São Paulo, 24 de Julho de 2017

/ Economia

Montadoras devem responder por um terço da queda do PIB
Imprimir

Setor automobilístico responde por 10% da indústria nacional e, consequentemente, por 2,2% do PIB

A crise no setor automotivo deve responder por um terço da retração da economia brasileira esperada para 2015. No cenário econômico complicado para este ano, analistas estimam uma retração do Produto Interno Bruto (PIB) de aproximadamente 1,5%. A contribuição negativa do setor nessa conta é de 0,5%.

O tombo da indústria automobilística provoca estrago na economia brasileira porque o setor responde por 10% da indústria nacional e, consequentemente, por 2,2% do PIB, segundo cálculos da Tendências Consultoria. Para este ano, a consultoria estima uma queda de 24% no setor na produção medida pelo IBGE.

"A queda está muito forte, e o peso do setor na economia é muito grande. Uma retração desse tamanho puxa a indústria para baixo e, consequentemente, o PIB", afirma Rodrigo Baggi, analista da Tendências.

Pelas projeções da Anfavea, associação que representa as montadoras, devem ser produzidos este ano 2,585 milhões de veículos, 17,8% menos do que em 2014. O volume será o mais baixo desde 2007.

O desempenho negativo arrasta os demais setores da cadeia e o efeito mais perverso é nos empregos. Na indústria de aços, que vende 22% de sua produção para as montadoras, 12 mil postos foram eliminados nos últimos 12 meses. Há também 1,4 mil trabalhadores com contratos suspensos (lay off).

Cálculos da PriceWaterhouseCoopers (PwC) indicam que, para cada emprego na montadora, há outros 12 gerados na cadeia automotiva. Por essa conta, o setor emprega mais de 1,5 milhão de pessoas. Na relação inversa, as 6,3 mil vagas fechadas nas montadoras até maio teriam provocado outras 75,6 mil demissões em diversas áreas. Até abril, só as revendas de veículos cortaram 12 mil postos e as autopeças, 7,4, mil.

Foto: Estadão Conteúdo/ Robson Fernandes



Em relação a julho do ano passado, houve um aumento de 12,5%, a maior variação da série histórica do índice da CNC, iniciada em 2010

comentários

O movimento do varejo paulistano cresceu 7,85% na primeira quinzena do mês em comparação com o mesmo de 2016, de acordo com a ACSP

comentários

Preços mais baixos, recuperação parcial do crédito e os saques das contas inativas do FGTS levaram a CNC a revisar a previsão de crescimento de 1,2% para 1,6%

comentários