São Paulo, 30 de Setembro de 2016

/ Economia

Estagnada, a economia cresceu apenas 0,1% em 2014
Imprimir

Apesar de percentual positivo, mas próximo de zero, atividade ficou estagnada e só não foi pior por causa do novo cálculo do PIB. Resultado da indústria e do comércio foi negativo

A economia ficou estagnada em 2014, com uma variação de apenas 0,1% do PIB (Produto Interno Bruto) sobre o ano anterior, segundo resultado divulgado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), nesta sexta (27/3). Este foi o pior resultado desde 2009, quando a economia caiu 0,2%. 

O PIB de 2014 somou R$ 5,52 trilhões - o indicador corresponde à soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país para o consumo das famílias. A expectativa era de uma queda de 0,1% do PIB de 2014, segundo o Relatório Trimestral de Inflação, divulgado na quinta (26/3) pelo Banco Central. 

Em outras palavras, a queda significa recessão – um quadro que, se não ocorreu no ano passado, e tem mais chances de se concretizar neste ano. A projeção da autoridade monetária é de queda do PIB de 0,5% neste ano. A estimativa ainda é mais otimista do que a dos economistas do relatório de mercado Focus, de recuo de 0,83% para este ano.

O que favorece um quadro mais negativo para este ano é o ajuste fiscal, que deve desacelerar ainda mais a economia. “O Banco Central admitiu que a inflação ficará em 7,9%, acima do centro meta de 4,5% neste ano. E que fará esforços para que fique em 4,9%, convergindo para o centro em 2016. Assim, sinaliza aumento de juros, o que vai implicar em recessão”, afirma Emílio Alfieri, economista da (ACSP) Associação Comercial de São Paulo. No entanto, ele diz que será necessário passar por esse processo para que a economia retome o crescimento.

O que trouxe o PIB para um percentual positivo foi a revisão no cálculo pelo IBGE para os anos de 2010, 2011, 2012, 2013 e 2014. Para se ter uma ideia, o recálculo do PIB de 2013, levou o indicador a um crescimento de 2,7% ante 2,5% pela conta anterior. O mesmo ocorreu para o resultado de 2012, que passou de crescimento de 1% para 1,8%. 

Isso porque o novo cálculo do indicador incorporou o padrão internacional recomendado pela ONU (Organização das Nações Unidas), OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), FMI (Fundo Monetário Internacional) e Banco Mundial que praticamente atualiza e acrescenta dados que refletem as mudanças significativas no consumo das famílias.

A ideia é que o indicador de crescimento do Brasil possa ser comparável ao de outros países. 

“Hoje, por exemplo, existem produtos e serviços que são consumidos pelas famílias que no passado não eram oferecidos e, assim, não entravam no cálculo. Um exemplo é o consumo com telefone celular, que passou a ter maior representatividade no orçamento familiar. Com a inclusão, é natural que o PIB seja maior. Antes todo gasto com pesquisa e desenvolvimento pelas empresas era considerado consumo, quando na verdade é um investimento de longo prazo que gera produtividade e gera riqueza”, diz Otto Nogami, professor de economia do Insper.

Para o governo, o novo cálculo tem duas faces: por um lado melhora a condição da dívida, que é medida em valores absolutos e assim pode ser a mesma ou até menor em proporção a um PIB maior. Por outro, aumentará o esforço de superávit primário (economia do governo para pagar os juros da dívida) que, ao contrário, é definido como um percentual, hoje de 1,2% do PIB. “A diferença no valor do superávit ainda deve ser pequena com o novo cálculo, que deve passar de R$ 66 bilhões para R$ 70 bilhões”, diz Alfieri.

O PIB per capita foi de R$ 27.229 no ano passado e caiu 0,7% na comparação com 2013, quando o crescimento havia sido de 1,8% sobre 2012. O indicador mede o tamanho da economia brasileira em relação à população. 

