São Paulo, 24 de Janeiro de 2017

/ Economia

Inadimplência sobe em abril, mas se mantém em patamar seguro
Imprimir

Informações da Boa Vista SCPC apontam alta de 0,5% no indicador geral, com queda de 5,3% quando o recorte é feito apenas para o varejo

A inadimplência do consumidor subiu 0,5% em abril quando comparada com o resultado de março. O dado é da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito).

Em relação a abril do ano passado, no entanto, houve queda de 7,5%. O valor médio das dívidas que geraram inadimplência foi de R$ 1.054,00 no mês passado.

No acumulado dos quatro primeiros meses do ano, o indicador recua 0,3% na comparação com igual período de 2014. E em 12 meses há alta de 1,1%.

A equipe de economistas da Boa Vista afirma que a tendência de longo prazo para a inadimplência do consumidor está em linha com os dados oficiais do Banco Central (BC). A empresa estima que o indicador deve terminar o ano com alta de 3,0%, em um cenário sem grandes perspectivas de crescimento da economia no curto prazo.

VAREJO 

Quando considerado apenas o varejo, subconjunto do indicador geral, a inadimplência caiu 5,3% na comparação com o resultado de março e recuou 6,9% na comparação com abril do ano passado.

Na análise regional, houve aumento na margem em quase todas as regiões (Centro-Oeste +5,0%, Norte +3,6%, Sul +2,2% e Nordeste +1,1%), com o Sudeste (-1,2%) na contramão.

O indicador de registro de inadimplência da Boa Vista é elaborado a partir da quantidade de novos registros de dívidas vencidas e não pagas  informados à companhia pelas empresas credoras.

 



O setor com maior queda foi o de tecidos, vestuário e calçados, que recuou 9,2%, seguido pelo de combustíveis e lubrificantes que teve queda de 5,6%

comentários

Dados da Boa Vista SCPC mostram ainda que a inadimplência das empresas se manteve estável ao longo do ano passado

comentários

A expectativa é de manutenção dos baixos níveis de inadimplência, dada a perspectiva de retomada da atividade econômica e como consequência da diminuição dos juros

comentários