São Paulo, 29 de Maio de 2017

/ Brasil

Exportação de carne perde US$ 130 mi em uma semana
Imprimir

Mercado interno não consegue absorver volume não exportado. Produção e emprego vão diminuir, de acordo com a ABPA

Apenas uma semana após a deflagração da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, o setor de carnes contabiliza perdas de mais de US$ 130 milhões.

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), ligada aos setores de aves e suínos, estima uma perda com exportações de US$ 40 milhões até a sexta-feira.

Já o setor de carne bovina, representado pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), embora não tenha um número fechado, estima que pelo menos US$ 96 milhões em produtos prontos para a exportação estejam parados no Porto de Santos (SP), impedidas de seguir para o exterior.

Em entrevista ao Broadcast Agro, sistema de notícias em tempo real da Agência Estado, o presidente executivo da ABPA, Francisco Turra, afirma que a primeira semana da Operação Carne Fraca foi de "impacto muito forte" para o setor.

"Virou um momento muito dramático, nunca vi igual, e com dificuldades de se reverter", diz. "A solução não demandará uma semana ou uma simples palavra oficial.

Tudo o que deixar de ser exportado não tem espaço para ser absorvido (internamente). Então, tem de diminuir produção e reduzir empregos, o que já começa a ocorrer", afirma.

LEIA MAIS: China volta a importar carne brasileira

Na semana passada, a JBS, por exemplo, anunciou a suspensão da produção de carne bovina em 33 de suas 36 unidades no Brasil, e informou que, quando retomar as atividades, a partir de amanhã, as fábricas vão operar com um corte de 35% na produção. Isso seria feito para ajustar a produção à demanda em queda.

'ABSURDO'

Com o bloqueio de vários países às importações de carnes brasileiras, os embarques praticamente ficaram paralisados.

O próprio Ministério da Agricultura estimou que a queda chega a mais de 90%. "É uma coisa absurda", afirmou o ministro Blairo Maggi. O ministro acredita que as exportações poderão ser regularizadas num prazo entre uma semana e 15 dias.

Ainda assim, o prejuízo já ocorreu. No mínimo, os frigoríficos perderam de uma semana a 15 dias nos volumes de produção que haviam programado para este ano.

Maggi estimou durante a semana que as perdas com exportações de carne poderiam chegar a US$ 1,5 bilhão, se a crise não for solucionada rapidamente.

Para tentar reverter a situação, o próprio ministro vem trabalhando com a Abiec e a ABPA em busca de estratégias.

LEIA MAIS: Investidores entram com ação contra a JBS nos EUA

Uma delas, de acordo com o presidente da Abiec, Antônio Jorge Camardelli, seria uma missão brasileira aos países que suspenderam as compras da carne brasileira.

"A primeira visita, que possivelmente contará com Maggi, seria à China (que ontem anunciou que retomará as importações, exceto dos 21 frigoríficos investigados na Carne Fraca), e depois Hong Kong e Argélia, "importante mercado para o Brasil e que vinha ampliando significativamente as compras desde janeiro", disse Camardelli.

As vendas de carnes têm peso importante dentro da economia brasileira. No ano passado, responderam por 7,5% do total das exportações do país, com um impacto aproximado de 0,8% do PIB.

Por isso, são grandes as preocupações de que essa crise se prolongue por mais tempo.

MINEIROS PAROU

Perder tempo é igual a salgar carne podre: não adianta nada. O ditado popular escolhido pelo secretário de governo de Mineiros (GO), Aleomar Rezende, para resumir o clima do município soa como uma ironia ao pesadelo em que a pequena cidade se meteu desde o dia 17 deste mês, quando a Polícia Federal acordou todo o país com prisões e denúncias de que a carne nacional está contaminada por esquemas de corrupção, papelão e bactérias.

"Parou tudo por aqui. O povo está apreensivo porque a cidade depende muito dessa indústria", diz Rezende. "A gente está diante do risco de um retrocesso profundo, que nem conseguimos medir."

Há dez anos, a BRF Perdigão instalou seu complexo frigorífico na cidade, localizada a 450 quilômetros de Goiânia, no limite com Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Um ano antes, o concorrente Marfrig já havia erguido uma unidade na região.

Mineiros, que uma década atrás não tinha um único semáforo nas ruas, ganhou pavimentação e picapes de luxo circulando dia e noite pela cidade.

Foi preciso importar mão de obra para tocar as linhas de abate de frango e peru. Fazendas e sítios se converteram em granjas. A população de 40 mil pessoas em 2007 saltou para os atuais 70 mil habitantes.

Hoje, a cidade que nasceu das rotas de imigração de garimpeiros e fazendeiros que deixaram o Triângulo Mineiro no fim do século 19 tem 25% de sua população ligada direta ou indiretamente à indústria da carne.

Do plantio de grãos para ração, passando pelas granjas, pelas empresas de transporte de insumos e de animais, até a entrega das aves na porta do frigorífico, cerca de 18 mil pessoas dependem das operações diárias dessas linhas de processamento, que funcionam de segunda a sábado, durante todo o ano, abatendo 115 mil frangos e 25 mil perus por dia.

"É uma cadeia produtiva inteira que está parada e isso gera um efeito cascata", diz Fábio Leme, vice-presidente da Associação dos Avicultores Integrados da Perdigão em Mineiros (Avip).

Noé Ferreira de Oliveira, dono de uma loja de roupas no centro da cidade e diretor da Câmara dos Dirigentes Lojistas de Mineiros (CDL), diz que os efeitos já começaram a ser sentidos pelo comércio da cidade.

