São Paulo, 06 de Dezembro de 2016

/ Economia

Confiança do consumidor recua em dezembro
Imprimir

A forte queda - de 20 pontos - no otimismo da área composta pelas regiões Centro-Oeste e Norte afetou o Índice Nacional de Confiança

O otimismo do consumidor brasileiro na própria capacidade financeira recuou em dezembro, na comparação com o mês anterior, conforme mostra o INC - Índice Nacional de Confiança -, estudo da ACSP - Associação Comercial de São Paulo - feito em parceria com o Instituto Ipsos. O índice registra hoje 148 pontos, cinco abaixo do medido em novembro. Apesar da queda, o indicador se mantém na metade otimista da escala, que varia de zero a 200 pontos.

Por outro lado, o INC mostrou recuperação quando comparado ao resultado de dezembro do ano passado, quando o indicador marcava 143 pontos. Mas tendo como parâmetro o ano de 2012, a diminuição da confiança é gritante, com queda de 13 pontos. 

Para Rogério Amato, presidente da ACSP e da Facesp – Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo -, grande parte da queda registrada em dezembro pelo INC é resultado do arrefecimento do otimismo na área composta por Centro-Oeste e Norte, que no recorte por regiões registrou a maior queda, recuando de 151 pontos, em novembro, para 131 pontos, em dezembro. 

“A região Centro-Oeste tem como base a força do agronegócio. Mas as commodities agrícolas e pecuárias sofreram fortes quedas nos preços, afetando a confiança dessa região, o que causou reflexo no índice nacional”, diz Amato.

Na região Sul, o INC recuou de 158 pontos em novembro para 146. No Sudeste, a queda foi de 152 para 148 e no Nordeste, a única a mostrar alta, o indicador de dezembro ficou em 154 pontos ante 152 de novembro.

CLASSE SOCIAL

A classe C permanece a mais otimista, ainda que sua confiança tenha recuado na comparação entre novembro, quando registrava 164 pontos, e dezembro (158). Segundo a ACSP, a queda da confiança para esta classe aconteceu, principalmente, pela piora na disponibilidade de crédito.

No grupo A/B a queda foi de 127 pontos para 119. Já entre as classes D/E o INC avançou de 146 pontos para 154. 



Recuperação depende de uma evolução positiva do cenário político e da realização de um ajuste fiscal efetivo

comentários

Nas lojas de móveis e decorações houve o pior desempenho no mês. A menor queda ocorreu no segmento de autopeças e acessórios, de acordo com a pesquisa AC Varejo

comentários

Após três meses de alta, Índice Nacional de Confiança da Associação Comercial de São Paulo para de crescer em novembro. "O consumidor está tentando ajustar seu orçamento", diz Alencar Burti, presidente da ACSP (foto)

comentários