elevar os níveis de poupança e investimento --importante sinalização para que o Brasil não perca esse grau de investimento.  

Toda essa agenda de ajustes, como prevê o economista, deverá se refletir em 2016, quando certamente haverá elevação de impostos, a possível volta da CPMF, o fim dos juros sobre capital próprio, a tributação de dividendos e a diminuição de gastos com benefícios sociais, como seguro-desemprego, abono salarial e pensão por morte -- despesas que cresceram 16% entre janeiro e outubro desse ano, informou.

“Sobrevivemos a 2014, ano marcado pelo 7 x 1 que não estava na conta do Brasil, e um outro 7 x 1 que é a inflação, que deve bater nos 7%. Além disso, o crescimento foi pequeno (na faixa de 0,2%, pela projeção do banco), e as eleições, surpreendentes. Em 2015, não vai ter Copa, mas também haverá menos chance de outro 7 x 1”.

"A renda será afetada pelos reajustes de tarifas"

Mesmo com a expectativa de melhora gradual a médio prazo devido aos ajustes, o cenário para 2015 será de "confiança da economia em declínio generalizado", percepção que, por si só, já "subtrai 1% do crescimento", segundo o economista. Melhorar essa retomada, porém, depende da segurança no emprego --a despeito de o indicador fechar o ano abaixo dos 5% e da massa salarial estagnada, mas ainda positiva--, e das expectativas quanto à inflação. 

Com os níveis baixos de confiança e a percepção de que os juros vão subir, a "máquina do consumo" praticamente parou, disse Kawall. E não é por menos: em 2014, o real foi a moeda que teve a maior apreciação frente ao dólar (3,4% até outubro, devendo se manter na casa dos R$ 2,80 no ano que vem, conforme projeta o banco). Com isso, perdeu-se de novo em competitividade --o que afetou as vendas do varejo e a produção industrial pelo descompasso entre oferta e demanda, ultimamente mais atendida por importações. 

"Se a economia não cresce, não há grande melhora na renda, e em 2015 ela será afetada também pelos reajustes de energia elétrica, transportes e combustíveis. Já o desemprego pode ter uma leve alta, já que após anos de baixo crescimento é normal fazer ajustes. Portanto, essa trajetória só será mais favorável mesmo a partir de 2016", conclui.

 

 



A agropecuária foi o destaque positivo da atividade econômica, com alta de 10,8%, segundo levantamento da Serasa

comentários

Embora com média pouco acima da América Latina, o país continua atrás de quatro dos 11 países do Continente, de acordo com levantamento da FGV

comentários

Parte do mercado acredita que ele não tem fôlego para evitar novas concessões na reforma da Previdência, com efeitos muito ruins no futuro da economia

comentários