São Paulo, 03 de Dezembro de 2016

/ Economia

Índice de confiança do setor de serviços volta a crescer
Imprimir

Expectativa de alta na demanda nos próximos meses faz também aumentar a intenção de contratar entre os empresários do setor

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) avançou 4,2% na passagem de março para abril, na série com ajuste sazonal, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV).

Com o resultado, o ICS saiu de 82,4 pontos para 85,9 pontos no período. Mesmo com a primeira alta em 2015, o índice se situa no segundo menor nível de toda a série histórica, iniciada em junho de 2008. A média histórica do ICS está em 120,2 pontos. Em março, o índice havia registrado queda de 12,1% em relação ao mês imediatamente anterior.

"A primeira elevação da confiança do setor no ano não altera a percepção desfavorável das empresas sobre o rumo dos negócios. As avaliações sobre o momento atual ficaram estáveis e o destaque foi a melhora das expectativas. Devemos aguardar os próximos resultados, mas é provável que essa alta de abril reflita a combinação de dois fatores: acomodação do índice após queda acentuada e uma aparente redução de incertezas relacionadas, por exemplo, ao ambiente político ou à possibilidade de racionamento energético", diz o economista Silvio Sales, consultor da FGV, em nota.

Segundo a instituição, as expectativas foram o que mais influenciaram o resultado. Ao todo, 10 das 12 atividades investigadas tiveram melhora na confiança na passagem do mês.

Em abril, o Índice de Expectativas (IE-S) subiu 7,0%, para 105,7 pontos, após recuo de 10,7% no mês passado. Já o Índice de Situação Atual (ISA-S) teve alta de 0,2%, para 66,1 pontos, após redução de 14,1% na mesma base de comparação. Em março, ambos os índices haviam atingido seus mínimos históricos. A coleta de dados para a edição de abril da sondagem foi realizada entre os dias 02 e 27 deste mês.

EMPREGO

Com a alta de 4,2% na confiança de serviços em abril, puxada pelas expectativas, a intenção dos empresários do setor em contratar também melhorou. O índice de emprego futuro subiu 3,8% na comparação com março. Ainda assim, o índice segue apontando maiores previsões de corte de vagas do que de admissões na atividade.

O emprego previsto atingiu 90,1 pontos após a elevação deste mês. Mesmo assim, trata-se do segundo menor nível da série, iniciada em junho de 2008. Pelo quarto mês consecutivo, a proporção de empresas prevendo demissões nos três meses seguintes (20,4%) superou a fatia de empresas que projetam contratar (10,5%).

A melhora se deu, então, porque no mês passado havia uma parcela ainda maior de empresários que pensavam em dispensar trabalhadores. Eles eram 22,9% dos entrevistados, um máximo histórico na pesquisa. Em toda a série da Sondagem de Serviços, apenas março de 2009 havia apontado um saldo negativo para as projeções de emprego antes dessa sequência verificada entre o fim de 2014 o primeiro trimestre deste ano.

DEMANDA

O porcentual de empresas do total de entrevistadas que esperam crescimento da demanda nos próximos três meses atingiu 24,4% em abril. Era de 20,2% em março, segundo a Fundação Getúlio Vargas. Já a parcela das que preveem redução caiu de 22,9% em março para 17,3% em abril. Enquanto isso, o indicador de tendência dos negócios avançou 4,0% neste mês. A combinação desses resultados levou o Índice de Expectativas (IE-S) a subir 7,0%.

Já a suave melhora do Índice de Situação Atual (ISA-S), com alta de 0,2% em abril ante março, foi determinada pelo aumento de 4,4% no indicador de situação corrente dos negócios. O indicador de volume de demanda atual, porém, cedeu 4,5% no mesmo período.

A perspectiva mais favorável para a demanda somada à avaliação de que os negócios também tendem a melhorar empurraram a confiança do setor de serviços para cima em abril. De acordo com a FGV, estes quesitos determinaram a melhora das expectativas neste mês e, consequentemente, a alta de 4,2% no Índice de Confiança de Serviços (ICS), na comparação com março.



Recuperação somente será efetiva mediante o ajuste das contas públicas e continuidade da redução da taxa de juros pelo Banco Central

comentários

Para Murilo Ferreira, presidente da Vale, além de ter de resolver suas próprias questões internas, país pode sofrer mais com as consequências da globalização

comentários

Mas 9 das 24 atividades industriais tiveram inflação em seus produtos, com destaque para as bebidas, perfumaria e vestuário, de acordo com levantamento do IBGE

comentários