QUEDA NO COMÉRCIO E FREIO NO CRÉDITO

Segundo o IBGE, no último trimestre de 2014 o PIB cresceu 0,3% na comparação com o trimestre anterior. O resultado mostra que o resultado foi puxado pelos setores de serviços e agropecuária, que cresceram 0,3% e 1,8% respectivamente. Por outro lado, a indústria teve queda de 0,1% na atividade. 

O resultado fechado de 2014 mostra que a lógica foi a mesma: o setor de serviços cresceu 0,7% e a agropecuária, 0,4%, enquanto a indústria teve queda de 1,2%. 

No setor de serviços, o comércio caiu 1,8% e os demais cresceram no ano passado. Os destaques foram os serviços de informação, com alta de 4,6%, atividades imobiliárias (3,3%) e transporte, armazenagem e correio (2%). 

"O comércio que teve resultado negativo foi mais o atacadista, principalmente, porque está ligado à indústria. Em 2014, os serviços mais relacionados com a indústria foram os que tiveram desempenho pior, isso é claro", diz Rebeca Palis, coordenadora das Contas Nacionais no IBGE.

A despesa de consumo das famílias cresceu 0,9%, bem menos do que os 2,9% em 2013. O resultado do consumo das famílias do ano passado foi o pior desde 2003.  Por um lado, segundo o IBGE, a massa salarial dos trabalhadores cresceu 4,1% em termos reais, mas por outro, o crédito para as pessoas físicas cresceu menos na comparação.

O freio no crédito contribuiu para o crescimento menor do consumo das famílias em 2014. 
"A massa salarial continua crescendo. Mas, por outro lado, o crédito específico para pessoa física teve crescimento nominal de 5,8%, então, se você olhar pelo IPCA (de 6,41% em 2014), o crédito não está mais crescendo em termo real", afirma Rebeca.

No setor agropecuário, os destaques foram a produção de soja, que cresceu 5,8%, e a de mandioca (8,8%). No entanto, ambas as culturas apresentaram queda na produtividade. Houve queda no cultivo de cana-de-açúcar (-6,7%), milho (-2,2%), café (-7,3%) e laranja (-8,8%). 

Na indústria, o que puxou o resultado negativo foi a indústria de transformação, que caiu 3,8%. Além disso, construção civil, eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana caíram 2,6%.

QUEDA DE IMPOSTOS E INVESTIMENTOS

A queda de 0,3% no volume de impostos em 2014 ante 2013 contribuiu negativamente para o PIB, segundo Rebeca. O valor agregado da economia cresceu 0,2%, mas, com o efeito dos impostos, a taxa de crescimento da economia diminuiu para 0,1%. Isso só havia ocorrido em 2009. 

"Isso ocorreu principalmente por conta do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), ligado diretamente à indústria de transformação, e também por causa do imposto de importações, cujo volume caiu no ano", diz a coordenadora.

Segundo o IBGE, em volume, houve queda de 4,7% do Imposto de Importação e de 1,7% do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados). 

A menor arrecadação também está relacionada à queda de 4,4% nas importações no ano passado. As exportações recuaram 10,7% no quarto trimestre do ano passado, o pior resultado para o setor desde o primeiro trimestre de 2009

O investimento produtivo de longo prazo, representado pela Formação Bruta de Capital Fixo, caiu 4,4%, o pior desempenho desde 1999.A taxa de investimento foi de 19,7% do PIB em 2014, menor do que os 20,5% de 2013. A taxa de poupança do país (que totaliza recursos de famílias e governo) também piorou e passou de 17% em 2013 para 15,8% no ano passado. A poupança é uma medida da capacidade de investimento da economia. 

* Com informações de Estadão Conteúdo



Economistas e urbanistas apontam o planejamento como instrumento de maior potencial para favorecer o ambiente de negócios na capital paulista

comentários

Salto de 41% nas importações de bens intermediários sugere que há uma recuperação não apenas nos investimentos, mas também na produção industrial

comentários

Todos os setores da economia registraram recuo. Projeção do Banco Central é que saldo de financiamentos no Brasil diminua 2% em 2016

comentários