"Pode reparar que as lojas estão mais vazias. O povo fica ressabiado, ninguém vai gastar porque não sabe qual será o resultado dessa situação", diz ele.

A paralisação da unidade de Mineiros da BRF se deu por determinação do Ministério da Agricultura, após a Polícia Federal apurar indícios de que o complexo que exporta carne de aves para a Europa, África e Ásia teria envolvimento em um esquema de pagamento de propinas em troca de afrouxamento das fiscalizações sanitárias que envolvem a produção.

As investigações da PF apontam ainda casos de presença da bactéria salmonela em aves que foram exportadas pela fábrica.

A BRF afirma, porém, que "não compactua com práticas ilícitas e refuta categoricamente qualquer insinuação em contrário". A empresa diz que "não tolera qualquer desvio de seu manual da transparência e da legislação e regulamentação brasileiras e dos países em que atua."

"Se há irregularidades ou esquemas de corrupção, isso tem de ser apurado e punido", diz Leme, da Avip. "O que não é possível é deixar uma cidade inteira sem saber qual será o seu destino."

Entre os empresários da cidade e da própria BRF, a expectativa é de que a unidade volte a operar nos próximos dias. O estrago, no entanto, já está feito, por conta dos embargos de compradores no exterior.

"Não adianta produzir, se não há para quem vender", diz Sérgio Marchio, empresário do ramo de galpões em Mineiros.

"Nesses últimos dez anos, a gente viveu um período incrível de crescimento, mesmo com toda a crise na economia. Agora, veio esse baque tremendo", lamenta Marchio.

Escoamento. Nas redondezas de Mineiros, a única estrutura da BRF que ainda tem algum movimento é o centro de produção de ração, onde dezenas de caminhões aguardam em fila para entregar o milho nas granjas.

"Esse negócio dá muito emprego para nós. Se fechar, vai complicar a situação", diz o caminhoneiro Hélio Ferreira.

Ao que tudo indica, não deverá faltar trabalho para os caminhoneiros. Para desafogar as granjas de Mineiros, o Ministério da Agricultura autorizou o transporte de perus para a unidade da BRF em Uberlândia.

A partir de amanhã, milhares de aves vivas serão transferidas de caminhão para serem abatidas na cidade de Minas Gerais, a mais de 530 km dos mineirenses.

FISCALIZAÇÃO

A maior parte dos funcionários responsáveis por fiscalizar a qualidade e o cumprimento das exigências sanitárias que envolvem a produção de carnes na BRF está ligada à própria empresa.

São seus funcionários diretos. Dos 112 agentes do Serviço de Inspeção Federal (SIF) do Ministério da Agricultura que fiscalizam a unidade de Mineiros (GO), da BRF Perdigão, 104 são empregados formais da companhia, o equivalente a 93% da equipe.

Os oito agentes restantes estão ligados ao Ministério da Agricultura e à prefeitura do município goiano.

As informações foram confirmadas ao Estado por Sérgio Dias Nogueira, que é agente do SIF da BRF Perdigão e funcionário direto da empresa. Nogueira atua na área de fiscalização do complexo frigorífico de Mineiros desde a sua fundação, em 2007.

A contratação de fiscais pela própria empresa a ser inspecionada é permitida pelas regras brasileiras previstas no Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (Riispoa). Mas isso não é permitido em países como os Estados Unidos, em razão de riscos de conflito de interesse.

Apesar do vínculo empregatício com a BRF, Nogueira afirma que nunca viveu episódio algum de pressão política ou de tentativa para que revisasse qualquer análise sanitária.

"Não existe essa pressão, e nem adiantaria eles virem, porque somos um grupo muito fechado", afirma ele.

Nogueira está entre os funcionários da BRF que acompanharam a auditoria realizada na semana passada por dois técnicos do Ministério da Agricultura.

Na ocasião, foram coletadas amostras de frango e de peru para passarem por avaliação, além de documentos guardados na unidade de Mineiros.

Ao todo, a unidade da Perdigão na cidade goiana conta com 2.250 funcionários diretos. A inclusão do complexo na Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, surpreendeu a toda a equipe, diz Nogueira.

"Foi um susto muito grande para a gente. Até então, ninguém sabia o que estava acontecendo. Levamos esse baque na sexta-feira (17)." O fechamento da unidade de Mineiros foi determinado pelo Ministério da Agricultura.

Nas investigações da Polícia Federal, o chefe do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal em Goiás (Sipoa-GO), Dinis Lourenço da Silva, foi flagrado em escutas telefônicas negociando com funcionários da empresa a manutenção do frigorífico. Em troca do favor, ele teria solicitado R$ 300 mil para campanha nas eleições municipais de Goiânia, capital do Estado.

Nogueira diz que não conhecia Dinis e que sua equipe não tinha contato direto com o chefe do Serviço de Inspeção. "Se isso ocorria, não chegava até nós. Seria em um nível mais alto, mas não em nosso dia a dia."

Foto: Estadão Conteúdo



A cobrança começou em abril e elevou os preços de alguns cortes em até 8%, segundo levantamento da Fipe

comentários

Resultado entre exportações e importações é o melhor para o mês desde o início da série histórica, em 1989

comentários

Um estudo feito pela CNC aponta que, dos 25 segmentos monitorados pelo Caged, 13 melhoraram o desempenho no primeiro trimestre

comentários