São Paulo, 28 de Maio de 2017

/ Economia

Cenário será ainda mais negativo para o varejo no terceiro trimestre
Imprimir

Estudo da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) revela que desempenho será pior tanto para o varejo nacional quanto para o Estado de São Paulo

O desempenho do varejo deverá piorar ainda mais no terceiro trimestre deste ano, de acordo com estudo divulgado nesta quinta feira (11) pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

A entidade projetou a tendência das vendas nos varejos nacional e paulista no terceiro trimestre deste ano. Em ambos os casos a perspectiva é de piora, com recuos de 0,8% no Brasil e de 3,6% no Estado de São Paulo, no período acumulado de 12 meses até setembro de 2015, comparando-se com os 12 meses anteriores. 

As projeções têm como base indicadores antecedentes construídos pelo Instituto de Economia da ACSP a partir do Índice Nacional de Confiança e do Índice de Confiança do Consumidor Paulista, ambos da ACSP/IPSOS, além de dados disponibilizados pelo IBGE e pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo. ]

“A maior contração, no caso, do varejo paulista, pode ser explicada pelo fato de que, no Estado, são mais intensos os efeitos da crise industrial sobre os empregos e os salários, em relação às demais regiões do País”, afirma Alencar Burti, presidente da ACSP e da Facesp (Federação das Associações Comerciais de São Paulo).

A estimativa do Instituto de Economia da ACSP segue o enfoque atual utilizado nos Estados Unidos e na Europa, que emprega somente índices de confiança do consumidor, que são capazes de sintetizar a situação econômica das famílias em relação a emprego, renda, crédito e expectativas futuras.



O uso obrigatório do novo código nas notas fiscais começa pela indústria, passa pelo atacado e, por último, o varejo.

comentários

É o que revela o Índice Nacional de Confiança (INC) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), na análise do período entre janeiro e maio. Desemprego ainda é principal fator

comentários

O ritmo de queda deve ser menor, até atingir um recuo de 1,5% em dezembro. Mas reformas precisam prosseguir

comentários