São Paulo, 29 de Maio de 2017

/ Economia

Governo eleva para R$ 129 bi meta do déficit primário de 2018
Imprimir

A revisão, para baixo, do crescimento da economia para este ano levou o ministro Henrique Meirelles, da Fazenda, a projetar um déficit maior para o ano seguinte

O governo federal elevou de R$ 79 bilhões para R$ 129 bilhões a meta de déficit primário para 2018. O déficit primário é o resultado negativo das contas do governo antes do pagamento dos juros da dívida pública.

Será o quinto ano em que a União fecha com as contas no vermelho gastando mais do que arrecada. No caso do setor público consolidado, que inclui Estados, municípios e estatais, a meta é de déficit de R$ 131,3 bilhões para o ano que vem. Ambos os valores equivalem a 1,8% do Produto Interno Bruto (PIB).

A revisão para um déficit maior era considerada necessária para garantir credibilidade à política fiscal diante do cenário menos favorável de receitas do que o estimado inicialmente. 

Quando a meta indicativa de déficit em 2018 foi divulgada, em julho de 2016, a previsão de crescimento era de 1,6% neste ano - o que não vai ocorrer, pois o próprio governo já espera alta de 0,5% - e de 2,5% no ano que vem - expectativa que foi mantida.

"As previsões decorrem de efeitos da crise de 2016, 2015 na economia. São efeitos defasados, principalmente na arrecadação", disse o ministro Henrique Meirelles, da Fazenda.

Com isso, o valor da meta primária de 2018 fica muito próximo do déficit de R$ 139 bilhões esperado para o governo central neste ano. 

Depois de fixar uma meta negativa em R$ 170,5 bilhões para 2016, a equipe econômica sempre destacou a necessidade e o compromisso com a redução do déficit público ano a ano.

Em 2019, o governo central deve ter novo déficit segundo as projeções do governo, desta vez de R$ 65,0 bilhões. Só em 2020 é que o resultado primário voltará ao azul, com superávit esperado de R$ 10 bilhões.

No caso do setor público consolidado, as metas são de déficit de R$ 63,8 bilhões em 2019 e de superávit de R$ 23,2 bilhões em 2020.

Neste ano já houve dificuldade para fechar as contas. Apesar de a meta fiscal de 2017 admitir um déficit de R$ 139 bilhões, o governo identificou um rombo de R$ 58,2 bilhões no Orçamento deste ano e precisou tomar medidas duras para garantir o cumprimento da meta. 

Entre elas estão a reoneração da folha de pagamentos, o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para as cooperativas de crédito e um corte de nada menos que R$ 42,1 bilhões em despesas previstas até dezembro.

Sem as medidas, o déficit do governo central este ano seria maior que o saldo negativo de R$ 154,2 bilhões registrado no ano passado.

PIB

Meirelles disse que a economia brasileira deve crescer 2,5% no ano que vem. Essa é a estimativa oficial do governo, que também projeta avanços no PIB de 2,5% em 2019 e de 2,6% em 2020.

"Evidentemente, existe uma série de pressupostos, na medida em que temos uma série de propostas em tramitação que vão aumentar a taxa média de produtividade da economia. É possível que as taxas de crescimento sejam maiores, são números bastante conservadores para os próximos anos", disse o ministro.

Para este ano, a expectativa de crescimento é de 0,5%, com um crescimento de 2,7% no último trimestre deste ano em relação a igual período de 2016. "Como houve queda pronunciada do PIB em 2016, há carregamento estatístico para 2017", disse o ministro.

Em relação à inflação, o governo projeta 4,3% neste ano e 4,5% para 2018, 2019 e 2020. A projeção para taxa Selic utilizada é de 9% em 2018, 2019 e 2020, como no Boletim Focus, destacou Meirelles. Já o câmbio médio é de R$ 3,30 em 2018 e de R$ 3,50 em 2019 e 2010.

IMAGEM: Agência Brasil



Diante da confusão na Esplanada dos Ministérios, reunião para tratar da reforma deve ser adiada para a próxima terça-feira (30/05)

comentários

O novo cálculo leva em consideração a previsão de alta na arrecadação previdenciária e receitas que devem vir com as concessões de infraestrutura

comentários

Já sob impacto da crise, a taxa de inflação projetada para 2017 caiu de 3,93% para 3,92%, de acordo com o boletim Focus, do Banco Central

comentários