São Paulo, 25 de Julho de 2017

/ Brasil

Portal tira dúvidas sobre a reforma da Previdência
Imprimir

Página do Ministério da Fazenda informa sobre as regras de aposentadorias e pensões após as mudanças, além de reunir artigos sobre o tema

O Ministério da Fazenda lançou uma página destinada a tirar dúvidas sobre aspectos econômicos da reforma da Previdência.

O portal "Por dentro da Reforma da Previdência" contém artigos de economistas da pasta e uma seção de "verdadeiro ou falso" para esclarecer pontos polêmicos, como a existência de déficit na Previdência, a cobrança de dívidas, reversão de isenções e a incidência da Desvinculação de Receitas da União (DRU) sobre as receitas da área.

O portal também direciona os leitores para o portal oficial da Reforma da Previdência, onde é possível se informar sobre as regras de aposentadorias e pensões após as mudanças.

O texto, porém, ainda contém as regras antigas, propostas originalmente pelo governo, que já foram alteradas no parecer do relator, deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA). A Fazenda explicou que, apesar das mudanças, o portal só pode ser atualizado depois que o relatório for votado pelos parlamentares.

No portal, a equipe econômica explica que, sem a reforma, o gasto com aposentadorias e pensões em 2026 será R$ 113 bilhões maior do que com as mudanças.

"Esse é um valor considerável, superior, por exemplo, a tudo o que o governo federal gasta em saúde pública", diz um dos artigos, assinado pelo chefe da Assessoria Especial do Ministério da Fazenda, Marcos Mendes.

O mesmo texto ainda argumenta que, com as alterações, a taxa de crescimento potencial média da economia passaria de menos de 2% ao ano para 3% ao ano.

"Em dez anos após a reforma da previdência, o País estará pelo menos 10% mais rico", diz o artigo.

O portal também mostra detalhadamente como é o cálculo "falso" que mostra superávit na Previdência e na Seguridade Social (que inclui ainda Saúde e Assistência Social) e por que ele está errado.

Uma série de artigos ainda argumentam que a cobrança de toda a dívida previdenciária de empresas, que hoje soma R$ 432,9 bilhões, não seria suficiente para cobrir o rombo no regime de aposentadorias.

Além de nem todo esse crédito ser recuperável, o déficit na Previdência é muito agudo para que isso resolva sozinho o problema. O mesmo ocorre com a revisão de renúncias previdenciárias, segundo a Fazenda.

O governo também diz que a DRU não retira recursos da Seguridade Social, apenas permite maior flexibilidade na gestão do Orçamento.

Há ainda um artigo para defender a redução da desigualdade a partir da reforma da Previdência, uma vez que acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição, que beneficia trabalhadores com rendas mais altas.

O valor médio do benefício de quem se aposenta hoje por idade é de R$ 889,86, enquanto o valor médio da aposentadoria por tempo de contribuição é de R$ 1.824,94.

*FOTO: Thinkstock



Sancionada pelo presidente Michel Temer, a reforma trabalhista,que passa a valer daqui a 120 dias, ainda provoca questionamentos até mesmo dentro do governo

comentários

Em palestra na ACSP, o deputado Arthur Maia (na foto, à dir.) pediu apoio a empresários para conseguir a aprovação da reforma, cujo texto foi modificado para acomodar interesses diversos

comentários

Rodrigo Maia (foto), presidente da Câmara dos Deputados, diz que as alterações na reforma da Previdência já consumiram 40% da economia prevista

comentários