Brasil

Irregularidades nos frigoríficos afetam imagem do Brasil no exterior


José Augusto de Castro, da AEB, acredita que país vai enfrentar eventuais cancelamentos e possíveis reduções de preços


  Por Agência Brasil 17 de Março de 2017 às 18:37

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, avaliou que a imagem do Brasil no exterior vai ser muito afetada, de forma negativa, pelo resultado das investigações da Polícia Federal (PF) que culminaram na Operação Carne Fraca, deflagrada nesta sexta-feira, 17/03.

De acordo com a PF, os frigoríficos envolvidos no esquema criminoso colocavam ácido ascórbico em carnes vencidas e as reembalavam para venda nos mercados interno e externo.

Castro vê com preocupação a situação. “O Brasil demorou muito tempo para consolidar sua participação no mercado internacional e hoje é um dos grandes exportadores de carne. Então, com isso, a imagem do país, vai ser muito afetada.”

Ele esclareceu que como a exportação de carne não é bolsa de mercadorias mas mercado físico, oferta e demanda, o país vai enfrentar eventuais cancelamentos e possíveis reduções de preços. 

Disse que o cenário só não será pior porque nos Estados Unidos, que são o maior exportador de carne de frango hoje, apareceu mais um caso de gripe aviária. “Mas, infelizmente, nós vamos sentir o impacto negativo aqui.”

EMPREGO

Segundo Castro, o Brasil exporta atualmente quase US$ 12 bilhões (o equivalente a quase R$ 40 bilhões) de carnes bovina, suína e de frango por ano. 

“É um setor que emprega muita gente. Os principais compradores da carne brasileira de frango são Arábia Saudita, China e Japão, que são muito exigentes. Possivelmente, eles vão cancelar seus contratos ou vão pedir novos certificados”, indicou Castro.

Ele salientou que, eventualmente, poderá ocorrer repercussões em terceiros países, que podem entender que o Brasil perdeu credibilidade com a emissão de certificados. “É um cenário difícil”, disse. 

O presidente da AEB lamentou que depois da notícia de ontem de que o Brasil aumentou, pela primeira vez nos últimos meses, o nível de emprego, ter essa notícia hoje foi muito ruim.

IMAGEM: Thinkstock