São Paulo, 27 de Setembro de 2016

/ Economia

Atual política dos emergentes pode não bastar
Imprimir

Diretor-geral do BIS alerta para o maior endividamento externo. Mas reconhece que as economias emergentes são hoje mais fortes que nos anos 80 e 90.

O cenário para os mercados emergentes tem riscos e as políticas econômicas existentes podem não ser suficientes para a proteção dessas economias. O alerta foi dado neste domingo pelo diretor-geral do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês), Jaime Caruana. O diretor da entidade voltou a reforçar o tom de alerta para o maior endividamento externo das empresas emergentes.

"Nem tudo é cor de rosa. As taxas de câmbio variáveis e uma boa conjuntura macroeconômica podem não ser suficientes para proteger plenamente as economias (emergentes) frente a perturbações externas", disse durante discurso durante a Assembleia Geral Anual do BIS. Caruana observa que, ainda que a dívida externa dessas economias tenha caído em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), "ela se concentra no setor empresarial, onde o descasamento de moedas é mais difícil de detectar e podem afetar mais diretamente o investimento e o emprego".

Uma das preocupações do BIS é o aumento da exposição de empresas emergentes à dívida externa - em moedas fortes como o dólar ou euro - diante da perspectiva de desvalorização de divisas emergentes em meio à fraqueza dessas economias.

Diante desse risco, o diretor do BIS defende que o papel dos bancos centrais "não será simples". Autoridades monetárias devem estar atentas às eventuais deficiências de liquidez em determinados setores e às mudanças na dinâmica das operações de crédito entre instituições bancárias e não bancárias, sugere. No Relatório Anual do BIS divulgado neste domingo, a instituição cita como outros riscos aos emergentes a normalização da política monetária dos Estados Unidos e a queda do preço das commodities.

O diretor do BIS nota que muitas economias emergentes experimentaram um boom de crédito nos últimos anos. Atualmente, "a combinação desses auges com um menor crescimento tem suscitado vulnerabilidades internas e externas". Caruana reconhece, porém, que "em muitos sentidos, as economias emergentes são hoje mais fortes que nos anos 80 e 90".

"Os marcos macroeconômicos melhoraram, a flexibilidade das taxas de câmbio aumentou, a infraestrutura do sistema financeiro é mais robusta e a regulação prudencial é mais restrita", diz. Além disso, o diretor do BIS nota que o desenvolvimento de mercados domésticos de dívida "livrou os países emergentes do 'pecado capital' de endividar-se unicamente em moeda estrangeira". 

Imagem: Thinkstock



Citando o ajuste fiscal, o teto para despesas e os investimentos em infraestrutura, o presidente disse que já há sinais de retomada da economia com as medidas em andamento

comentários

Dados do BIS - o banco central dos bancos centrais - mostram que o patamar saltou de cerca de 60% para 110% do PIB no fim de 2015

comentários

Melhora nas contas externas e o bom volume das reservas internacionais ajudaram o país a superar Turquia e África do Sul em levantamento feito pelo Bank of America

comentários