São Paulo, 19 de Fevereiro de 2017

/ Economia

Com racionamento de água e energia, PIB pode cair até 2%
Imprimir

Em São Paulo e no Rio, as medidas de redução de consumo afetarão 60% das indústrias

A falta de energia e de água pode agravar o quadro recessivo da economia brasileira esperado para este ano. A queda no Produto Interno Bruto (PIB) projetada por economistas inicialmente em 0,5% para 2015 pode chegar a 1,8%, só por causa de um racionamento de energia, segundo a consultoria Tendências. Já a equipe de economistas do banco Credit Suisse considera um recuo de até 1,5% no PIB com o problema energético. Se for levado em conta também um corte no abastecimento de água, o recuo será ainda maior, podendo chegar a 2%, afirma Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências.

O impacto de um racionamento de água na atividade é um cenário novo para traçar projeções, pois não se sabe quanto as empresas do setor de serviços, que responde por 67% do PIB, consomem de água, observa Alessandra. Na indústria, existem alguns parâmetros. Para fabricar um carro e uma calça jeans, por exemplo, são gastos 400 mil litros e 17,2 mil litros de água, respectivamente.

Nas últimas semanas, a situação do abastecimento de água complicou para as indústrias de São Paulo, Rio Janeiro e de Minas Gerais. O governo do Rio se reuniu com grandes indústrias, como Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), Gerdau e Furnas e determinou que elas comprem água de reúso para liberar mais água do Rio Guandu para a população.

Em São Paulo, a Agência Nacional de Águas e o Departamento de Águas e Energia Elétrica determinaram que as indústrias que captam água das bacias dos rios Jaguari, Camanducaia e Atibaia reduzam em 30% o consumo diário após o reservatório do Sistema Cantareira ficar abaixo de 5%.

Em Minas, o governo convocou os empresários da Região Metropolitana de Belo Horizonte a reduzirem o consumo em 30% dentro de 90 dias. Segundo o gerente de Meio Ambiente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, Wagner Soares Costa, a medida afetará 15 mil pequenas indústrias, que não têm captação própria.

Em São Paulo e no Rio, as medidas de redução de consumo afetarão 60% das indústrias, calculam a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). O impacto é considerável, já que as indústrias paulista e fluminense respondem por 7,5% do PIB do País.

Pesquisa feita pela Firjan no fim de 2014 mostrava que três em cada dez indústrias já estavam sendo afetadas pela escassez de água. Neste mês, o problema foi ampliado, mas a entidade não tem nova sondagem. Entre as empresas afetadas, 6% demitiram por causa de dificuldades na produção e 1,3% deram férias coletivas.

Jorge Peron, especialista em Meio Ambiente da Firjan, diz que 3,8 mil empresas estão às margens do Rio Paraíba do Sul, que está com 2,5% de nível de água. Essas empresas respondem por 65% do PIB do Estado e empregam 35 mil pessoas. "Algumas têm mais e outras menos dependência de água e é certo que várias serão afetadas."

Segundo Paulo Skaf, presidente da Fiesp, empresas que respondem por 56% do PIB industrial paulista (cerca de 40 mil estabelecimentos que empregam 2 milhões de pessoas), estão sob risco. "A situação é gravíssima e vai afetar fortemente todos - indústria, comércio, agricultura, população -, mas ainda não é possível medir esse impacto." Ele não descarta, contudo, a possibilidade de, num cenário crítico, empresas terem de parar a produção.

"É o resumo da falta de obras, falta de transparência, de providências em tempo certo e agora quem vai pagar o pato é a sociedade", afirma Skaf.

A preocupação com racionamento afetou as expectativas da indústria. Sondagem da Indústria de Transformação da FGV mostra que em janeiro o índice de expectativa de negócios para seis meses caiu para um nível próximo de 100 pontos, que é muito baixo em termos históricos, observa o superintendente da FGV, Aloisio Campelo. "Esse resultado tem a ver com muitos fatores: desde a expectativa de que a demanda continua enfraquecida até preocupação com riscos de racionamento de água e de energia."



Ministério do Planejamento informa que medida deve incrementar o PIB de 2017 em 0,07 ponto percentual

comentários

Na avaliação do banco Santander, este será um ano de inflexão. Saques do FGTS podem dar estímulo adicional ao PIB em até 0,4%

comentários

O ministro da Fazenda disse que retomada será guiada pela expansão do consumo e retorno dos investimentos

comentários