São Paulo, 30 de Maio de 2017

/ Economia

Demanda por crédito entre micro e pequenas empresas cresce 20%
Imprimir

Alta é exclusiva da carteira de crédito do Banco Brasil, que estima crescimento do PIB em 0,5% em 2017

O presidente do Banco do Brasil, Paulo Caffarelli, disse que a economia brasileira já começa a dar sinais de recuperação. Segundo ele, a demanda de micro, pequenas e médias empresas por crédito no BB subiu 20% em comparação com o ritmo que vinha sendo observado até fevereiro.

"É o primeiro mês que temos essa recuperação", afirmou Caffarelli, durante um evento do BB e do Sebrae no Centro Cultura Banco do Brasil (CCBB), em Brasília. "Crédito e confiança andam juntos e são dois conceitos fundamentais na retomada do crescimento econômico do nosso País."

Caffarelli afirmou que parte desse crescimento pode ser atribuído a uma estratégia do próprio Banco do Brasil e ponderou que a amostra do banco é pequena. "Mas, de qualquer forma, a demanda aumentou", disse.

Caffarelli disse que a estimativa do Banco do Brasil é que o PIB do País cresça 0,5% neste ano e 2,5% em 2018. "E há uma expectativa de que o PIB seja positivo no primeiro trimestre, depois de 8 trimestres", afirmou.

Segundo ele, o dinheiro sacado das contas inativas do FGTS terão contribuição fundamental para esse resultado.

O presidente do BB disse ainda que os CDS (Credit Default Swap, na sigla em inglês) com prazo de cinco anos, negociados pela instituição financeira no exterior, estão no mesmo patamar de quando o Brasil ainda tinha grau de investimento.

"É um indicador positivo", afirmou, ressaltando que as medidas adotadas pelo governo já estão sendo precificadas.

Caffarelli disse que a inflação está numa trajetória em direção à meta e deve acumular 3,5% nos 12 meses encerrados em julho.

Ele citou também que a produção industrial teve resultado positivo de 1,4% em janeiro comparativamente ao mesmo mês do ano passado, um desempenho que não ocorria desde o fim de 2014.

"Teremos a maior safra de todos os tempos, com alta de 20%", afirmou o presidente do BB. "Tivemos uma alta de 76% na Bolsa, um belíssimo indicador antecedente positivo."

IMAGEM: Thinkstock



O Estado de São Paulo é o maior cliente do banco de desenvolvimento. Infraestrutura e agronegócios estão entre os setores mais financiados

comentários

O baixo nível de poupança também é alarmante: 83% não consegue poupar sequer um mês de salário

comentários

Ao extinguir o compulsório adicional cobrado dos bancos sobre os depósitos na caderneta de poupança, além dos novos recursos o Conselho Monetário Nacional quer induzir à redução dos juros

comentários