São Paulo, 26 de Março de 2017

/ Brasil

Temer convida embaixadores para uma churrascaria
Imprimir

Presidente afirmou que vai acelerar o processo de auditoria nos 21 frigoríficos citados na denúncia da operação Carne Fraca, conduzida pela Polícia Federal

Dois dias depois de virem à tona as denúncias de fraude na carne brasileira, o presidente Michel Temer convidou neste domingo, 19, 40 embaixadores e representantes de países compradores do produto a irem a uma churrascaria em Brasília no início da noite, como prova de que o produto é seguro.

A "excursão" à churrascaria deverá ser feita logo depois da reunião com representantes de países estrangeiros, a terceira do dia para discutir as providências em relação às denúncias que vieram à tona com a operação realizada pela Polícia Federal, na sexta-feira.

Temer afirmou que vai acelerar o processo de auditoria nos 21 frigoríficos citados na denúncia a partir desta semana, disse ter confiança na qualidade da produção nacional e que as plantas exportadoras estão abertas para inspeção de países importadores e ao acompanhamento das atividades de controle.

"O governo federal quer reiterar a confiança na qualidade da produção nacional", declarou ele. "O Ministério da Agricultura tem rigoroso serviço de inspeção. Esse padrão de excelência abriu as portas para mais de 150 países."

Temer citou ainda números da produção para tentar assegurar a qualidade dos produtos. "Ao longo dos últimos anos não foram identificadas objeções. Em 2016 foram expedidas 853 mil partidas de produtos de origem animais e apenas 184 foram consideradas fora da conformidade", citou o presidente, antes da reunião.

De acordo com ele, em boa parte dos casos, as irregularidades estavam ligadas a problemas de rotulagem.

"A reunião de hoje é para prestar esclarecimentos. A notícia pode ter gerado uma preocupação muito grande, especialmente de países que importam a carne como consumidores brasileiros", afirmou o presidente.

Temer observou ainda que, das 4.837 unidades sujeitas à inspeção federal, apenas 21 estão supostamente envolvidas em irregularidades. "E dessas 21, seis exportaram nos últimos 60 dias", disse o presidente.

De acordo com Temer, o Ministério da Agricultura deverá informar a empresa exportadora do lote e o destino. Segundo ele, o objeto da operação não é o sistema de defesa agropecuária brasileira, cujo rigor é conhecido, mas o desvio de condutas.

Todas as plantas exportadoras permanecem abertas para inspeções dos países importadores e ao acompanhamento das atividades de controle.

"FANTASIAS"

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, afirmou que o Brasil deve responder ainda neste domingo, 19/03, o pedido de esclarecimentos feito pela União Europeia e pela China sobre as fraudes no comércio de carnes, reveladas pela Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal na sexta feira.

"É absolutamente natural que os países peçam informações. Estamos prontos para responder", disse.

Maggi afirmou haver "fantasias" em relação a dados divulgados sobre as investigações, como irregularidades no uso de cabeças de porco na formulação de embutidos, o que, de acordo com ele, é permitido.

"Não estou dizendo que não tenha sentido a investigação. Com toda certeza tem", disse. Ele, no entanto, afirmou ser preciso separar as questões.

O ministro afirmou respeitar as investigações. "Mas questionamos a Polícia Federal da ausência na investigação de integrantes da sua pasta."

Como resposta, ouviu que havia funcionários suspeitos de participar da fraude. "A partir de agora a investigação continuará, mas com um aparato técnico que até agora não havia. A investigação daqui para frente tomará um novo rumo."

FOTO: José Cruz/Agência Brasil



Banco aplicou R$ 14,3 bilhões no setor entre 2005 e 2015

comentários

Mercado interno não consegue absorver volume não exportado. Produção e emprego vão diminuir, de acordo com a ABPA

comentários

Para o ministro Blairo Maggi, a reabertura do mercado brasileiro é um atestado da solidez do sistema sanitário do Brasil

comentários