São Paulo, 28 de Setembro de 2016

/ Economia

A recessão agora está no radar das expectativas
Imprimir

Pela primeira vez neste ano o Focus projeta queda na atividade. Nesse cenário, empresários devem ficar atentos aos estoques e às oportunidades

A percepção de que em 2015 a economia brasileira entrará em recessão cresceu. Em outras palavras: o PIB – a soma dos bens e serviços produzidos pelo país – será negativo.

Pelo menos é o que mostra o mais recente relatório Focus, elaborado pelo Banco Central semanalmente com analistas de 25 instituições financeiras. Pela primeira vez eles reconhecem que este ano será recessivo. A projeção passou de crescimento zero do PIB, na semana passada, para um recuo de 0,42% no indicador em 2015. 

No entanto, para 2016 a expectativa é de melhora: um crescimento do PIB de 1,50%. O fato é que foi mantida essa projeção, que já aparecia no relatório da semana anterior. 

A LCA Consultores, no início deste mês, também já previa uma recessão, ou uma queda de 1% do PIB, considerando as incertezas na economia e o risco maior de racionamento de energia. 

O desempenho negativo esperado para este ano também reflete uma piora na expectativa para o desempenho da indústria. Segundo o Focus, a projeção para a produção industrial neste ano passou a ser de queda de 0,43%. Na semana passada, a expectativa era de alta de 0,44% para o indicador. 

Para o próximo ano, a projeção para a indústria aponta uma estimativa melhor, de crescimento de 2,45%. As expectativas baixas para 2015 refletem o processo de ajuste em curso pelo governo. 

Marcel Solimeo, economista-chefe da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), afirma que a forma como o ano passado terminou e como este começou – com tarifaço e aumento de impostos – ditam o rumo do que está por vir. 

“Tudo isso influencia o ritmo de crescimento, que esperamos ser próximo de zero, um pouco acima ou abaixo. Se a possibilidade de racionamento se concretizar, seguramente teremos um resultado negativo”, afirma Solimeo. 

Em resumo, o cenário de inflação, juros e impostos mais altos retraem a renda dos consumidores e diminuem o apetite para o investimento. Solimeo lembra que a Petrobras deve puxar boa parte da queda no investimento total neste ano. 

Os reajustes nas tarifas de energia, transportes e combustíveis, que fazem parte do conjunto de preços administrados, também estão pesando fortemente na expectativa de inflação. O Focus já projeta alta de 10% para esse conjunto de itens neste ano.

Para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o Focus subiu a projeção de 7,15% para 7,27% em 2015. Com isso, a expectativa para a taxa básica de juros (Selic), que vinha estável em 12,50% no último mês subiu para 12,75% nesta semana. 

Para a próxima reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central (BC), que ocorre nos dias 3 e 4 de março, a expectativa do Focus é de aumento de 0,50 ponto percentual (p.p.) na taxa Selic, que hoje está em 12,25% ao ano.

Antes, os analistas esperavam um ajuste menor, de 0,25 p.p. nesta reunião. A mudança de projeção ocorreu depois de Luiz Awazu, novo diretor de Política Econômica do BC, dizer na Turquia que a política monetária brasileira está especialmente vigilante e que vai trazer a inflação para a meta de 4,5% ao ano em dezembro de 2016.

PRESSÃO DO CÂMBIO

Para Solimeo, além dos preços administrados e de alimentos, também o câmbio pressionará fortemente a inflação. De acordo com o Focus, a projeção para a taxa de câmbio passou de R$ 2,80 para R$ 2,90 ao final de 2015. Para o encerramento de 2016, a expectativa é de R$ 2,93. 

“Um exemplo da influência do dólar na inflação é o comportamento observado no varejo. Muitas redes deixaram de importar produtos e passaram a comercializar o que é produzido no país. No entanto, esses produtos têm preço mais alto que o importado. A taxa de câmbio menor acaba sendo uma proteção para os preços, do ponto de vista da economia”, diz. 

A recomendação para o empresário é que não se deixe levar pelo pessimismo. “Mas é preciso ser realista, principalmente com a política de estoque de produtos. É evitar o excesso e também a atitude de tomar empréstimo com taxa de juro maior. É estar atento e acompanhar”, afirma.

Ele diz que nesse cenário também há oportunidades, principalmente para empresários que produzem produtos que haviam perdido a competitividade com os importados. 

“Com a taxa de câmbio atual, é preciso ficar atento para as oportunidades, principalmente nos setores de vestuário e calçados. O empresário deve encontrar nichos e acompanhá-los bem. O cenário também indica que é preciso procurar formas de reduzir custos para ajustar a empresa ao ritmo da economia”, conclui Solimeo.

* Com informações de Estadão Conteúdo



Índices de preços registraram inflação acima das expectativas no último trimestre, em intensidade inferior ao padrão sazonal, enfatiza relatório do Banco Central

comentários

Relatório trimestral do Banco Central prevê que a inflação, medida pelo IPCA deve ficar em 7,3% em 2016, ante 6,9% projetados em junho passado

comentários

A expectativa para os próximos 12 meses repetiu o mesmo resultado de agosto, de acordo com sondagem da FGV

comentários