São Paulo, 28 de Junho de 2017

/ Economia

Em fevereiro, vendas do comércio paulistano caem 9,2%
Imprimir

Efeito-calendário do feriado no Carnaval atrapalha movimento nas lojas. “Tarifaço” e crise hídrica drenaram a renda e geraram impacto negativo na confiança do consumidor

Os resultados negativos também ficaram para depois do Carnaval: em fevereiro, as vendas à vista e a prazo no comércio paulistano registraram queda de 9,2%, em média, segundo dados do Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).
 
Na divisão por modalidade de venda, as quedas foram de 16% e 15% em fevereiro ante janeiro, respectivamente, causadas pelo efeito-calendário de três dias úteis a menos. 

Já na comparação com igual período de 2014, a queda nas vendas foi um pouco menor, de 8,3% e 10,1%. No ano passado, o feriado caiu em março, que teve só um dia útil a menos.  

LEIA MAIS: Sinais de demissões já alcançam o setor de varejo

Segundo Emílio Alfieri, economista da ACSP, a queda média nas vendas foi agravada pelo “tarifaço”, o recente aumento substancial de tarifas públicas como água, luz e combustível. Já a crise hídrica pode ter obrigado o consumidor a gastos para obter um consumo mais eficiente. 

“Esses efeitos literalmente drenaram a renda disponível – o que gerou um impacto ainda mais negativo na confiança desse consumidor, que já está abalada”. Dados da Fundação Getúlio Vargas confirmam: fevereiro foi o mês que a confiança mais despencou, e chegou a -8,8%. 

Rogério Amaro, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) diz que a expectativa é de uma recuperação das vendas em março e de um efeito reverso, já que março de 2014 contou com Carnaval.

"Depois, poderemos analisar como foi o varejo no trimestre, sem os efeitos de feriados e de efeito-calendário”, completa. 

INADIMPLÊNCIA PERMANECE CONTROLADA

Pelo Balanço de Vendas da ACSP, o registro de consumidores inadimplentes subiu 6,1% em fevereiro ante janeiro – elevação sazonal, já que janeiro sempre costuma apresentar níveis menores do indicador, afirma Emílio Alfieri.
 
Na comparação com fevereiro de 2014, por outro lado, os níveis de inadimplência caíram 10,3%.  “O consumidor também prefere transferir as negativações para depois do Carnaval”.

Já os indicadores de recuperação de crédito mostram alta de 7,3% em fevereiro comparado a janeiro, e queda de 11,3% ante igual período do ano anterior.  

O economista da ACSP explica que, de modo geral, os indicadores mostram uma ligeira propensão à alta – apesar de a taxa líquida de inadimplência da carteira do varejo hoje estar em um quadro de 4,6% - abaixo da média histórica de 5% da taxa no Brasil.
 
“Tudo indica que ela deve permanecer sob controle. Mas desde que o emprego não suba de forma acentuada”, finaliza. 



Depende. Em primeiro lugar, o comerciante deve conhecer e calcular todos os custos envolvidos nas vendas realizadas em cada meio de pagamento

comentários

Com a queda neste mês, o Índice de Confiança do Comércio medido pela FGV, retornou ao nível de março

comentários

Este ano será marcado pela tentativa das cervejarias, mais do que nunca, "roubar" mercado das rivais

comentários