São Paulo, 02 de Dezembro de 2016

/ Economia

Aumento de impostos vai elevar arrecadação em R$ 20,6 bi
Imprimir

Entre as medidas anunciadas pelo ministro Joaquim Levy destaca-se o reajuste que dobrou para 3% a alíquota do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) nas operações de crédito ao consumidor de até 365 dias

O pacote de aumento de impostos ao consumidor e às empresas dos setores de combustíveis, cosméticos e importadoras anunciado pelo ministro Joaquim Levy irá elevar a arrecadação em R$ 20,6 bilhões.

O governo decidiu dobrar a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), de 1,5% para 3%, que incide sobre os empréstimos bancários contratados pelas pessoas físicas. A medida entra em vigor nesta terça-feira, 20. Além disso, o governo elevará tributos sobre a comercialização de gasolina e óleo diesel nos postos de combustíveis do País.

O ministro anunciou o aumento de tributos com um duplo objetivo: ampliar a arrecadação federal, de forma a equilibrar as combalidas contas públicas, e reduzir o ímpeto dos consumidores, para controlar a inflação.

GASOLINA

Sobre combustíveis, o governo vai reinstituir a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide). A taxa estava zerada há quase três anos e, dentro de três meses, voltará efetivamente. Serão R$ 0,22 sobre o preço da gasolina e R$ 0,15 sobre o diesel.

O governo anunciou também o aumento de impostos para produtos importados e a comercialização de cosméticos. Os importadores terão de pagar, a partir de junho (quando a medida entra em vigor), alíquota de 11,75% de PIS/Cofins. Até maio, a alíquota permanecerá em 9,25%.

Para o setor de cosméticos, o governo vai equiparar o atacadista ao produtor, ao introduzir o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) no atacado. "Agora o atacadista, ao adquirir o cosmético da indústria, vai ser creditado do IPI e ao passar a frente, vendendo ao varejista, ele vai ser debitado", disse o novo secretário da Receita Federal, Jorge Rachid.



Recuperação somente será efetiva mediante o ajuste das contas públicas e continuidade da redução da taxa de juros pelo Banco Central

comentários

Para Murilo Ferreira, presidente da Vale, além de ter de resolver suas próprias questões internas, país pode sofrer mais com as consequências da globalização

comentários

Apesar do arrefecimento das quedas do varejo e da indústria, recuperação é aguardada apenas para 2017 - ainda que persistam incertezas pelo caminho

comentários