São Paulo, 20 de Fevereiro de 2017

/ Economia

Cenário será ainda mais negativo para o varejo no terceiro trimestre
Imprimir

Estudo da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) revela que desempenho será pior tanto para o varejo nacional quanto para o Estado de São Paulo

O desempenho do varejo deverá piorar ainda mais no terceiro trimestre deste ano, de acordo com estudo divulgado nesta quinta feira (11) pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

A entidade projetou a tendência das vendas nos varejos nacional e paulista no terceiro trimestre deste ano. Em ambos os casos a perspectiva é de piora, com recuos de 0,8% no Brasil e de 3,6% no Estado de São Paulo, no período acumulado de 12 meses até setembro de 2015, comparando-se com os 12 meses anteriores. 

As projeções têm como base indicadores antecedentes construídos pelo Instituto de Economia da ACSP a partir do Índice Nacional de Confiança e do Índice de Confiança do Consumidor Paulista, ambos da ACSP/IPSOS, além de dados disponibilizados pelo IBGE e pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo. ]

“A maior contração, no caso, do varejo paulista, pode ser explicada pelo fato de que, no Estado, são mais intensos os efeitos da crise industrial sobre os empregos e os salários, em relação às demais regiões do País”, afirma Alencar Burti, presidente da ACSP e da Facesp (Federação das Associações Comerciais de São Paulo).

A estimativa do Instituto de Economia da ACSP segue o enfoque atual utilizado nos Estados Unidos e na Europa, que emprega somente índices de confiança do consumidor, que são capazes de sintetizar a situação econômica das famílias em relação a emprego, renda, crédito e expectativas futuras.



Não poderá vir majoritariamente do consumo, pois o elevado desemprego, o alto grau de endividamento e a contração do crédito impedirão um rápido aumento das compras

comentários

Debate na ACSP questiona decisão judicial e discute o status de arte dessa manifestação. "Combate a grafites e pichações não compete ao DPH", afirma diretora de Patrimônio Histórico

comentários

Isso devido à queda de vendas e fechamento recorde de lojas no mesmo período, de acordo com levantamento da Confederação Nacional do Comércio (CNC)

comentários