Economia

Índice de atividade econômica sobe 0,41% em julho


O IBC-Br teve alta de 0,22% no acumulado do trimestre encerrado em julho passado, de acordo com o Banco Central


  Por Estadão Conteúdo 14 de Setembro de 2017 às 09:10

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Após avançar 0,55% em junho (dado já revisado), a economia brasileira registrou nova alta julho de 2017. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) avançou 0,41% em julho ante junho, na série com ajuste sazonal, informou nesta quinta-feira, 14, a instituição.

O índice de atividade calculado pelo BC passou de 135,06 pontos para 135,62 pontos na série dessazonalizada de junho para julho. Este é o maior patamar para o IBC-Br com ajuste desde dezembro de 2015 (136,7 pontos).

Na comparação entre os meses de julho de 2017 e julho de 2016, houve alta de 1,41% na série sem ajustes sazonais. Esta série encerrou com o IBC-Br em 137,84 pontos em julho, ante 135,92 pontos de junho deste ano e 134,28 pontos de julho do ano passado.

O indicador de julho de 2017 ante o mesmo mês de 2016 mostrou desempenho melhor que o apontado pela mediana (+0,90%) das previsões de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast (zero a +2,40% de intervalo). O patamar de 137,84 pontos é o melhor para meses de julho desde 2015 (143,49 pontos).

O IBC-Br acumulou alta de 0,14% em 2017 até julho. O percentual diz respeito à série sem ajustes sazonais. Pela mesma série, o IBC-Br apresenta recuo de 1,44% nos 12 meses encerrados em julho.

O índice teve alta de 0,22% no acumulado do trimestre encerrado em julho deste ano, ante os três meses anteriores, pela série ajustada do BC. Já na comparação do trimestre encerrado em julho deste ano com o mesmo período do ano passado, o IBC-Br avançou 0,91% pela série observada.

Revisões

Como de costume, o Banco Central revisou dados do Índice de Atividade Econômica na margem, na série com ajuste. Em junho, o IBC-Br passou de +0,50% para +0,55%. Em maio, o índice foi de -0,37% para -0,28%. No caso de abril, o percentual permaneceu em +0,19%.

O dado de março foi revisado de -0,48% para -0,41% e o de fevereiro foi de +1,42% para +1,44%. Em relação a janeiro, o BC substituiu a taxa de +0,54% pela de +0,52%.

Conhecido como prévia do BC para o PIB, o IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses. A previsão oficial do BC para a atividade doméstica em 2017 é de avanço de 0,5%. No Relatório de Mercado Focus publicado na última segunda-feira, dia 11, a mediana das estimativas do mercado para o Produto Interno Bruto (PIB) este ano está em 0,60%.