São Paulo, 27 de Março de 2017

/ Economia

Aumento de impostos vai elevar arrecadação em R$ 20,6 bi
Imprimir

Entre as medidas anunciadas pelo ministro Joaquim Levy destaca-se o reajuste que dobrou para 3% a alíquota do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) nas operações de crédito ao consumidor de até 365 dias

O pacote de aumento de impostos ao consumidor e às empresas dos setores de combustíveis, cosméticos e importadoras anunciado pelo ministro Joaquim Levy irá elevar a arrecadação em R$ 20,6 bilhões.

O governo decidiu dobrar a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), de 1,5% para 3%, que incide sobre os empréstimos bancários contratados pelas pessoas físicas. A medida entra em vigor nesta terça-feira, 20. Além disso, o governo elevará tributos sobre a comercialização de gasolina e óleo diesel nos postos de combustíveis do País.

O ministro anunciou o aumento de tributos com um duplo objetivo: ampliar a arrecadação federal, de forma a equilibrar as combalidas contas públicas, e reduzir o ímpeto dos consumidores, para controlar a inflação.

GASOLINA

Sobre combustíveis, o governo vai reinstituir a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide). A taxa estava zerada há quase três anos e, dentro de três meses, voltará efetivamente. Serão R$ 0,22 sobre o preço da gasolina e R$ 0,15 sobre o diesel.

O governo anunciou também o aumento de impostos para produtos importados e a comercialização de cosméticos. Os importadores terão de pagar, a partir de junho (quando a medida entra em vigor), alíquota de 11,75% de PIS/Cofins. Até maio, a alíquota permanecerá em 9,25%.

Para o setor de cosméticos, o governo vai equiparar o atacadista ao produtor, ao introduzir o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) no atacado. "Agora o atacadista, ao adquirir o cosmético da indústria, vai ser creditado do IPI e ao passar a frente, vendendo ao varejista, ele vai ser debitado", disse o novo secretário da Receita Federal, Jorge Rachid.



Equipe econômica comemora o número como mais um sinal de reação da economia, mas há elevado grau de incerteza sobre a tendência

comentários

Na avaliação do ministro da Fazenda, a idade média prevista na proposta de reforma da Previdência é adequada observando outros países

comentários

Para Henrique Meirelles, ministro da Fazenda, a queda do endividamento das empresas e das famílias é pré-condição para o país voltar a crescer

comentários