São Paulo, 19 de Fevereiro de 2017

/ Economia

Inflação mais longe da meta. Crescimento do PIB ainda menor
Imprimir

Nova pesquisa Focus, feita pelo BC, revela piora em expectativas de preços e revê para baixo previsão de desempenho da economia

O mercado financeiro vê ainda mais distante do que antes a possibilidade de cumprimento da meta de inflação de 4,5% em 2015. A piora das expectativas para os indicadores de preços pode ser constatada em diferentes variáveis para diferentes períodos levantados pelo Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira, 2, pelo Banco Central. De acordo com o documento, a mediana das previsões para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano subiu de 6,69% para 7,01%. Há um mês, a mediana estava em 6,56%.

A mediana das projeções para os preços administrados em 2015 explodiu. O ponto central da pesquisa simplesmente passou de 8,70% para 9,0%, mostrando-se cada vez mais como o vilão da inflação deste ano e se aproximando da projeção mais recente do BC, de 9,3%. Há quatro semanas, a mediana das estimativas para esse indicador estava em 7,85%. As projeções para esse indicador, portanto, subiram mais de 1 ponto porcentual em apenas um mês.

Também no Top 5 de médio prazo, representado pelo grupo dos economistas que mais acertam as previsões, a mediana segue acima da banda superior da meta, desde a semana passada segue em 6,85. Quatro semanas atrás, estava em 6,40%.

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, admitiu que o IPCA subiria nos primeiros meses deste ano, mas avaliou que entraria em um período de declínio mais para frente e encerraria 2016 no centro da meta de 4,5%.

As projeções para o curto prazo também continuam em nível elevado na Focus: a taxa para janeiro de 2015 segue em 1,20% pela segunda semana seguida. Era de 0,97% um mês atrás. Para fevereiro, a mediana das previsões passou de 1,00% para 1,01%, ante 0,72% de quatro semanas atrás.

PESSIMISMO

Mal iniciado o segundo mês do ano, o mercado financeiro segue com uma posição desanimadora em relação ao crescimento do País em 2015, que vai beirar mais uma vez a estabilidade, segundo analistas do setor privado.

Para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, de acordo com o Relatório de Mercado Focus, a estimativa é de expansão de 0,03% ante taxa de 0,13% apontada no levantamento anterior - essa foi a quinta revisão consecutiva desse indicador. Há quatro semanas, a aposta era de uma alta este ano de 0,50%.

A produção industrial segue como setor vital para a elaboração das previsões para o PIB em 2015 e 2016. No boletim Focus, a mediana das estimativas do mercado para o setor manufatureiro revela uma expectativa de alta de 0,50% para este ano ante 0,69% prevista na semana passada e de 1,04% de quatro semanas atrás.

Para 2016, as apostas de expansão para a indústria seguem em 2,50%, mesmo patamar da semana anterior, porém mais baixo do que o de um mês antes, quando estava em 2,68%

Os economistas mantiveram inalteradas suas estimativas para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB. Para 2015, a mediana das previsões permaneceu em 37,00%, quatro semanas antes esse números estava em 37,30%. No caso de 2016, as expectativas caíram de 37,40% para 37% - no boletim divulgado há um mês a taxa era de 37,90%.
 



Há pelo menos cinco importantes sinais de que o período de recessão econômica, que atravessou 11 trimestres consecutivos, está ficando para trás

comentários

Ministério do Planejamento informa que medida deve incrementar o PIB de 2017 em 0,07 ponto percentual

comentários

Na avaliação do banco Santander, este será um ano de inflexão. Saques do FGTS podem dar estímulo adicional ao PIB em até 0,4%

comentários