São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Economia

Inadimplência tem alta de 8% em novembro
Imprimir

No ano, o indicador deve avançar 2,3% na comparação com 2013

A inadimplência do consumidor avançou 8% em novembro, na comparação com outubro, de acordo com dados da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). O valor médio das dívidas registradas no mês foi R$ 1.216,42. Na comparação com novembro de 2013, o indicador subiu 3,5%. No ano, a inadimplência acumula alta de 2,3%. O levantamento cobre todo o País.

Para Flávio Calife, economista da Boa Vista, mesmo com a alta de novembro, os números do ano mostram que a inadimplência está sob controle. Ele prevê que o indicador feche o ano no patamar atual, em 2,3%. Segundo o economista, a maior seletividade do crédito e a queda no consumo explicam o resultado. “Do lado da oferta, a concessão do crédito segue rigorosa desde 2012. Pelo lado da demanda, os desaquecimentos do mercado de trabalho e da renda levam o consumidor a se endividar menos”, diz Calife.

A demanda por crédito segue em queda desde o início do ano, também segundo dados da Boa Vista. O último índice divulgado mostrou que entre janeiro e outubro a procura do consumidor por empréstimo recuou 6,4%, na comparação com igual período do ano passado.

Para 2015, o economista acredita em elevação da inadimplência. Segundo ele, o cenário para o consumidor será “um pouco pior”, com mais problemas para quitar as dívidas, consequência do arrefecimento da renda, que deve continuar no próximo ano, e dos juros, que tendem a crescer mais.

Quando corte no levantamento da Boa Vista é feito apenas para o segmento do varejo, a inadimplência de novembro, na comparação com outubro, cresce 5%. Mas a alta no mês não reflete o resultado do ano, que mostra queda de 11,3% no indicador.

Na análise regional, o resultado acumulado no ano – até novembro – mostra que a inadimplência subiu 8,4% no Sul, 6,2% no Centro-Oeste, 2,7% no Nordeste, 0,9% no Norte, e 0,4% no Sudeste.
 



Os bancos são os que concentram a maior parte das dívidas, seguidos pelo comércio, comunicação e água e luz

comentários

Apesar de 83% dos inadimplentes jovens carregarem smartphones, a maioria rejeita negociar por voz. Uso de whatsapp dobrou

comentários

No acumulado deste ano, o indicador avançou 24,9% em relação ao mesmo período de 2015

comentários