São Paulo, 23 de Maio de 2017

/ Economia

Custo de vida na cidade de São Paulo cai 0,18% em abril
Imprimir

Habitação e transporte foram os grupos que mais contribuíram para queda do índice, de acordo Dieese

O Índice do Custo de Vida (ICV) na cidade de São Paulo registrou retração de -0,18% em abril em relação a março, segundo pesquisa divulgada hoje (8) pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Em 12 meses, o índice teve alta de 3,26% e nos quatro primeiros meses do ano de 0,73%.

A queda em abril foi influenciada pela redução de -1,34% dos custos relacionados à habitação. A retração de -12,72% nas tarifas de energia elétrica provocou uma queda de -2,12% nos subgrupos operação do domicílio e locação, impostos e condomínio (-0,37%).

O grupo transporte também ajudou na queda em abril, com uma redução de -0,65% relacionada as retrações da gasolina (-2,21), diesel (-2,3%), e álcool (-4,33%). O subgrupo transporte coletivo teve, alta de 0,69% devido ao reajuste das tarifas de integração dos trens e metrô.

Os gastos com saúde tiveram alta de 1,23% devido ao reajuste da assistência médica (0,81%) e dos medicamentos e produtos farmacêuticos (3,21%).

As despesas com alimentação registraram elevação de 0,13% em abril, influenciada pela alimentação fora do domicílio (0,38%) e dos produtos in natura e semielaborados (0,22%). A batata teve alta de 21,82%, o tomate de 24,74% e o quiabo de 13,58%.

Em 12 meses, o grupo despesas diversas teve a maior alta (16,4%), sob influência dos gastos com animais domésticos (17,96%) e comunicação (8,07%). 

Educação e leitura teve elevação de 7,83% nos últimos 12 meses, com alta de 8,39% dos cursos formais; 7,15% dos artigos de papelaria e 3,67% para os cursos diversos.

FOTO: Thinkstock



Segundo o Dieese, o salário-mínimo necessário para a manutenção de uma família deveria ser R$ 3.899,66. O atual é de R$ 937

comentários

Em 2016, o número de empregadas nos lares da região metropolitana da cidade aumentou 3,4%

comentários

Número de desempregados subiu para 1,9 milhão de pessoas, 99 mil a mais do que em janeiro. 39 mil postos de trabalho foram eliminados, de acordo com o Dieese

comentários