São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Economia

Focus sinaliza inflação nas alturas e queda do PIB
Imprimir

Relatório semanal com analistas de instituições financeiras traz projeção pior para escalada de preços e crescimento da economia. Preços administrados continuam a pressionar a inflação

Depois de considerar a expectativa de recessão no relatório da semana passada, o relatório Focus mostra que piorou a projeção para o Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todos os bens e serviços produzidos pela economia), que passou de queda de 0,42% para 0,50%. 

A expectativa está em linha com a do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depec) do Bradesco, que é de queda de 0,50% do PIB neste ano. 

Após evento realizado na manhã desta segunda-feira (23/02), com o ministro Joaquim Levy, na Câmara de Comércio França-Brasil (CCFB), Octávio de Barros, diretor de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco, disse que aguarda a revisão do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para o PIB para revisar a projeção deste ano.

“O número negativo está sujeito à revisão, dependendo da série do IBGE (até 2014). Para a inflação, nosso número é de 7,5% para este ano e de 5,20% para 2016”, diz. 

A inflação será a principal vilã da economia neste ano. Para o Depec, do Bradesco, tal patamar levará a taxa básica de juros (Selic) para 13% no fim deste ano. 

O relatório Focus mostra que a projeção para a Selic de 2015 não mudou e permaneceu em 12,75% de uma semana para outra. Para 2016, a expectativa foi mantida em 11,50%. Para o grupo dos analistas que mais acertam as projeções, o Top 5, a Selic deve encerrar este ano em 13%. A estimativa para o próximo ano é de 11,38%. 

A expectativa tanto de analistas da Focus, quanto do Depec do Bradesco é a de que o Comitê de Política Monetária (Copom) eleve a Selic em 0,50 ponto percentual (p.p.) na reunião da próxima semana, levando a taxa de juros dos atuais 12,25% ao ano para 12,75% ao ano. 

Os analistas do Focus também elevaram a estimativa para a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), para o fim deste ano. A projeção desta semana é de 7,33%, acima dos 7,27% estimados da semana passada e bem longe do teto da meta (limite máximo tolerado) de 6,50% ao ano. 

O Top 5 manteve a projeção para o IPCA em 7,12% para este ano, assim como na semana passada. Para 2016, a expectativa deste grupo é que a inflação encerre o ano em 5,60%. 

O Banco Central trabalha com um cenário de alta para o IPCA no curto prazo, mas espera que o indicador atinja o centro da meta de 4,5% ao ano no fim de 2016. 

Por enquanto, os preços devem mostrar um certo descontrole. Depois da alta de 1,24% de janeiro, os analistas preveem que o IPCA suba 1,04% em fevereiro. Na semana anterior, a projeção deles era de 1,02% e um mês antes, 1%. Para março, é aguardada uma pequena desaceleração da taxa, que deve ser de 0,79%. 

A aceleração do IPCA deve ser impulsionada pela alta dos preços administrados, como os de tarifa de energia, água, gás, combustíveis e transportes. Para o Focus, esse conjunto de itens deve subir 10,40% neste ano. Na semana passada, a expectativa era que a alta fosse de 10%. Há um mês, esperava-se alta de 8,70%, estimativa que vem sendo revisada para cima há 11 semanas. 

Para 2016, a expectativa que os preços administrados subam 5,50% ao ano, uma projeção mais pessimista do que a divulgada pelo Banco Central na ata da última reunião do Copom, que é de 5,1% no próximo período. 

Já para os demais índices de inflação não houve piora nas expectativas. Para o IGP-DI (Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna), a projeção é de 5,75% este ano, contra estimativa de 5,81% na semana passada. 

Para o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), a projeção ficou estacionada em 5,81%, na comparação com a semana passada. O mesmo comportamento os analistas tiveram em relação ao IPC-Fipe (Índice de Preços ao Consumidor), para o qual a expectativa é a mesma: de 6,47% neste ano. 

Depois de engatar alta nas negociações atuais, o dólar chegou a R$ 3,00 na expectativa do relatório Focus para 2016.Há uma semana, a projeção para a taxa de câmbio era de R$ 2,93 e há um mês, de R$ 2,90. Para o fechamento deste ano, os analistas mantiveram a estimativa de R$ 2,90. 

* Com informações do Estadão Conteúdo



Em 12 meses, o resultado ficou em 6,99%, ainda muito acima do teto da meta estipulada pelo governo, de 6,5%

comentários

Redução maior foi discutida na reunião do Copom, mas ainda depende da queda na resistência de alguns componentes do índice de preços, segundo Ilan Goldfajn, presidente do BC

comentários

Porém, no acumulado do ano, o valor supera o registrado em 2015. A informação é do Dieese, que diz que o salário mínimo necessário para suprir as necessidades das famílias seria R$ 3.940

comentários