São Paulo, 28 de Setembro de 2016

/ Economia

Brasil continua com o quarto Big Mac mais caro do mundo
Imprimir

O "índice Big Mac" é publicado anualmente pela revista The Economist, e corresponde a uma forma bem-humorada de comparar câmbio e preços

A revista The Economist publicou nesta quinta-feira (22/01) uma nova versão do curioso “índice Big Mac”, em que o Brasil aparece em posição estável, como o quarto país em que é mais caro o sanduíche da cadeia internacional de lanchonetes.

Pela paridade cambial entre o real e o dólar na última quarta-feira (21/01), o Big Mac brasileiro custava em média US$ 4,21. Perde apenas para países como a Suíça, que vende o sanduíche a US$ 7,54 – o sanduíche mais caro entre os 16 países estudados –, vindo seguido pela Noruega, com o Big Mac a US$ 6,30.

Todos os demais países têm preços menores. Os Estados Unidos, por exemplo, estão em quinta posição, logo após o Brasil, com o Big Mac vendido em média a US$ 4,79. A Ucrânia, com US$ 1,20, e a Rússia, com US$ 1,76, são os países em que o sanduíche é mais barato.

A Economist publica anualmente esse índice desde 1986. Não se trata, obviamente, de uma comparação sobre custo de vida e taxa de câmbio com fundamentos que possam valer para toda a economia.

Mas aquilo que a revista chama de forma histriônica de burguernomics não deixa de ser uma maneira de aferir os preços de um produto universalizado no mercado global. O Big Mac está entre as commodities.

Os correspondentes da Economist também constataram que, depois do mercado americano, a lista em ordem decrescente traz a Austrália, o Reino Unido e a Zona do Euro. Filipinas, Japão, Tailândia e China e Índia se seguem na lista.

Além de dezenas de fatores que influem no preço do sanduíche, como o custo da matéria prima e da franquia, a legislação trabalhista e a margem de lucro possível, dentro do segmento do consumidor, a estatística de burguenomics também procura refletir a questão cambial.

Na Índia, por exemplo, a constante estabilidade da rúpia em relação ao dólar não provocou oscilação no preço, que é de US$ 1,89. No Brasil, no entanto, o preço do sanduíche ficou mais barato em dólar em razão da desvalorização do real entre janeiro de 2013 e agora.

Convém lembrar mais uma vez que o “índice Big Mac” não tem nenhuma fundamentação científica. Se ele é tão popular, no entanto, é porque ele se tornou o retrato bem-humorado de um produto exemplar da economia globalizada.



Sete em cada dez entrevistados não pagaram parcelas de empréstimos em dia, seguidos por inadimplentes em cartão de loja

comentários

Dados do Banco Mundial de 2015 mostram que o país tem índice de 20,84% de abertura comercial. Média mundial é de 45,19%

comentários

Projeção para a economia passou de queda de 1,7% do PIB do país para 0,30% em 2017, segundo a Organização para Cooperação e o Desenvolvimento Econômico

comentários